segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Sexta-feira é dia de sopa


Fui para Fartura (SP) na sexta-feira bem cedinho, para o dia dos pais. E por causa dele, era dia de sopa. O costume começou para dar alívio à cozinheira, minha mãe, de tantas panelas para lavar. Nos outros dias havia sempre cinco pratos, contando com a salada. É que meu pai, durante um tempo, levava marmita para o trabalho. O jantar, portanto, tinha que ser substancioso e sólido o suficiente para ir na marmita sem vazar. Como no sábado ele não trabalhava, o jantar da sexta poderia ser líquido, cremoso, pastoso e ainda ocupar uma panela só. Mas nunca foi muito leve. Eram sempre sopas completas com massas curtas ou espaguetes quebrados, ervilhas, lentilhas, feijões, legumes, mandioca, folhas de couve e carnes, de preferência com osso para dar mais sabor. Nada de creminhos lisos e lights ou caldinhos transparentes. Eram minestrones, sopas pedaçudas perfumadas a alfavaca e cheiro-verde, com caldo denso e cheio de sabor. E ainda cabiam uns nacos de pão caseiro e bastante pimenta-do-reino. O tempo de marmita do meu pai acabou, mas, felizmente, a tradição da sopa às sextas continuou e perdura até hoje. A deste dia levava macarrão ave-maria, carne de braço e ingredientes da horta: ervilhas frescas, cenouras docinhas, alfavacas e pimentas. Estava frio. Comemos perto do fogão de lenha com uma dose de vermute. Eta vidinha besta. Bem boa.

SOPA DE MACARRÃO AVE-MARIA COM ERVILHAS FRESCAS

Ingredientes
2 colheres (sopa) de óleo
3 dentes de alho amassado
400 g de sete cortada em cubos (esta carne, parte do braço, é também chamada de raqueta ou raquete, tem fibras longas e saborosas, que ficam muito macias quando cozidas)
1 colher rasa de sobremesa de sal
1 colher rasa de sobremesa de colorau (urucum socado no fubá)
2 cenouras médias picadas
4 batatas médias picadas
1 xícara (chá) de ervilhas frescas
1 tomate maduro picado
1 cebola pequena picada em cubinhos
1 pimenta dedo-de-moça sem sementes picada em 4
8 folhinhas de alfavaca ou manjericão
2 xícaras (chá) de macarrão ave-maria
2 colheres (sopa) de salsinha e cebolinha picados na hora de servir (opcional)

Modo de fazer
Na panela de pressão coloque o óleo, o alho, a carne e o sal. Deixe fritar a carne até ficar bem sequinha, sem deixar dourar. Junte o colorau e mexa. Adicione 2 xícaras de água quente, tampe a panela e deixe cozinhar por 15 minutos em fogo baixo (contados depois que a válvula começou a chiar). Desligue o fogo, espere acabar a pressão e abra a panela. Acrescente a cenoura, a batata, a ervilha, o tomate, a cebola, a pimenta e a alfavaca. Deixe cozinhar por cerca de 5 minutos. Junte mais 5 xícaras de água quente. Espere voltar a ferver. Junte o macarrão e deixe cozinhar por mais 10 minutos. Acrescente mais água se for necessário. Prove o sal e corrija, se precisar. Se for usar, polvilhe salsa e cebolinha (esta sopa são não tinha o cheiro-verde porque lá fora chovia muito e ninguém quis enlamear o pé para ir até a horta). Sirva com pão.

Rende: 4 porções
Ervilhinha na horta - o pé estava feio porque choveu granizo

2 comentários:

Fabrícia disse...

Essa sopinha está divinal....com a chuvinha que cai agora seria perfeita. Tenho uma marmita própria para sopas...muito prática e não vaza.
Bjs para ti.

Ana disse...

E olha que é essa vidinha besta que tanto me encanta viu. Que saudade, que vontade, que delícia hein !!!