sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Presentes americanos. E estou na Saveur


Ontem à noite minha amiga Inês Correa veio me trazer os mimos deixados pelo amigo blogueiro Heguiberto, mineiro, em sua rápida passagem por São Paulo. Ele deixou a sacola na casa de um amigo, coincidentemente vizinho da Inês. Infelizmente não pudemos nos conhecer pessoalmente. A julgar pelo blog que faz junto com Stevie, sobre comidas brasileiras, de infância, e comidas gostosas asiáticas, americanas e de qualquer lugar, direto da California, sei que é uma pessoa especial. E foi muito amável me trazendo amêndoas e vinho da California (Ridge 2007, Three Valley, 76% zinfandel), que estou louca pra tomar. E ainda uma linda caixinha chinesa-chinesa (e não chinesa-american-country, por exemplo).
A surpresa maior, porém, foi ter me mandado a revista Saveur de janeiro, onde saiu uma receita minha de bacalhau. A verdade é que é uma receita de família, que minha avó já fazia e minha mãe a executa bem como ninguém, que seja dito. Embora tenham feito algumas adaptações de ingredientes, até que o prato não se saiu mal (pelo menos disseram que provaram e ficou gostoso). Nunca fiz nenhuma foto deste prato, mas, quando fizer, publico aqui a receita em português e com os ingredientes que temos aqui.
De qualquer forma, fiquei feliz que tenham me pedido a receita e que tenham aprovado nos testes. E mais feliz ainda por ter ganhado a revista do Heguiberto (já tinha procurado e não encontrado várias vezes na Livraria Cultura).
O link para a revista está aqui.
Tudo começou aqui. E mais sobre a visita do editor James Oseland, aqui.
O blog do Heguiberto e do Stevie é o Weirdcombinations.
Nota: nisto tudo, só uma coisa chata: tenho que sair agora e procurar urgente um ortopedista para consertar uma possível rutura de ligamento. Enquanto a Inês e eu estávamos conversando, a Dendê roia um fio de extenção ligado, atrás de mim. Só me dei conta quando a bichinha começou a gritar assustadoramente em convulsões, choros e mijos, grudada ao fio. Só tive o impulso de levantar em pulo lateral da cadeira, puxar o fio com força da boca dela e pegá-la no meu colo. Ainda assim, demorou para parar de tremer e gritar. Pensei que ia morrer. Acho que foi grande o choque elétrico. Só aí percebi que machuquei o joelho que agora não dobra de tanta dor e não me deixou dormir. E dobradiça é tudo, não? Já a coitadinha, acho que nunca mais vai roer fio (do meu laptop já foi um prejuízo, porém sem choques).

14 comentários:

happynest disse...

Neide,
Parabens pelo artigo que saiu da Bacalhoada familiar (com certeza vou tentar fazer). E melhoras para vc e Dendê (que sustão). Sucesso no conserto do ligamento do joelhim ( uma boa dobradiça é tudo!) e cá entre nós como dói né?
Beijos
Rosemary

Thica disse...

Ai, que dó da bichinha! Ainda bem que você viu logo. Espero que sua dobradiça sare logo.
Beijinho.

Bombom disse...

Congratulations! De Sandiego só pode vir coisa boa mesmo! Adorei minha estadia lá quando fui visitar meus Filhos e Nètinhos. Obrigada pela tua pronta resposta às minhas dúvidas. Tenho tentado contactar-te para o mail que indicas e vem-me devolvido.Se tentar entrar pelo que tens no perfil, depois de escrever a mensagem onde é que se carrega para enviar? Desculpa, mas eu sou mesmo ignorante nestas coisas da Net. Por isso é que só agora me atrevi a fazer um blog! Parabéns pelos miminhos. Tu mereces! Bjs. Bombom

Neide Rigo disse...

Rose e Thica, obrigada. Estou cuidando do joelho.

Bombom, para me mandar email é só usar seu email normal e enviar para o endereço neide.rigo@gmail.com. Fácil assim.

Um abraço,
N

Afrika disse...

Meu Deus Neide, espero que corra tudo bem com voce e a Dende me que tudo nao tenha passad de um grande susto.

Beijinho e melhoras rápidas.

Anônimo disse...

Miminhos e sacos de gelo.
Um abraço
Manuela Soares

Anônimo disse...

Neide, Parabéns pela publicação na revista. Espero que você melhore logo e que não seja nada sério no ligamento (algumas vezes só rompem algumas fibras). Passe pomada de arnica e tome também bolinhas de arnica (homeopatia) que costuma ajudar muito. Um beijão. Chus.

TEIA disse...

Olá.
Seu blog tá na teia.
Parabéns.
Até.

Dricka disse...

Ô Neide que dó do seu joelho e da Dendê! Imagino o seu desespero na hora. Melhoras ás duas.
Bjs

Inês Correa disse...

Neide, que bom tantas coisas boas ao mesmo tempo. Espero que a parte ruim - sua perna - fique boa rápido. E que a bichina (Dende) aprenda a não roer fio elétrico (tenho certeza que foi a última vez). Beijo.

Heguiberto disse...

Oi Neide,
Fica bem logo viu.
Não deu p/ te conhecer pessoalmente dessa vez. Qdo vier para estas bandas me deixa saber. A gente pode marcar um jantar nalgum lugar gostoso. Acho que vc iria gostar do histórico Che Panisse da Alice Waters ou meu absolutamente favorito Vietnamita Slanted Door. A comida daqui da nossa Bay Area é excelente, muita influência da cultura alimentar do chineses, sudeste Asiático, México, Japão e por aí afora!
Também poderemos fazer um pic-nic em Napa ou Sonoma e aproveitar para a degustação numas vinícolas.
Minha estada aí foi boa apesar da chuvarada e do meu mal planejamento que não me permitiu conhecer a vc ou o Mercado da Lapa. Porém deu para rever a família, alguns amigos, comer muitas frutas tropicais, peixes, moquecas e pegar um brozeado nas aguas límpidas das prais de Ubatuba (qdo não choveu) e de Vila Velha.... agora estou aqui já saudoso tentando me adapatar ao fuso horário... muito duro esse o 'jet lag'
Abração
Heguiberto

blogob disse...

Neide,
nao sei como saiu a sua receita na Saveur, mas eu moro aqui em Chicago, assino a revista e a-d-o-r-o bacalhau. Já achei onde comprar aqui, mais barato que no Brasil, e já comecei nessa Páscoa a fazer bacalhoada por aqui para amigos e família.

Só queria comentar que, por mais que pareça interessante o seu "ensopado de bacalhau" ou cod stew, nao acho mesmoooo que seja bacalhoada... pelo menos nao como a conheço e acho que os portugueses e brasileiros de SP e RJ conhecem.

Fiquei curioso para saber se "bacalhoada" é um termo que admite tanta variação assim. Porque, cá entre nós, páprica?? Leite de coco?? o que é isso mulher??

grande abraço e sucesso,
Bob

Neide Rigo disse...

Bob, nem sei se bacalhoada admite tantas variações assim. Mas o que eles me pediram foi uma receita com bacalhau e mandei uma de família "bacalhau com leite de coco", que acabou sendo traduzida como bacalhoada. De qualquer forma, fica muito boa. E leite de coco combina muito com bacalhau. Um abraço, N

Neide Rigo disse...

Bob, ah, e páprica é só uma opção colorante ao ingrediente correto, que é colorau (urucum). Do mesmo modo, não uso leite de coco em lata, mas leite de coco natural, tirado do coco (e era este que constava na receita original). Mas, tudo bem.
Um abraço,
N