quinta-feira, 13 de março de 2008

Tamutá no Tucupi



Cheguei a Belém de madrugada e passaria um dia inteiro ali antes de pegar o barco para a Ilha do Marajó. Um casal paraense, primo do Seu Brito (pai da minha amiga Kátia, da Fazenda São Jerônimo, para onde estava indo), se ofereceu para me hospedar mesmo não me conhecendo. Nada disso de ficar em hotel. Pois fica aqui. É assim que eles são. Eu tinha endereço, não queria amolar, já bastava chegar de madrugada. Era só pegar um táxi e bater lá, um bairro pertinho do aeroporto. Pois o taxista disse que sabia mais ou menos onde era e ficou meia hora rodando comigo por umas bibocas sem encontrar a rua. Disse que não existe guia de ruas na cidade e ia pelo instinto. Depois de quilômetros vãos rodados, fui me encontrar numa esquina com Paulinho, sua mulher Nazaré; a filha Deuza e a coisinha fofa da Vitória, a neta. A família toda me esperando numa esquina, numa simpática Kombi. Haviam ido me buscar no aeroporto e nos desencontramos. Isto a uma hora da manhã, com a menininha Vitória já sonolenta. Seu Brito passou a ele uma descrição um tanto vaga a meu respeito. Uma moça alta, de óculos. Como não sabia que havia gente me esperando, saí do aeroporto que nem uma bala confiante, sem titubear ou olhar pros lados e entrei no primeiro táxi do motorista atrapalhado. Em dois minutos eu já era da família, dentro da Kombi. Conversamos um montão antes de dormir, sobre a confusão, sobre frutas, sobre a vida. No café da manhã comi tapioca quentinha e suco de mangaba gelado. Conversei um pouco, ajudei na louça, peguei uma sacolinha e disse que ia ao Ver o Peso. Você volta para o almoço, né? Perguntou Naza, com carinho maternal, como se eu já fosse de casa. Bem, se era um convite, tava aceito.

Quando eu não conheço o produto, fico do lado, nas bancas, só vendo o que pedem os fregueses e aí faço cara de ignorante total, que na verdade sou, e fico perguntado como faz, como limpa, como cozinha, peço receita. Com exceção de alguns orientais que não acreditam no meu real interesse e respondem “é coisa de japonês/ chinês”, as pessoas geralmente gostam de falar de comida e eu aproveito cada virgulazinha de orégano. No mercado de peixes a coisa não podia ser diferente. Ainda mais porque conheço muito mal todos aqueles peixes amazônicos. Sempre quis experimentar o tamuatá (ou tamutá) por ter a carne alaranjada. É tão resistente que quando as águas abaixam nos alagados do Marajó, ele se arrasta pulando por terra seca até encontrar outra poça de água. Um peixe assim merece reverência. Perguntei para o vendedor e para uns quatro fregueses qual era a maneira clássica de preparar e todos foram unânimes: com jambu e tucupi. Pensei, pensei, como vou chegar na casa dos outros com peixe pra limpar?...., mas arrisquei. Levei dois quilos e, claro, uma garrafa de tucupi e maços de jambu. Peço emprestado a cozinha, peço lição de preparo para a Naza e espero que não se incomodem. Cheguei para o almoço com o jantar debaixo dos braços, meio sem-graça, meio cara-de-pau. Quando mostrei à Naza o peixe, a surpresa. Como você sabia? É o peixe preferido do Paulinho e da Vitória. Só que o bom é com tucupi e jambu. E eu: tcham, tcham, jambu e tucupi na mão. Mas como você sabia? Não sabia. Aprendi. À noite comemos como uma família feliz tamuatá no tucupi. Prato cheio, caldo cheiroso, carne firme e sem pitiú (que é o cheiro de peixe de rio que costuma ser forte neste peixe). Não é prato fino, é prato do povo, tem que saber preparar para ficar bom. De novo, temos aqui o tipo de comida que se ama ou odeia. E como sou uma sem ódio no coração, ou uma simples comilona, vá lá, amei. Ficou realmente muito bom, com a carne suculenta, entranhada de tucupi aromático a coentro, contrastando com o jambu tremelicante. Naza limpou e me ensinou a tirar a carapaça, e o Paulinho me mostrou o preparo na panela, super fácil. Agora, mesmo que não estivesse tão bom, e estava, eu o teria achado um manjar dos deuses, teria lambido os beiços e repetido. Simplesmente porque a situação e o carinho que envolve a oferta de qualquer comida contribui com pelo menos 50% do resultado. Depois do jantar, lavamos a louça e puxamos cadeiras para a calçada. Passamos horas tranqüilas ali, olhando pras mangueiras, pra rua, tomando uma fresca, conversando devagar.

Tamuatá no tucupi

2 kg de tamuatá (ou tamutá, tamboatá)
3 colheres (sopa) de óleo
1 cebola picada
1 pimenta verde doce picada
¼ de pimentão verde picado
½ xícara de coentro picado
1 colher (sopa) de colorau (preparado de urucum)
Sal a gosto
2 litros de tucupi
1 maço grande de jambu aferventado e escorrido

Placas em vez de escamas
Aferventa e elas saem facilmente
Aqui, já descascados, prontos para receber o tucupi.

Preparando os peixes: corte a boca e barbas do peixe, lave bem e deixe de molho por cerca de 2 horas em água limpa com um pouco de álcool, vinagre ou limão, para tirar o pitiú (cheiro forte de peixe). A Nazaré usou álcool de cereais e tirou todo o cheiro – cerca de ½ xícara para 2 litros de água. Não é necessário eviscerar o peixe, porque o fígado é considerado uma iguaria que deve ser cozido junto. No prato é que se tiram o que não vão comer. Dona Jerônima, a prima da Fazenda São Jerônimo diz que prefere limpara antes e jogar toda a barrigada fora, inclusive o tal do fígado. Escorra e reserve. Leve ao fogo uma panela com bastante água. Quando ferver mergulhe nela os peixes que deverão ficar só até as placas começarem a se soltar - tem que testar com um garfo. Escorra e “descasque” os peixes, com a ajuda de uma faca, empurrando as placas, que saem facilmente. Reserve.
Preparando o molho
: Numa panela grande coloque o óleo, a cebola, a pimenta, o pimentão, o coentro e o colorau. Leve ao fogo e refogue só até a cebola e o pimentão começarem a murchar. Junte o tucupi e sal a gosto. Quando ferver, junte os peixes e deixe cozinhar por cerca de 15 minutos ou até ficarem macios. Junte o jambu e cozinhe por mais 3 minutos. Experimente o caldo e corrija o tempero, se necessário. Sirva em prato fundo, com farinha.
Rende: cerca de 8 porções

8 comentários:

Letrícia disse...

O ramo materno da minha família é todo do Pará e eu tenho que falar: você fala de comida que nem paraense - com carinho, reverência e uma saudade que até quem não conhece o prato consegue sentir.

Mariângela disse...

Neide , escrever assim desta forma tão delicada e bonita, um texto que é somente poesia,do início ao fim, não,isto não é para qualquer um. Reverência para ti também,me emocionei aqui também..

Lili disse...

Neide,
Você sabe que eu sou gulosa, por comida e palavra e eitcha que gostosa essa: tremelicante.
bjs
Assistente nº1

Sill disse...

Nossa que peixe massa! Parece um crustáceo super desenvolvido c estas placas! O bicho deve ser forte mesmo! Fiquei com vontade... bj Sill

Ana disse...

Queria só um pouquinho de farinha nesse caldinho.

Beijos da Ana.

João Pedro Diniz disse...

A fome com que fico depois de cada texto é o maior elogio a quem tão bem escreve sobre coisas que tanto ama e conhece.
Sorrio por dentro ao ler os teus textos. No final só posso agradecer.
Cada vez mais este é o meu blog preferido.

fatima baroso disse...

Nossa Neide! Você me fez salivar. Nasci em Belém, mas moro no Rio e, é claro, conheco essa receita deliciosa. A culinária do norte é muito especial e uma maravilha para quem quer inovar na gastronomia, mais ainda para quem pouco a conhece.
Parabéns pelo blog. Infelizmente eu só o conheci hoje. Já o adicionei em favoritos.
Grande abraco,
Fátima Barroso

Alana disse...

te encontrei de novo fico feliz ,por ser tão enterressada no nossos pratos;alias essa semana eu me deliciei de um bom tamatá no tucupi, não esquecer o convinte esta de pé xauuuuuuuuuuuuu