quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Rábano roxo





Na semana passada, minha amiga Fernanda, do Chucrute com Salsicha, publicou uma foto do rábano roxo ou kohlrabi que me deixou com água na boca. Não ligo muito para alfaces, mas tenho predileção por membros desta simpática família das couves (as mostardas, as rúculas, os rábanos, os brócolis, as couve-flores, as couves-de-bruxelas, rabanetes, nabos e repolhos). Se passam por mim não resisto a dar-lhes uma mordida. Assim mesmo, como quem morre por um pedaço de chocolate. E geralmente cru - com exceção da couve-de-bruxelas, que prefiro cozida. Aliás, todos os outros cozidos também me fazem salivar. E o rábano, seja branco ou roxo (por dentro é branco), na sopa ou no cozido é melhor que qualquer batata. Ele é como um nabo mais confiável, de natureza mais compacta e crocante, sem perder a picância necessária e característica da família. Coincidentemente, ontem fui ao bairro da Liberdade e quem eu vejo lá? o tal rábano roxo. Mal cheguei em casa e já lhe arranquei um naco para comer cru, sem sal nem piedade. Na frieza mesmo. Nhac.

5 comentários:

Marcia H disse...

nhac, nhac, nhac

aqui eu uso as folhas para substituir a couve ;-)

Ana disse...

Engraçado...eu conheci o rábano aqui no Paraná e por incrível que pareça não consegui gostar (logo eu que como tudo que é mato). Mas com esse aí, falhou.

Turmalina disse...

Afffff...que lindo!!!!!
Vou procurar...vou procurar...ando com vontade de dar umas voltinhas pela Liberdade...

Anônimo disse...

Em Brasilia vc encontra na feira do produtor em Vicente Pires. Mas tem que ir cedo, por que os japoneses levam tudo. Brandão-Brasilia

Brandão disse...

Em Brasilia vc encontra na feira do produtor em Vicente Pires. Mas tem que ir cedo, por que os japoneses levam tudo. Brandão-Brasilia