segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Cipolle e pomodori al forno

No almoço de domingo

No sábado comprei tomates e cebolas orgânicas na feirinha do Parque da Água Branca. As cebolas vieram com ramas vistosas que fazem as vezes das cebolinhas nas sopas e ensopados. Lembrei de uma receita que vi certa vez numa edição comemorativa de cinco anos da revista Nuova Cucina, presente da Nina Horta. Como sempre decido o que fazer com o que tenho em mãos e não o contrário, e isto não é um auto-elogio - o contrário, arrisquei com o que me veio de memória. Julian Barnes, de O Pedante na Cozinha, quer trucidar pessoas como eu, que lêem livros de receitas e resolvem, depois, ter idéias a partir delas. O fato é que deu muito certo no sábado, repeti no almoço de domingo com minha amiga Kátia e ainda ensinei pelo telefone pra amiga Silvinha, lá de Salvador. Quinze minutos depois de saber da receita e uma hora antes da chegada dos seus convidados, ela já estava com os ingredientes pronto para irem ao forno, só querendo saber se levava ou não orégano. Não, só hortelã. Bem, tanto minhas duas tentativas quanto a da Silvinha foram aprovadíssimas, mas hoje liguei pra dizer a ela que, olhando aqui a receita direitinho na revista, vi que não era bem do jeito que tinha feito e ensinado. Aí fiquei sabendo que tampouco sua versão tinha sido igual à minha. Assim sendo, temos cá três jeitos diferentes e igualmente bons de se fazer tomate com cebola ao forno. A da revista pede para cortar ao meio 6 tomates e 6 cebolas, tirar as sementes do tomate, colocar numa forma refratária, temperar com sal e pimenta, regar com bastante azeite e rechear cada metade de tomate com uma mistura de pão ralado e hortelã picada. Rega tudo com mais azeite e leva ao forno até as cebolas em metades estejam macias e os tomates meio appassiti (sequinhos). Serve-se frio. A Silvinha picou tudo em cunhas, cebolas e tomates, temperou com sal, pimenta, hortelã picada, azeite e cobriu com pão ralado misturado com hortelã e muito azeite. Serviu quente com pão. Disse que foi um sucesso e eu acredito, porque tem mão boa para tempero e, além disto, é artista - então, se enche de idéias e interpretações quando lê ou ouve uma receita. Também servi quente com o pão adocicado de figo da Mari (postagem anterior), que caiu muito bem. Com vinho, não precisava mais nada. Mas deve ficar bom também com cerveja, no calor. A hortelã, nesta receita, faz toda a diferença. Jamais teria tido esta idéia se não tivesse visto na revista. Teria botado manjericão, tomilho ou orégano. Mas, não. Só hortelã! Nham, nham.

Acho que o nome pode continuar o mesmo. Aqui vai minha versão ou inversão:

Aqui, porção menor no almoço de sábado - com o pão da Mari Hirata

Cipolle e pomodori al forno

3 cebolas orgânicas (uma delas com rama)
6 colheres (sopa) de hortelã picada
Sal e pimenta-do-reino a gosto
6 colheres (sopa) de azeite
8 tomates maduros e doces
½ xícara de pão amanhecido ralado.

Divida as cebolas ao meio e corte em cunhas não muito finas. Pique as ramas e misture com as cebolas e metade da hortelã. Tempere com sal e pimenta-do-reino e regue com metade do azeite.
Corte os tomates ao meio e, sem tirar as sementes, polvilhe sal e pimenta sobre eles e reserve. À parte, misture o pão com a hortelã e coloque num prato. Carimbe cada metade de tomate nesta farofa de modo que ela grude na superfície cortada, úmida. Arrume as metades sobre as cebolas, regue os tomates com mais azeite e leve ao forno médio (200 ºC) até a cebola ficar macia. Aumente a temperatura e deixe só até dourar a farinha de pão. Agora é comer com pão ou como entrada. Se quiser, faça com antecedência e sirva frio.

Rende: de 6 a 8 porções
Clique & amplie


10 comentários:

pastificio dell'amore disse...

Muito legal o blog e a receita. A feirinha da Água Branca é o maximo, saudades de paulicéia.

caosnacozinha disse...

Neide, esse prato está de babar! Tão simples e com certeza tão bom!

Beijo *
Mariana

Laurinha disse...

Realmente, um sugestão deliciosa... guardei que deve ser feita com hortelã!
Beijinhos

Mariângela disse...

Neide,eu preciso fazer esta comida pois é o tipo de comida que eu adoro,esta cebola com ramas eu compro na feira ecológica,é mesmo uma delícia(o pão de abóbora já está crescendo rsrs),beijo!

Jose Antonio disse...

Neide
Tudo cada vez mais lindo e suculento! Consegui ontem uns tuberculos de mangarito que farei de sementes para o proximo ano! Por favor, vc teria alguma indicação que possa usar para alugar um apartamento em Florença? Pensamos em ir novamente este ano, mas sem excursão - por conta propria. Grato, e felicidades!

Neide Rigo disse...

Mari,
tomara que dê certo. Se não der, a culpa é da abóbora... bjs, n

José Antônio,
fico feliz pelos mangaritos. Quanto à Florença, aluguei o apartamento pelo site www.only-apartments.com. É super seguro. Deu muito certo para mim e é muito fácil andar pela Toscana de ônibus, trem ou carro alugado. Qualquer dúvida, me escreva no neide.rigo@gmail.com.
Queria ir de novo também. Um abraço,
Neide

Odete disse...

Que simplicidade esse prato, com certeza bom demais.
bjs

Eduardo Luz disse...

Este prato já é uma lembrança italiana, não é não ? E é legal fazer uma receita com o sentimento de que já sabe e além do resultado ser bom, descobrir que se fez de maneira diferente, né ?

Neide Rigo disse...

Eduardo,
lá em Florença, no encontro da Arca do Gosto, do Slow Food, comi uma entradinha com cebola e menta muito parecida. Porém, não tinha o tomate. Um abraço,
N

alexsandra disse...

Qual é a marca de liguinha que não amarga a pamonha?
Obrigada
ALEXSANDRA
alexsandraborges@ig.com.br