quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Broinhas de fubá (broinhas de cuité)

As rachaduras são a marca registrada deste tipo de broinha

Originalmente esta receita é feita com fubá de canjica, praticamente desconhecido fora de Minas e Goiás. Ele é extraído de milho duro e seco resultando num pó muito fino e rico em amido. O que o distingue do fubá mimoso é a granulometria e o tipo de moinho usado para produzi-lo, já que ambos usam como matéria prima o grão do milho amarelo desgerminado e sem o pericarpo (a película que recobre o grão), também chamado de canjica amarela. Tradicionalmente o processo era feito da seguinte forma: o milho era deixado a secar no próprio pé, o que resultava num fubá saboroso e adocicado; depois os grãos debulhados passavam pelo monjolo para que fossem eliminados o gérmen e a película. A parte vítrea, mais dura, do milho era triturada em moinho de pedra, também movido à água (como o monjolo) que, num processo demorado, transformava o milho desgerminado num pó de granulação finíssima. Hoje a maioria é feita em moinho de pedra elétrico.

Uma das preparações mais tradicionais e apetitosas feita com ele são estas broinhas. Antes feitas na cuia, por isso chamadas também de “broinhas de cuité”, elas podem ser moldadas em xícara de fundo arredondado, polvilhada com fubá. As receitas são muito variadas quanto à proporção dos ingredientes e o modo de fazer (pois mineiro que é mineiro, sabe fazer a olho direitinho). Na ausência do fubá de canjica, costuma-se usar fubá comum e amido de mandioca (polvilho) para garantir a liga, a umidade e cremosidade. De vez em quando trago a preciosidade de Gonçalves, sul de Minas. Mas agora estou sem. Então, vamos ficando com esta receita, que é muito boa também. Assim que eu tiver o tal fubazinho, registrarei aqui a fórmula clássica.

A massa tem consistência macia, por isto deve ser moldada na xícara

Broinha de fubá

2 xícaras de fubá de milho
amarelo (ou branco)
1,5 xícara de polvilho doce
3,5 xícaras de leite
1 xícara de açúcar
½ xícara de óleo
1 colher (sopa) de erva-doce
½ colher (chá) de sal
5 ovos pequenos
1 colher (sopa) de fermento em pó
Fubá (para polvilhar)

Peneire juntos o fubá e o polvilho. Reserve.
Coloque numa panela com o leite, o açúcar, o óleo, a erva-doce e o sal. Leve ao
fogo e cozinhe, sem parar de mexer, até formar um angu bem duro (não se assuste se grumos começarem a se formar; é que o polvilho gelatiniza antes que o fubá – é só continuar mexendo e tudo dará certo). Espere esfriar, passe para a tigela da batedeira e vá juntando os ovos já mexidos, aos poucos, e batendo sem parar. Junte o fermento em pó e bata para misturar bem.
Unte uma assadeira com manteiga e polvilhe com fubá. Coloque um pouco de fubá dentro de uma xícara de fundo redondo e coloque uma colher (sopa) rasa da massa dentro dela. Agora, chacoalhe rodando a massa até que ela se transforme numa bolinha. Isto é feito porque a massa é meio molinha para ser enrolada nas mãos. Vá colocando na assadeira, deixando um espaço entre elas. Leve para assar em forno bem quente, por cerca de 50 minutos ou até que elas fiquem douradas e firmes (como um bolo). Sirva quentinha com café - ou com manteiga, queijo, goiabada, marmelada.
Rende: cerca de 60 unidades

Esta forma para pães de queijo de massa mole é ideal também para estas broinhas
Fiz algumas alterações para facilitar
(como incorporar os ovos à massa na batedeira, que não é fundamental, só mais fácil), mas a receita original tirei do livro O Gosto Brasileiro – As melhores receitas da cozinha mineira – Editora Globo. Esta coleção eu indico, pois trabalhava no Estúdio Sonia Robatto na época em que o livro foi feito lá e sei que todas as receitas foram cuidadosamente testadas. Algumas por mim mesma. Agora, as que aparecem na foto fiz ontem do jeitinho que estou dizendo (as xícaras são sempre aquelas padronizadas, com volume de 240 ml).

59 comentários:

Cris disse...

Hoje fui à Casa da Broa e comprei algumas para saborear com duas amigas e ficamos imaginando como seria a receita delas... agora encontro aqui! Muito obrigada! Bjs!

Marizé disse...

Fiquei a conhecer o seu blog com esta receita fantástica. Vou voltar mais vezes sem duvida.

Neide Rigo disse...

Cris, nem sabia que existia uma casa com este nome. Deve ter umas delícias, hem? Onde fica?

Marizé, volte sempre mesmo. É uma honra tê-la aqui.

Eliana Scaramal disse...

Neide agora me senti na fazenda do meu avô, essas são as broinhas que consumimos em goiás, toda rachadinha e deve ficar oca por dentro, aff que lindas, que maravilha!!

Natércia disse...

Querida como a porta estava aberta fui entrando dai que fiquei doidinha com este mimo.um bjs Natércia...

Akemi disse...

Neide, há tempos procurava esta receita! Muito obrigada por todas as informações! Bjs

Ines Correa disse...

neide adoro amo de paixão broinha de fubá. procuro as melhores de são paulo. quando vi a receita fiquei louca para fazer. uma dúvida, posso usar forma comum ou vai despencar de mole a massa??? aguardo alô beijo e seu blog é bárbaro!!!

Marcel Miwa & Nina Moori disse...

Tenho uma receita que igual a sua. Foi dada por uma amiga que trabalhou no café da Mille Foglie.
bjo,
Nina.

Mariângela disse...

A mãe faz estas broinhas que chama de "broinhas de fubá canjica", ficam deliciosas ,fiquei com a mesma dúvida da Ines, dá para fazer em forma comum ou elas tenderiam a se esparramar?beijo!

Laurinha disse...

Há tempos que procuro A receita de broinha. Adorei! Já notei!
Beijinhos

Sill disse...

Neide! Que sucesso suas broinhas! são maravilhass mesmo! Lá em Minas há mto destas nas padocas! Esta semana irei até BH. Esse fuba de canjica é o que eles chamam lá de canjiquinha? Um milho bem picadinho, mas mto mais grosso q o fubá?? Se achar no mercado trago p vc..assim fazemos umas p tomar c café mineiro! bj Sill

Neide Rigo disse...

Sil,
canjiquinha é uma quirerinha. Fubá de canjica é outra coisa. É um fubá mesmo, só que fininho como talco.

Neide Rigo disse...

Inês e Mariângela,
As broinhas podem ser feitas em formas comuns. Elas não se esparramam, não. Esta forma que mostro na foto usei, na verdade, pela primeira vez agora. Elas só ficam com o fundo mais arredondado. Mas a massa funciona em qualquer assadeira.

Ana Elisa disse...

Hummm... elas estão com uma cara sensacional... Vou tentar fazê-las por aqui! Gostei dessa forma rasinha que você tem! Nunca havia visto uma assim...

bia disse...

ja estou anotando esta receita, eu adoro estas broinhas e nunca fiz ! bjs

fezoca disse...

que coisa maravilhosa!! nao como uma broa ha anos... beijo, Neide!

Anônimo disse...

Neide, que lindas broas, minha irmã mora em minas e ganhei 3 kg deste fubá de canjica e não sabia o que fazer, mas agora sei. Pra usar fubá de canjica é a mesma receita que voce deu ou tem alterações??
Abraço MARISA (BOM JESUS-GO)
marisaelidasilva@hotmail.com

valentina disse...

Como se aprende aqui. Acho que tenho farinha de milho amarelo que comprei na lojinha de produtos brasileiros.

Anônimo disse...

Ontem vi sua receita e estou fazendo agora, quero provar e ver se fica maravilhosa como na sua foto e agradeço a receita pq sou de goiás e ñ achava uma receita tão prática há muito tempo, escrevo depois p/ contar o resultado. Deus te abençõe!!!!!!!!!!!

Marilia copati1@hotmail.com disse...

gente!!!!! quero comprar o fuba de moinho de pedra de verdade, por favor me informe onde comprar.

Sil disse...

Olá! Estava procurando esta receita e encontrei seu blog. Fiz com fubá comum e ficaram maravilhosas! Já estou encomendando o fubá com um comerciante mineiro que tem uma loja de delícias mineiras. Obrigada e parabéns pelo blog!

Anônimo disse...

luzia email luziabassani@hotmail.com

tenho tentado fazer essa broinha mas nunca dá certo. tirei sua receita e vou experimentar. se der certo eu vou postar uma observação. se não der também vou reclamar. abraços...

Neide Rigo disse...

Luzia,
não se esqueça de usar xícaras padronizadas de 240 ml. Espero que dê certo.
Um abraço,
N

sergioviana283 disse...

ola neide, meu nome é laura e sou de passos minas gerais, me tira uma duvida, elas ficam ocas por dentro??? fiquei meio com duvida nisso me confirma se copiei certo: é meia xic de pouvilho doce/3xic e meia de leite???? responda pra mim por favor: lauramirelamoraes@hotmail.com, obrigado

Anônimo disse...

Oi Neide,
se voce já tiver recebido um recado meu, me desculpe, mas como não vi meu comentário estou postando novamente. Peguei a sua receita das broinhas com fuba de canjica no blog da Nani. Já fiz 2 vezes. Elas crescem, ficam bolitas, mas quando tiro do forno elas murcham todas. JUá tentei com o forno bem quente e até mais brando. Só tiro quando já estão bem coradas e nas duas vezes elas murcham. Será que tenho que colocar mais fubá? Voce poderia me dar uma dica.
Desde já obrigada
Angela
e-mail a.goretti@uol.com.br

Neide Rigo disse...

Angela,
elas dão mesmo uma ligeira murchadinha, mas observe também se está usando xícaras padronizadas para cozinha, de 240 ml. Isto pode fazer diferença.
Um abraço, N

Cris disse...

Olá fiquei com duvida na xicara
vc pede para colocar 1/5 de xicara de polvilho doce e 3/5 de xicara de leite. Qto seria isso ?
Seria mais ou menos 1 dedo numa xicara de polvilho e 3 dedos aprox. de leite ?
Ou é 1 e meia de polvilho e 3 xicaras e meia de leite
Se vc puder responder por e-mail agradeço imensamente
Bjs
Cris
cristianefelipe78@hotmail.com

Neide Rigo disse...

Cris
a medida é:
1,5 xícara de polvilho doce
3,5 xícaras de leite

É virgula e não barra, portanto 1 e meia e três e meia.
Um abraço,
N

Taís disse...

Oi Neide! Há tempos procurava uma receita de broa de fubá, mas me diz: essa broa é aquela que fica "oca" por dentro e meio "molinha", assim, tipo pão de queijo? Morei em Minas, amava essas broinhas, mas nunca consegui a receita...
Adorei teu blog!
Abraço!

Neide Rigo disse...

Oi, Taís! esta fica assim também. Experimente e me fale. beijos, n

piton disse...

Oi Neide,
Passeando pelos blogs de receitas me deparei com o seu. Que maravilha!
Sou mineiro, nascido e crescido no interior. Atualmente estou morando no Rio. A sua receita é preciosa demais, mamãe sempre faz essas broinhas em casa, e é muito divertido moldá-las com a xícara. Quando crianças, nós adorávamos.
Bem, fiquei doido pela sua forma de pão de queijo, sabe onde posso comprar?
Parabéns pelo belíssimo trabalho.
Abraço
Aloisio

Neide Rigo disse...

Aloisio,
obrigada! As forminhas, comprei numa loja de quinquilharias de cozinha, no bairro da Lapa, aqui em São Paulo. Não deve ser difícil encontrar. Um abraço, N

MM a sua solução gastronomica disse...

Neide,
sou do RJ, e em um shopping perto de casa abriu um café que vende.
quase todo dia passo por lá.
vou fazer a sua receita e pelos comentarios acho que eles perderam um cliente.
Em tempo, vc conhece aqui no RJ algum curso sobre culinaria italiana, tenho procurado até agora nada.

Marcos dos Reis

Neide Rigo disse...

Marcos,
obrigada. Infelizmente não conheço quase nada do Rio. Espero que consiga fazer a receita direitinho (minhas medidas são sempre padronizadas, ou seja, uma xícara = 240 ml)
Um abraço,n

Taís disse...

Oi Neide!! Finalmente, ontem, "testei" esta tua receita de Broa. Fiz a metade da receita e acho que pequei colocando 1 ovo a mais... mas, ficou maravilhosa mesmo assim! A mais parecida com a que eu comia em Minas até agora. Depois passe lá no blog para dar uma "espiada". Bjs

Anônimo disse...

Neide! Estou maravilhada com sua receita de broinha de fufá! Acabei de ganhar de uma cliente, uma travessa destas broinhas deliciosas! Queria a receita e encontrei no seu blog.
Parabéns, obrigada pela sua generosidade!
Amei, amei, amei!!!!
Liara

marcosaraujo30 disse...

Ontem fiz a receita de broinha de canjica, que achei no seu Blog. Mas com duas xícaras de fubá a massa ficou líquida. Coloquei mais duas para a massa tomar consistencia. Não consegui moldá-la no copo. Acho que ainda estava mole.
pode me dizer alguma coisa a respeito.
Moro em brasília e aqui acho o fubá com facilidade. Também vou tentar fazê-lo pois tenho acesso a um moinho de pedra movido a água na chácara de um amigo.
Marcos

Neide Rigo disse...

Marcos,
observe no post que não usei fubá de canjica e sim fubá comum (o fubá de canjica tem outro comportamento e as medidas são outras). E as medidas que uso são sempre aquelas padronizadas para cozinha, ou seja 1 xícara de 240 ml. A massa é meio molinha e por isto é moldada na xícara. Você levou a mistura de fubá e polvilho ao fogo até virar um mingau? Se fez do jeito que recomendo, não sei o que pode ter dado errado.
Um abraço, N

marcosaraujo30 disse...

Me desculpe Neide, postei na receita errada, é a outra mesmo que eu fiz, usei a medida de 240g, vou fazer novamente e colocar nas forminhas de empada.
Um abraço
Marcos

Ariane Seixas disse...

Oi Neide!

Achei seu blog quando estava procurando oq era fubá de canjica achei aqui a melhor explicação. Acabei de fazer as broinhas! Elas ficaram deliciosas, só tve uma dificuldade, não consegui fazer as bolinhas na xícara, mesmo com um pouco de fubá elas não soltavam, com uma colher de sopa eu coloquei a massa na assadeira mas elas espalharam um pouco. Alguma dica para fazer bolnhas que não esparamem??

Adorei seu blog, parabéns!

Neide Rigo disse...

Oi, Ariane! Talvez os ovos que usou eram grandes demais. Você usou xícaras padronizadas pra cozinha, com 240 ml de volume? Talvez sua massa estava muito mole. Estas forminhas que usei são boas para a massa não esparramar.
Um abraço,n

Ariane Seixas disse...

Oi Neide!

Fiz de novo a receita e deu certo!!!! Ficaram redondinhas, gordinhas e lindas!

Acho que os ovos estavam mesmo muito grandes, dessa vez coloquei 4 e usei uma caneca de chá maior para fazer as bolinhas.

Obrigada pela resposta!

Ariane

Michel disse...

Oi Neide,

Fiz a receita pela metade (ajustando "de olho" mesmo algumas medidas) e deu muito certo. Como sou só eu e minha esposa aqui em casa sobrou e congelei as broas faltando apenas assar, já passadas no fubá (as "bolinhas"). Após uma semana no congelador, assei hoje cedo algumas e ficaram ótimas.
Obrigado.

Silvana Nunes .'. disse...

Nossa, um espetáculo de explicação. Há tempos estou rodando e ninguém sabe me dizer o que é o tal fubá de canjica. Quer dizer que no mercado não se acha ? Moro em Petrópolis, região serrana do Rio de janeiro. Aqui as coisas são meio difíceis de encontrar. Acostumada com o Rio de Janeiro, pois sou carioca da gema, saí da minha cidade, fugida da violência, para vir morar aqui. Vez por outra me sinto no Xingu, pois embora há 70 km do Rio, não se encontra nada um pouco diferente. Vou continuar procurando.
A propósito, esta receita é um escândalo. Fiquei com água na boca (rs). Quando encontrar o tal fubá de canjica, certamente farei.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... deseja um bom dia para você.
saudações Educacionais!

MARIA LUIZA disse...

"Minha" querida..apesar de estar te conhecendo agora pela internet, saiba que vc foi uma benção na minha familia...rs,rs, explico:toda vez que saia com meus filhos gastava um bom dindim naquela "casa" que vende essa broinha de fubá que meus filhos adoramm.Testei varias receitas e e nenhuma deu certo...a sua acertei em tudooo, sabor, consistência,casquinha crocante etc.Até agora não estou acreditando que foi eu que fiz!!!Tá igualzinha do shopping, pasmem!
Que Deus abençõe poderosamente vc e que vc possa continuar assim com essa generosidade de compartilhar o que sabe com as "irmãs".Um abraço do coração.

Edna disse...

Estou como as colegas,nas tentativas frustadas.Sou goiana,comia umas broas deliciosas por la,principalmente no interior,aquelas vendas..Aff que saudades.Olhandoe pesquisando achei seu blog,agora mesmo estou testando uma outra receita de broa,ate entao nao sei se vai ficar boa,esta no forno!!!aiaiaiai ,mas procurando uma cosistencia de massa encontrei voce..
Com certeza vou testar esta semana e lhe mando outro recado..Tenho certeza que pelos comentarios,postados aqui,nao me resta duvida que encontrei a receita perfeita..
A proposito,a receita que faz com fuba de canjica se parece mais com as que comia,mas tenho certeza de que esta me fara feliz da mesma forma!!
Moro em USA,e aqui so encontro,o antigo e bom fuba de milho !!
Obrigada por dividir,adorei..Deus lhe abencoe..

Edna F.

Vanessa disse...

Oi! Adoro Broa de fubá, e na sua receita fiquei na dúvida quando voce menciona 1,5 xic de polvilho e 3,5 xic de leite. Não consegui entender como medir isso. No caso do polvilho, seria 1 xíc e meia? E no caso do leite, seria 3 xíc e meia? Me responda, pois pretendo fazer o mais breve possível a receita. Abraços, Vanessa

Neide Rigo disse...

Vanessa! Sim, 1,5 (uma e meia) e 3,5 (três e meia).
Espero que goste. Um abraço, N

Felipe disse...

Oi Amiga, já tentei varias vezes fazer a broa de canjica e sempre dá errado sigo as receitas, ficam gostosas, mas não ficam ocas, me passe a receita. bjs. Elenice, Capelinha/MG

Felipe disse...

Me desculpe, passei o comentário e esqueci de deixar meu e-mail. gostaria de saber qual é a receita de broa de canjica que deixam elas ocas, pois sempre que faço, sigo recitas, mas não ficam ocas. Elenice, Capelinha/MG. e-mail elenicefola2006@yahoo.com.br

ale disse...

fiz as broinhas hoje e elas nao ficaram ocas no meio, por favor e diga o porque disso.

Ale disse...

Olá,Neide!
Adorei a receita que a tempos procurava.
Moro no interior do RJ e não temos fubá de canjica.
Vc poderia indicar onde poderei comprar?

Neide Rigo disse...

Ale, observe que esta é uma broinha feita com fubá normal. A de canjica verdadeira você vai ver aqui: http://come-se.blogspot.com/2010/08/broinha-de-fuba-de-canjica.html - tem o endereço de um fabricante. Um abraço, N

Marcelo Lima disse...

Oi, Neide

Adorei seu blog e achei sua explicação muito didática. Parabéns!

Como adoro essas broinhas, resolvi fazer sua receita hoje. ficaram gostosas e muito bonitinhas, mas a massa ficou pesada e meio crua por dentro.

Usei ovos médios e medidas padronizadas, mesmo assim a massa ficou com consistência que dava pra enrolar na mão. Assei por 50min a 250 graus.

O que vc acha que deu errado?

Marcelo :)

meire bez disse...

oi neide,outro dia fiz a receita das broinhas e sairam perfeitas e hoje fiz de novo mais nao sairam boas menina,nao creceram nada.Outro dia coloquei o forno com menas temperatura e las cresceram bastante mais hoje coloquei a 250ºC,e qual e a difença de usar el povilho doce para o povilho azedo?

Heloisa disse...

Maravilhosas as broinhas!Sou de Goiás e peço licença a você para mandar um recado, não so para meus conterraneos, mas para todos que gostam das coisas da roça: Leiam meu livro"Um cheiro de saudade".
Quem quizer, me manda um e-mail que faço a remessa.O seu é presente, desde que me mande o endereço para entrega e depois de ler, poste um comentário. Combinado?
Meu e-mail: hhfreitas@hotmail.com

Heloisa disse...

Oi Neide, como disse no meu comentario, escrevi um livro que fala das coisas da roça e nele tem algumas receitas antigas, destas delicias que hoje a gente quase nao vê. Tenho muitas outras receitas das avós, mãe, tias.
Para você ter uma ideia, eu completarei 73 anos em agosto!! Daí da para constatar a antiguidade...
Quero mesmo lhe mandar um livro. Mande um endereço.
No que eu puder ser util, disponha.
Um abraço e parabens pela iniciativa.
Heloísa Helena

Anônimo disse...

oi neide!
fazia tempos que procurava a receita de uma boa broinha de fubá, e aí está! =)
como já havia testado outras receitas e estava meio traumatizada com o gosto de óleo, desta vez resolvi substituí-lo por manteiga (considerando a proporção de 01 xícara de óleo por 1 e 1/2 de manteiga) e ficou sensacional! congelei um pouco de broas prontas para assar, que também ficaram ótimas.
muito obrigada por compartilhar!
Fernanda

ellen serra disse...

Acabei de tirar do forno! Cresceram, racharam, ficaram bem aeradas e fofinhas,mas não ficaram ocas. será que foi o fubá?
Ficaram deliciosas! Obrigada!! Sou Ellen moro em Brasília.