segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Resposta à charada. Ou É tempo de butiá. Ou Receitas com Butiá


Resposta à charada do último post: coquinho de butiá. Obrigada a todos que participaram. Quando minha palmeirinha começar a produzir, estão convidados para a minha festa do butiá.

Quem leu meus últimos posts deve ter reparado que ganhei um tanto de butiás dos meus amigos Mariângela e Rui, de Porto Alegre. Mandaram três tipos diferentes. Eu tinha certa familiaridade com os coquinhos da parte norte do país, mas estes, do Sul, me eram totalmente desconhecidos. Ouvi sobre eles pela primeira vez quando estive na casa dos amigos no ano passado. Não era época, então comprei apenas o suco e guardei para comparar quando tivesse em mãos os frutinhos. Na feira de agricultura familiar, no Rio de Janeiro, também comprei outro suco e novamente guardei. Em certo momento tive que esconder as garrafas pois o Marcos ameaçava abrir alegando não resistir à tentação. Pois escondi e resisti até poder comparar os sucos com seus frutos. E, claro, não tem comparação. Gelo e açúcar melhoram o suco, mas o sabor doce, azedinho e marcante (não consegui me lembrar de nenhuma fruta parecida no sabor - talvez com uma uvaia, lá longe, por causa do perfume e da acidez) do fruto fresco deixa o suco industrializado numa situação muito desvantajosa. No entanto, o coquinho é cremoso, tem boa quantidade de açúcar e congela bem. Imagino que sua polpa congelada seria outra boa forma de aproveitamente industrial, além do suco.


Se os frutinhos estiverem semi-congelados, mais fácil será para tirar a polpa


Para que a amêndoa desprenda facilmente, é bom desidratar os coquinhos pelo tempo ou pelo calor.


Aí é só apoiar uma tábua num lugar firme - não no meio da sua pia de pedra - e usar um martelo pesado. Os primeiros golpes tendem a ser temerosos e os coquinhos permanecem intactos. Os segundos tendem a esmagar o coquinho inteiro com as amêndoas. Aos poucos a gente descobre o peso e o tamanho do golpe certeiro.
Para qualquer coisa que for fazer com a polpa, ela deve ser batida com algum líquido e peneirada para separar algumas fibras e pele.
A fruta é ácida, rica em ácido ascórbico (vit. C), mas adocicada e aromática. Ideal para perfumar cachaças e fazer drinques como caipirinha.
Aqui, o pezinho de butiá que ganhei dos amigos gaúchos e os sucos de marcas diferentes que guardei para comparar - bons, mas nem tanto quanto os frutos. As sementinhas chupadas, no vaso, vou guardar para plantar.

Clique e Amplie para saber sobre a palmeira - cartaz do estande de suco de butiá na feira de agricultura familiar no Rio de Janeiro em 2008
As palmeiras do gênero Butia se dividem em pelo nove espécies diferentes nativas na América do Sul. Em comum os frutos são redondo uma ou duas amêndoas, dependendo da espécie e tamanho. Para que as amêndoas se despreendam facilmente da casca dura do coquinho, é necessário desidratá-las um pouco. Ou deixando secar por uns dias ou secando no fogo - usei uma frigideira e aqueci, mexendo, por cerca de 5 minutos. Depois foi só quebrar com martelo e usar a amêndoa da mesma forma que usaria frutos secos picados. É oleosa, crocante, saborosa, suave, tem sabor de coco e pode ser usada em doces ou salgados.
Agora, passo a palavra para o Rui Gassen, o amigo que se empenhou para me mandar as frutinhas - mestre ceramista e senhor conhecedor de butiás. Sorte minha ter amigos assim que, além de me mandar as frutinhas (obrigada, Mariângela, por ter trazido as frutinhas de avião, no colo), ainda explicam tudo, sobre vantagens e perigos. Desculpe aí, Rui, mas seu email vem na íntegra para o Come-se. Assim não preciso resumir. O email dele:
"Neide, o butiá tem sabor e formas muito variadas. Tem o de caroço solto, firme, e os tamanhos variam muito de região para região. Aqui na grande Porto Alegre eles são menores e menos ácidos. Próximo de Santa Rosa tem a cidade de Giruá, conhecida pelos butiá, que são vendidos ao longo da faixa por ambulantes. Quando as pessoas compram e consomem na hora, logo o caroço é atirado para fora da janela do carro. Em pouco tempo está ali o novo butiazeiro. Ao longo da rodovia se enfileiram centenas deles. Os frutos deles não são tão grandes. As pessoas têm o costume de parar e cortar um cacho com o facão e levar para casa. Em fevereiro acontece a Festa do Butiá em Giruá, quando são preparadas as mais variadas formas de consumi-lo. Os butiás atraem um grande número de animais e aves que consomem os frutos e as amêndoas dentro dos caroços. Por isto é muito comum encontrar seus predadores, as cobras venenosas, ao redor do tronco, folhas e mesmo nos cachos. A mais perigosa é a Jararaca. No ano passado aconteceu uma tragédia envolvendo uma família de Santo Cristo (cidade vizinha). O motorista parou o carro, colheu um cacho de butiá na beira da estrada e o colocou ao lado do filho de 4 anos no banco traseiro. A criança começou a chorar, mas como não viram nada não deram muita bola. Quando chegaram em Santo Cristo encontraram uma pequena jararaca enrodilhada no cacho e que picara a criança mais de 7 vezes. Ela não sobreviveu. Esta história me deixou muito triste. O uso mais comum do Butiá é coloca-lo em infusão na cachaça e deixá-lo curtindo até ficar de seu gosto. O meu primo Nelson que cedeu gentilmente os butiás mais graúdos (os congelados) me explicou que pode ser feito um sagu bem gostoso. Ele deve ser descascado e raspado a polpa do caroço e com ela preparar o sagu. Nunca provei, mas acho que o sabor azedo funciona bem. As duas amêndoas em seu interior estão grudadas firmemente no interior do caroço. O ideal é secá-lo ao sol por pelo menos um mês e quebrar o caroço com o martelo, elas se soltam facilmente. As amêndoas são super saborosa. Minha mãe as preparava com açúcar queimado na forma de balinhas. Imagino que seu sabor característico também sirva para a tua culinária investigativa. As pessoas quando consomem um butiá especialmente saboroso plantam as sementes. Existem butiazeiros muito antigos. Os da foto têm no mínimo 70 anos. Com o passar dos anos suas características específicas são associadas com o nome das famílias. Quando perguntei para minha mãe onde poderia conseguir butiás, ela enumerou várias famílias da região cujos butiás eram saborosos. Os que te trouxe de Santa Rosa são os "Butiás do Nelson". Ligamos para a família Walldorf, mas os butiás dali ainda não estavam maduros. Eles amadurecem em fevereiro. Os da vó também não estavam bons. O Butiá na cachaça fui eu que preparei. Usei uma cachaça da região "Garoa" da cidade de Tio Hugo. Não deve ser grande coisa por causa do preço. Mas resolvi usá-la por ser Slow. Não tem nada a ver colocar butiá gaucho numa cachaça de Minas Gerais. Aquela muda que levaste vem da casa da mãe de uma aluna minha em Bento Gonçalves. Ela me disse que é o melhor butiá que ela já comeu (deve ser o confort food dela). Não quero te desanimar, mas me informaram que leva de 7 a 10 anos para que ele frutifique. Acho que tu não deverias esperar tanto tempo para fazer o post. Espero que estas informações te ajudem para alguma coisa. Não tem nada "comprovado". São informações coletadas em conversas informais com os conhecidos de Santa Rosa em uma roda de chimarrão. Os butiás dos saquinhos menores foram comprados ontem em bancas distintas no mercado público. O vendedor não soube me informar a procedência. Falou que vinha dos arredores."

Butiazeiros. Foto: Rui Gassen

Estes, de Santa Rosa-RS, eram os mais gostosos: graúdos, muito doces, azedos e perfumados, num blend perfeito. Muita carne, pouca fibra. Bom para comer in natura. Quase não consigo deixar para as receitas.

Já estes, do Mercado Público de Porto Alegre, também eram bons, porém menos doces, ideais para o preparo de receitas
Receitas: como não encontrei nenhuma receita de butiá nos livros ou na rede, apelei para minha intuição e preparos com outras frutas E fiz adaptações necessárias. Ficaram boas, porque o sabor é muito caracaterístico. Poderia ter feito outros pratos, mas comi sozinha quase a metade dos frutinhos. Quando minha palmeira frutificar ou, quem sabe, receber mais frutinhas do Sul, pensarei em outros preparos. Por enquanto, aqui vão duas formas boas de se comer butiá:

Sagu de butiá
1/4 de xícara de bolinhas de sagu de mandioca
1 litro de água
150 g de polpa de butiá
1/4 de xícara de açúcar ou a gosto
Coloque numa panela a água para ferver. Jogue as bolinhas de sagu e deixe cozinhar por cerca de meia hora ou até as bolinhas ficarem translúcidas, com uma bolinha branca no centro. Passe as bolinhas por uma peneira e recolha o líquido no copo do liquidificador. Devolva as bolinhas à panela e reserve. Junte a polpa com o líquido, no copo do liqudificador, e bata bem. Passe tudo por uma peneira recolhendo o suco na panela com as bolinhas. Junte o açúcar e leve ao fogo, mexendo devagar, por cerca de 3 minutos ou até derreter o açúcar. Sirva morno ou gelado.
Rende: 4 porções
Sorvete de butiá
160 g de polpa de butiá
300 ml de leite integral
100 g de açúcar
120 ml de creme de leite fresco
Bata a polpa de butiá no liquidificador com o leite por cerca de 2 minutos ou até ficar tudo bem triturado. Peneire, junte os outros ingredientes, bata por mais 2 minutos e leve à geladeira por 3 horas ou de um dia para o outro ou até a mistura ficar bem gelada. Bata de novo no liquidificador e coloque na sorveteira elétrica. Quando ficar bem cremoso, tire da batedeira e leve ao freezer por algumas horas para firmar. Sirva bolas de sorvete com crocante de coquinho de buitá. Veja a seguir como se faz.
Rende: 6 põrções
Nota: se não tiver batedeira, bata tudo e leve ao freezer numa tigela de inox ou vidro até endurecer. De vez em quando raspe com uma colher para ficar cremoso. Ou bata tudo e congele em forminha de gelo ou de picolé.
Crocante de coquinho de butiá
2 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (sopa) de coquinhos de butiá picados finamente
Derreta o açúcar até o ponto de caramelo, junte o coquinho e tire do fogo. Jogue imediatamente sobre uma pedra untada com manteiga. Quando endurecer, pique bem. Espague um pouco sobre o sorvete imediatamente antes de servir. Rende: 4 colheres (sopa)
O bichinho veio junto com os frutos, mas este não comi, não.

42 comentários:

Nina disse...

do as fotos me veio o cheiro e o gosto da minha infância... eu tinha uma tábua com um cavadinho pronto para apoiar os coquinhos, pra facilitar o trabalho. Depois, já maior, descobri como o butiá na cachaça é ma-ra-vi-lho-so! Sempre que volto para minha terrinha (sou uma gaúcha perdida em Curitiba), procuro trazer uma garrafa preparada ou umas frutinhas. Beijos, adoro seu blog!

Daniel Brazil disse...

Na região de Porto Seguro, Sul da Bahia, há uma palmeira baixinha, que dá na beira da praia, com coquinhos amarelos, doces e perfumados. Como estive lá há mais de 10 anos, quem disse que lembro do nome? Ai, ai, ai...
Não vi como se come, mas na cachaça fica muito bom!

Neide Rigo disse...

Nina, você viu que também já ficou um cavadinho na minha tábua? Foi uma feliz descoberta o butiá! E na cachaça é mesmo muito bom.

Daniel, se descobrir, me conte.

Um abraço,
N

Sill disse...

Oi, Neide! Entendi bem qdo vc fala da diferença de sabor do frutinho fresco e do suco engarrafado. Provei pela primeira vez acerola fresca no pé e suco feito c as frutinhas colhidas na hora em Marajó. Completamente diferentes do suco de polpa q tomamos aqui. Azedinha e saborosíssima. Aposto que c o butiá deva ser a mesma coisa. bj Sill

Neide Rigo disse...

Sil,
A acerola do Marajó é bem gostosa, né? bem grandona. É isto mesmo. O suco de acerola não tem nada que ver com a fruta. bjs,n

Rui disse...

Oi Neide. Achei bem legal o post do Butiá. Pena que eu não possa testar as receitas. Mandei todos os butiás para tí. Gostaria de saber tuas impressões sobre as amêndoas. Elas também tem um gosto diferenciado? Não me lembro mais do gosto. Depois de adulto nunca mais provei. Quando abria os coquinhos que encontrava ao redor dos tronco era comum encontrar o mesmo tipo de larvas. Sempre pensei que elas infestassem as sementes quando já não havia mais polpa ao redor delas. Esta da foto estava em um dos butiás inteiros que te mandei?. Lembro também que algumas amêndoas tinham um gosto rançoso. Deve ser porque estavam muito tempo no chão

Neide Rigo disse...

Rui,
uma pena que tenha mandado todos os butiás para mim rsss. A larvinha estava passeando na superfície dos butiás. Coitada, não sabe como veio parar em São Paulo. Era bem esperta, foi difícil conseguir uma foto dela. Joguei-a no jardim, espero que ela tenha se virado. As amêndoas têm sabor suave de coco. Só que mais gordurosas que leitosas. Não peguei nenhuma rançosa. Deve ser as mais velhas mesmo.
Um abraço,
N

Carlos Hundertmarker disse...

Neide, adorei teu blog. Descobri hoje apenas, irei te visitar sempre !
Abraços,
Carlos

tita disse...

Gente! Isso é que o que chamo de mil e uma utilidades! E que post mais completo!!!
O que mais me chamou atenção foi uma foto, com uma figura do artista plástico Samico, meu conterrâneo aqui de Pernambuco.
Ah, à propósito, sou Tita, sua nova leitora.
Achei seu blog porque estava pesquisando no google sobre como fazer uma horta em casa.
abração e até!

Neide Rigo disse...

Oi, Tita,
que legal que prestou atenção à obra do Samico - é uma capa de um velho bolachão do Quinteto Armorial. Obrigada, volte sempre. Beijos, n

Talita disse...

HAHAHAH! O bichinho no fim do post foi hilário! Eu que não quero comer bichinho também, não! rsrs
Blog nota 10 o seu!

Anônimo disse...

gente comia muito butia quando criança...na epoca a gente so comia o butia e jogava os carocinhos pelo chao ..quando tirminava a epoca era a maior diversao achar os carocinhos para comer fiamos tardes....nostalgia toda algora!!!!

Lina Jehle disse...

Oi Neide, 1º queria te agradecer por nos dizer o nome daquela flôr roxa - íris !! Vou começar a fotografar todas q não sei o nome e ver se vc cnhece, posso ?!?!!? rsrsrs
Agora, butiá é q há !! Só tenho q discordar de uam coisa: butiá com cachaça de Minas é bão q só !!! E olhe q sou gaúcha !! kakakakak
Tínhamos um pé de butiá aqui em casa q minha mãe trouxe no colo dela no avião qdo voltava de Porto Lucena/RS (pertinho lá de Sta Rosa. Ela pediu pra minha tia fazer outra muda pra trazer pra cá. Aqui eu nunca vi, pra te falar a verdae nunca vi nenhuma fruta tipicamente brasileira sendo vendida em mercados. Qq uma vc tem q ir na terrinha de origem pra comer. Aqui em casa temos um pomar diversificado pq somos do sul e meu pai é de Fortaleza. Daí q comer tapioca com schimier pra nós é normal !!

Bjs, fica bem

Ana disse...

Neide:
Como morei em Santo Angelo que é vizinho a Santa Rosa, lá costumava comprar licor caseiro de butiá que também é muito gostoso.
Provavelmente algum familiar do Rui deve saber fazer.
Ah, e a larvinha é proteína pura hehehe....até estranhei vc dizer que não comeu, porque pra quem sonha em comer içá...sua maluca.
beijo

Laura Backes disse...

Neide! Comprei butiás hoje na feirinha orgânica e vim catar receitas na rede, e ei que encontrei teu blog e me senti em casa. Sou de Porto Alegre, adoradora das lindas cerâmicas do Rui, e também reparei na gravura, só não tinha reconhecido que era do samico.
Lembro da infância catando butiás, abrindo coquinhos...
Vou ver se testo o sagu. Mas uma cachacinha de butiá sai, é certo.
Já o povo de Santa Catarina, pode se deletar com sorvete de butiá na gelomel.
E tu não tens receita de pitanga, não? Vou vasculhar no blog!

Laura Backes disse...

Achei o dos muffins!
E como é que se faz uma campanha prá comercializarem pitangas? Das graúdas deve dar.
Eu tinha um vizinho que meu filho chamava de Dirceu pitanga pois às vezes ele nos oferecia uma porção generosa de suas pitangas graúdas.
E uma vez, como elas estavam estragando, fiz uma geléia. Fica divino, ácido e doce. Talvez funcione com butiás...

Neide Rigo disse...

Laura,
que bom saber que caiu aqui por causa dos butiás, e que conhece o Rui e suas cerâmicas, e que é de Porto Alegre, e que achou o post sobre pitangas, e que gostou do blog... Nada é por acaso. Rui virá passar uns dias aqui em casa no Carnaval e me trará mais um tanto de butiá. Veremos o que vai sair. Volte sempre. Beijos, N (acho que tem toda a razão sobre comercialização das pitangas´e outras frutinhas como uvaia etc).

Laura Backes disse...

iche! Falei demais né? Uma avalanche de comentários!
Mas é a segunda vez na vida que posto num blog.
Mas é que foi tanta coisa se cruzando contigo.
Furunguei-o no finde e adorei.
Deu vontade de postar até nuns posts antigos, tanta coisa.
Bem,tens nova fã.
Ah! Não fiz sagu não. Só cachaça. Metade do jeito clássico da minha vó, as frutas inteiras; a outra segui uma receita da rede que mandava cozinhar as polpas 40 min prá depois encachaçá-la. Proveitei e provei se dava prá geleia (chimia!). Dá não: muito fibrosa. Talvez peneirando...
Pronto, já falei demais de novo!
boa semana prá ti!

Neide Rigo disse...

Querida Laura,
quando o Rui me trouxer mais butiás, vou testar a chimia peneirando a poupa, como fiz para o sorvete. Depois eu conto. E, olhe, fique à vontade para comentar os posts novos e antigos. É sempre um prazer ouvir outras histórias que não as minhas. E aqui você pode escrever quanto quiser. Um beijo, N

Adilson Di disse...

Bah galera,
Abri minha geladeira hoje e encontrei uma gamela cheinha de butias e com os bichinhos encarangados do lado, pois eles sentem frio e saem da frutinha, he he, agora venho aqui e me deparo com este blog... legal, o butiá é loco de bueno

cleiammf disse...

Hummm..... butiás. Como desde menina ( faz teeempo he he he ). Adoro frutas azedas, ácidas. Voltei de Sta Maria/RS esta semana com uns dois kg de butiás e hj separei a polpa e joguei os coquinhos fooora!!!.Sabia fazer o pavê,e sorvete, como se faz de maracujá, uva, etc. Adoro sagú e com certeza vou testar. Aprendi a colocá-los na cachaça com meu pai e fica muuuuito bom!!!! Valeu pelas dicas e prefira ganhar ou comprar as frutas, porque tem butiazeiros que não frutificam, precisam de cultivo especial, viu?.
Um abraço, Cléia
De Itajai SC

Maria Elena disse...

Menina, estava eu procurando receitas com butiá, e encontrei teu blog, tenho um pé de butiá em meu jardim, imagine só dou butiá para meus visinho e amigos pois em minha casa o consumo é muito pouco, vai quase tudo fora. Mas agora já copiei tuas receitas q parecem ser maravilhosas, e as dicas do coquinho então amei, muito obrigada.O pé de butiá do meu jardim produz até 4 cachos em uma unica vez, é impressionante fica lindo, quem passa na calçada a pé para, pra ver, ele é muito bem cuidado e agora plantamos orquidea no seu tronco c um puquinho de terra pois ela aceita muito bem esse lugar.É meu marido quem cuida de nosso jardim, e eu queria q ele cortasse o pé de butiá , imagine só???? qualquer dia lhe mando uma foto dele produzindo vc vai ver como é lindo. Meul email é lena.meira@yahoo.com.br eu moro em Pitanga, no Paraná pequenina cidade de interior. Bjs e até mais. Lena.

Neide Rigo disse...

Oi, Lena!
Estou aqui morrendo de inveja do seu butiazeiro. Ainda bem que não cortou. Um beijo, N

Regina Barth disse...

Oi amiga...entrei no seu blog pq estava procurando receitas de butia...o pé de butia do vizinho tá amadurecendo muito rapido...e ai o que fazer com eles??? estou congelando...para consumir mais tarde...Um abraço

tiago disse...

oi eu tenho um pé de butia na minha casa e ele ta florecendo mas não esta seguranndo do o fruto ele cai tudo voçê tem alguma dica do que eu posso fazer.!!no mais só agradeço teh+

Adriana Zancanaro disse...

Olá, Neide! Tudo bem?
Esta semana meu pai veio com esta do suco de butia (aqui em casa tem), e nós não tinhamos conhecimento e até zoamos dele rs. Ai hoje resolvi pesquisar na internet e achei muitos sites e blogs falando a respeito do tal suco de butia =D .... e sabe que é bom mesmo.

Adorei seu blog e ja sou seguidora.
Uma ótima semana.
Beijos
Adri

casabarra disse...

Tenho um pé de butiá no meu pequeno jardim, meu marido ganhou uma mudinha da madrinha dele. Cada ano que passa os coquinhos estão vez mais coces, porém só sabia colocá-los na cachaça. Resolvi procurar receitas de butiás e elas existem... fiquei tão feliz que vou começar agora mesmo preparando uma musse de butiá ou um sorvete.
Adorei!
Esse ano já colhi 3 cachos e até joguei butiás fora... que desperdiço!!!

jefson disse...

moro em criciuma s/c e nao sei mas oq fazer com tanto butia adorei essas receitas vou começar a preparar hj mesmo. valeu bjs gi

Anônimo disse...

moro em criciuma s/c e nao sei mas oq fazer com tanto butia adorei essas receitas vou começar a preparar hj mesmo. valeu bjs gi

Nêssa disse...

Olá Neide, que surpresa agradável encontrar teu blog, em minha terra, Santa Vitória do Palmar, RS, o butiá é a fruta símbolo, por isso o nome da cidade, do Palmar. Como butiá desde criança e te digo que tuas dicas estão corretíssimas! Me criei quebrando coquinhos em cima de uma mesa com tampo de pedra que tínhamos no pátio, quanta saudade!
Estamos na época de colher os butiás, aqui fazemos licor, arroz doce com butía, geléias, bombons, é uma fruta deliciosa, obrigada por divulgá-la!

Vou sempre acompanhar seu blog, abraços.

Vanessa Pereira Dias disse...

Olá Neide, que surpresa agradável encontrar teu blog, em minha terra, Santa Vitória do Palmar, RS, o butiá é a fruta símbolo, por isso o nome da cidade, do Palmar. Como butiá desde criança e te digo que tuas dicas estão corretíssimas! Me criei quebrando coquinhos em cima de uma mesa com tampo de pedra que tínhamos no pátio, quanta saudade!
Estamos na época de colher os butiás, aqui fazemos licor, arroz doce com butía, geléias, bombons, é uma fruta deliciosa, obrigada por divulgá-la!

Vou sempre acompanhar seu blog, abraços.

Anônimo disse...

Neide,
Sou de Venâncio Aires-RS e adorei este blog sobre o butiá. Estava procurandosobre como plantar o coquinho.
Beijos, Rose

Anônimo disse...

Ola! Estava procurando receitas com butia e me deparei com o blog.
Alem de doces, tambem pode-se fazer receitas salgadas maravilhosas com butia. A chef Tais Muradas dona do Restaurante Lua Marinha, na Praia do Rosa (Imbituba, SC), faz um prato de camarao ao molho de butia, que e' de comer rezando!

wilson disse...

conheci butia agora no mes de julho de 2011 gostei muito do sabor , temos uma frutinha aqui em goias que se chama sirguela que tem o sabor muito parecido

barbabeto60@yahoo.com.br disse...

OLHA ARENDI A FAZER MUDA SÓ PISAR EM CIMA DO CARROÇO QUANDO REPLANTAR NAO APERTAR A TERRA AO REDOR.PARA DAR UM BUTIA CARNUDO SO DETETIZAR O CACHO COM DESINFETANTE POR MOTYIVO QUE QUEM LEVA O INSETO PARA CIMA DO CACHO É A FORMIGUINHA MIUDA QUE VAI PAOBRIGADO.TROCINAR AÇUCAR ESTE VERME É O DA VAREJEIRA PESQUISO A MAIS DE 20 ANOS.AGORA CHEGAO A SE EMPURAR AS FRUTINHAS AMUNTUAR 7 CACHOS NA FRENTE DE CASA

Anônimo disse...

Caríssima!
Tenho muita curiosidade, mas pouco tempo e talento quase nenhum, em ver como ficaria um arroz com butiá, uma imitação gaudéria do arroz com pequi do centro do país.
Abraço!
Glênio gboelter@ig.com.br

Anônimo disse...

NEIDE, UM ABRAÇO, ACHEI O TEU BLOG É MARAVILHOSO, AMO BUTIÁ, SOU CATARINENSE E MORRO DE VONTADE DE COMER ALGUMA COISA COM BUTIÁ, JÁ PERGUNTEI PARA MUITA GENTE ONDE SE COMPRA GELEIA DE BUTIÁ, MAS NINGUEM ME DA RESPOSTA, TU PODES FAZER ISTO PARA MIM? EU HOJE MORO EM VILA VELHA ESPIRITO SANTO.SE TU PUDERES ME DIZER COMO COMPRAR, CHEGO ESTAR COM A BOCA CHEIA DE AGUA. UM ABRAÇO MADALENA FAVASSA, MEU EMAIL É MADALENAFAVASSA@HOTMAIL.COM, MEU TELEFONE É -27-3349-3905,POR FAVOR ME AJUDA. ME MANDA UM EMAIL FALANDO COMO POSSO COMPRAR, GÉLEIA OU OUTRA COISA FEITA DE BUTIÁ.

Mariana de Lara disse...

Olá , gostaria de saber a época do ano em que o butiá esta maduro. E que época também o guamirim está maduro? desde já agradeço por sua atenção.

WagnerJ. disse...

Mariana de Lara, o butiazeiro começa a madurar pelo verão, quando vou ao interior, algumas já estão maduras e outras que ainda estão se formando durante o verão. Dentre novembro e março.

Cris disse...

Sou uma fanática por butiás! Me mudei para Santa Maria (de Porto Alegre) faz uns 3 anos e aqui, no interior, na Quarta Colônia Italiana, tem uns butiás enormes, cheios de carne. Quero ver se faço uma muda. Eu gosto mesmo é de butiá in natura. Lavo os frutinhos e como! Quando era pequena amava os coquinhos, secava ao sol e minha mãe abria para mim até eu ter idade para manusear um martelo (o que me rendeu um dedo torto por muitos anos hehehe).

Eliane Faas disse...

Olá Neide,
Faz pouco tempo que descobri seu blog e já em e identifiquei com tudo que vc escreve rsss. Alias a sua receita de pão é igualzinha a minha ... fiz com isto mas pode ser com aquele outro kkkkkk..
Sobre o butiá, quando criança comia a polpa e quebrava os coquinhos... hoje acho muito trabalho... meu vizinho tem um pé está semrpe dando frutos, tem um bando de baitaquinhas que adorma comer, mas veja só como são os bichinhos... pegam o butia do vizinho e veem comer nas minhas arvores... derrubam o coquinho no meu quintal e começaram a nascer... tá cheio de muda aqui.... aff... Gostei da ideia de mistura a polpa do coquinho com caramelo... já que essa parte os passaros não comem vou começar a dar utilidade, o duro é quebrar... ainda não recuperei o jeito
Bjs
Eliane
ps: sou de Curitiba

Anônimo disse...

Neide, achei hj teu blog, muito bacana.
Sobre os butiás, a larva é um sabor só, tem o mesmo gostinho da amendoa. Se tiver nova oportunidade é só provar... eu não dispenso...
Ahh, agora é época de butiá aqui no sul, o caminho de Sto Angelo a Sta Rosa tá amarelinho que só