quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Comida paulista – moqueca caiçara

Moqueca caiçara: feito com postas pequenas de peixe e temperado com ervas
locais, em especial a alfavaca e pimenta, misturadas com farofa de farinha de mandioca. A moqueca é então enrolada em folha de bananeira e assada no forno. Outras vezes, o peixe enrolado na folha de bananeira é enterrado no chão, já aquecido por brasas.


Parte do texto "Culinária e cultura caiçara", por Antonio Carlos Diegues- Veja texto completo aqui.

Desembrulhe num prato e bom apetite!
Durante esta semana acontece novamente, no Parque da Água Branca, o Revelando São Paulo, do qual já falei aqui (basta ir na caixa de busca e digitar "revelando são paulo" para ver posts do ano passado). Olhando de fora parece sempre tudo igual. As mesmas cidades, as mesmas comidas, as mesmas gentes. Mas basta um olhar atento para descobrir preciosidades, como esta moqueca caiçara feita em Registro, cidade paulista do Vale do Ribeira. Começou como um pequeno povoado ribeirinho às margens do Ribeira de Iguape, que leva suas águas sentido Litoral Sul. Oficialmente o município foi declarado Marco da Colonização Japonesa de São Paulo, pois foi ali que se instalaram os primeiros imigrantes japoneses a investirem em produção própria. Hoje a influência da colônia japonesa está na comida, na agricultura e nos costumes. Por isto é comum encontrar nos botecos sashimi de manjuba, que é o peixinho que mais tem por lá. Porém, velhas tradições ribeirinhas resistem e estão aqui pra contar história.

Embora seja conhecida como peixe de mar, a manjuba é uma espécie que viaja do mar para o rio. As migrações são periódicas e os peixinhos podem percorrer distância de até 140 km. Grandes cardumes sobem o Rio Ribeira de Iguape para reprodução principalmente durante o outono e primavera. Sobem gordos e brilhantes e a água do rio chega a pratear. Nesta hora o defeso deveria ser respeitado, garantindo estoque para o próximo ano, já que o peixe representa meio de sobrevivência para a população ribeirinha. Nem sempre o é, claro. Mas no final da primavera e no verão as manjubas voltam para o mar, mais magras e musculosas, quando poderiam ser capturadas. E este é um velho hábito. Outro que persiste é a produção de farinha de mandioca e de banana na região. No entanto, a combinação dos dois primeiros numa moqueca caiçara embrulhada em folha de bananeira corre o risco de desaparecer. Não, se depender do empenho da prefeitura que enviou dois experts para demonstrar e vender a iguaria na feira. Quem sabe os pacotinhos ainda atravessam algumas gerações. A textura é úmida e firme e as manjubas dão um certo quê de bacalhau.

Moqueca caiçara – demonstrada por Renilton Rosa, de Registro

1 kg de filé de manjuba (cada quilo rende 200 g de filé, portanto, 5 kg se comprar o peixe inteiro)
Aproximadamente 1 colher (sopa) de sal
Suco de um limão
5 tomates sem sementes, picados
1 cebola grande picada
1 xícara de ervas frescas picadas (todas ou uma combinação destas: alfavaca, salsinha, cebolinha, assapeixe ou coentro)
1 pimenta dedo-de-moça inteira, picada
1 pimenta-de-cheiro doce (não ardida) picada
Meio quilo de farinha de mandioca artesanal (não tão fina, não torrada; mais granulosa e branca)

Coloque os filezinhos numa bacia e tempere com sal e suco de limão. Enquanto isso, pique os temperos. Misture os temperos e junte aos peixes. Por último, a farinha, mexendo devagar. Com uma concha, retire porções com cerca de 200 g da mistura e coloque sobre quadrados de folha de bananeira previamente passados em água quente ou sapecados no fogo para que fiquem flexíveis. Embrulhe como um pacote de presente e amarre com fibra de bananeira ou qualquer outra fibra vegetal. Asse sobre brasas, por cerca de 30 a 40 minutos ou até que a mistura fique firme e ligada. Com uma crostinha.

Rende: cerca de 15 moquecas
Mexa devagar para não quebrar os peixinhos
Embrulho de presente, para não esquecer o passado

11 comentários:

Valeria disse...

Manjuba.....Saudades uma manjubinha fritinha!!Mas sashimi de manjuba..... e essa moqueca novidade pra mim!!Bjs

Eduardo Luz disse...

Coincidência ! Fiz um menu caiçara ontem a noite com receitas do livro da Ana Soares que por sinal, é muito bom !

Eduardo Luz disse...

Ôpa, acertei a Ana e errei o sobrenome. É Bueno !!

Mudanças disse...

Muito bom, humm.. manjuba... moqueca. Por sinal show!

Silvana disse...

Nossa seu Blog da agua na boca vi tantas coisas gostosa por aqui que não posso deixae de segui-la
Parabens

evelin bella amada disse...

nossa já fiz essa receita e adorei de mais Manjuba e uma delicia

evelin bella amada disse...

meu nome e Evelin benivisquit e escrevi o comentario ai de cima e adorei a receita do Manjuba..moleca e muito booom!!!

Marco Antonio disse...

É bom demais, conheço essa moqueca faz muitos anos, pois minha família é de Eldorado Paulista e também já adaptaram a receita para outros peixes também.

premee disse...

Gostei muito dos comentários, e aproveito para convida-los para saborear a moqueca caiçara no revelando São Jose dos Campos 2011(08 a 17 de julho, Revelando São Paulo 2011 e agradecer muito a Ana.

Receitas de familia disse...

Essa receita é muito boa e prática eu faço tambem com camarão.Fica uma delicia.

geovane do prado disse...

um que delicia da ate agua na boca