segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Amargas solanáceas - jiló vermelho


Trouxe estes de Fartura
Aproveitando o caviar de berinjela da amiga Fer, do Chucrute com Salsicha, ponho aqui também o meu jiló. Afinal, tudo da mesma família. A das Solanáceas. Não gosto de usar técnicas para eliminar o suave amarguinho da berinjela nem a amargura potente do jiló. Às vezes até recorro a uma esfregação de sal, mas não por mim. Como o amargo da cerveja, de certos vinhos, da alcaparra e do almeirão. De tempo em tempo me vem uma vontade louca de amargo. Seguindo o mesmo raciocínio de quem diz que de amarga já basta a vida, acho que a minha é doce demais. Porque preciso de um tom amargo na minha boca para talvez alcançar o equilíbrio.
Jilós vermelhos são mais adocicados, mas ainda amargos. Difícil é encontrá-los vermelhos e em bom estado no mercado. Já do pé a gente pode colher quando quiser - babies, jovens, maduros. Dos mais verdinhos aos mais vermelhinhos. E estes adultos terão cor viva e estarão firmes, bojudos, brilhantes. Têm pele mais firme e são mais bonitos. Fiz refogado só no azeite, sem água. Bom para comer com pão, com carne, arroz e feijão...


Jiló verde e vermelho
2 dentes de alho picados em dadinhos
2 colheres (sopa) de azeite
2 jilós verdes cortados em gomos
2 jilós vermelhos cortados em gomos
Meia cebola cortada em gomos
1 pitada de sal
1 pitada de pimenta vermelha em flocos secos
2 colheres (sopa) de salsinha picada
Numa frigideira antiaderente, doure o alho no azeite. Junte os jilós e a cebola. Polvilhe sal e, em fogo médio, vá mexendo devagar até o jiló ficar macio. Adicione a pimenta e corrija o sal, se necessário. Espalhe por cima a salsinha e sirva com mais um fio de azeite frio.
Rende: 2 porções


9 comentários:

Anônimo disse...

Ai Neide. Vou ter q. perguntar. Quando você fala jiló vermelho está se referindo a êle maduro?
Amo giló. Amo o seu blog.
Grata.
Milza

Anônimo disse...

Neide se você gosta de amargo experimente (se já não conhece) o nigagori ou goya. Parece um pepino japonês mas é todo cheio de caroços. Lá na liberdade tem. Dizem que faz muito bem pra saúde e é um dos segredos dos okinawanos, povo com a maior espectativa de via do mundo.
Abraço!

Neide Rigo disse...

Milza,
este vermelho é o verde que madureceu.

Eu esqueci do nigauri (é assim que conheço), que também adoro. Este é amargo de doer. É ruim, mas é bom.
Obrigada pela lembrança.

Um abraço,
N

Gourmandise disse...

jiló não falta em casa...normalmente refogo com alho/gengibre e tempero com shoyu. Vermelho tem outro sabor?
bjo

Neide Rigo disse...

Nina,
assim, com gengibre e shoyu deve ficar uma delícia. O vermelho é só um pouco mais adocicado. De resto é igual.

Um abraço,
Neide

Luiiza sil disse...

Estou começando agora a mudar completamente minha alimentação. Estou procurando comer o que a natureza nos dar...agora como muitas coisas q não comia e nem gostava....Como preparar exatamente um jiló refogado??

Fox Shop disse...

Ola! Gosto de comer jiló cru, tem algum problema? Obrigado!

Fox Shop disse...

Ola! Gosto de comer jiló cru, tem algum problema? Obrigado!

Anônimo disse...

Muito bom!
Acho jiló muito amargo mesmo, mas nesta receita ficou ótimo.
Com arroz ou junto com massa.
Vou fazer de novo quando comprar um pão italiano.
Obrigado por compartilhar.
Bruno.