sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Espécies comestíveis e úteis no Senegal

Milhete caprichosamente trançado
Falo apenas das que cruzaram o meu caminho, como as melancias abundantes nas estradas.  Nos pratos do dia a dia, cenouras, nabos, berinjelas, batatas, pasta de tomate. E as pequenas berinjelas amargas, como o jiló, xuluñe, felizmente não faltavam. 

Arroz sendo socado no pilão
Nas aldeias, quando há arroz local ele é socado aos poucos para o almoço e jantar, mas o arroz que alimenta a maior parte dos senegaleses vem de fora, Vietnã, Argentina. 

Sorgo

Milhete

Colhendo o amendoim

Milho secando
Nim como repelente
Nas roças, milho, sorgo, milhete e amendoim que, nos páteos das residências coletivas, são secos e guardados garantindo provisão até a próxima safra. Milhetes ou mil são caprichosamente amarrados pelas hastes formando verdadeiras esculturas. Esculturas também são as cabanas onde os cereais são armazenados. Ao redor, o que é mato seco, cor de fogo, não é capim, senão salguf (Eragrostis cilaris), uma gramínea usada na cobertura vegetal para as casas, protegendo do sol, do vento e da chuva.


Outra planta de grande utilidade, seja no sombreado das ruas, seja para uso na fitoterapia, é o nim - Azadirachta indica. A mesma que temos aqui para uso na agricultura para afastar pragas. Embora eu tenha levado repelente, nos últimos dias ele se acabou e não encontrei outro para comprar. Lembrei que ao lado da oficina havia uma árvore de nim. Peguei umas folhas, bati no liquidificador e peneirei. Foi só colocar na embalagem vazia do exposis, nome do repelente que usei, e pulverizar o corpo sempre que possível com aquele líquido verde e extremamente amargo (sim, provei um dedo úmido) que nenhum mosquito chegou perto. Eu mesma não sabia se daria certo, ninguém por ali conhecia o uso da erva assim, mas o fato é que, a não ser uma picada de formiga - que peguei no flagra, nenhuma outra tive. Portanto, risco zero de malária. 

Bissap vermelho

Bissap branco
Se no Brasil, pouca gente ainda conhece o hibisco ou vinagreira, no Senegal ele está por toda parte. Conhecido como bissap, pode ser encontrado geralmente seco nas versões vermelha e branca (verde-claro). O primeiro, pelo atrativo da cor, é usado mais para refrescos. Não se usa para infusões quentes, por exemplo. Um dia fiz com gengibre e folhas de limão e toda a gente que experimentou a bebida quente adorou. É questão de costume.  Tampouco usam para geleias ou outros pratos - não que eu tenha visto. Mas o bissap branco, que não serve para suco, este sim entra no prato à base de peixe com legumes servido sobre arroz, o thieboudienne, conferindo um toque ácido muito agradável. Aliás, sempre há um toque ácido nos pratos, seja pelo bissap, o tamarindo, o limão ou mesmo um pouco de vinagre. E o tempero da comida senegalesa é tão bom que, sinceramente, não precisava usar tanto caldo maggi, mas a indústria conseguiu convencer todo mundo que com os cubos maggi cada mulher senegalesa é uma estrela na cozinha. Elas são naturalmente estrelas, ótimas cozinheiras, sem artifícios. 

E tem as frutas além da abundante melancia. Laranjas locais e de Marrocos, limões como os nossos galegos da caipirinha - espremidos sempre sobre pratos com peixe, bananas que vêm da parte sul, mais úmida e coco, às vezes. 

Soump ou tâmara do deserto
Ditax ou guitax
Um dia, andando pelo vilarejo chegamos logo ao campo de chão arenoso. A areia fina entrava no sapato, mas a visão dos baobás ofusca qualquer inconveniente incluindo a atração das roupas pelos carrapichos (khaha) ou o contrário, com espinhos que só encontram o caminho de ida em direção à sua pele. No caminho,  um arbusto espinhoso lembrando um cacto sem sê-lo. Havia flores e  frutos maduros. Quebrei a casca fina de um e experimentei, era amargo e doce. Perguntei pra Michel e James se conheciam e não, nunca tinham visto. Com medo de ser veneno, cuspi o que pude levando comigo o retrogosto e a incerteza da sobrevida. No mesmo vilarejo, poucas horas depois, uma mulher vendia laranja e os tais frutinhos que reconhecemos de imediato. Sabendo o nome, soump, e que era comestível, tentei me acostumar com o fruto, que passei a adorar e agora nem achei tão amargo assim. Lembra tâmara na consistência cremosa densa, mas o sabor vai ficando cada vez melhor conforme passa o tempo na boca. Uma mistura de campari com banana-passa, algo assim. Com a certeza da comestibilidade e meu apreço por alimentos amargos, a fruta virou iguaria para mim. Esta tâmara do deserto.

Uma outra fruta que tive o prazer de conhecer ao vivo foi a ditax ou guitax (Detarium senegalense), da qual já conhecia o suco da primeira vez que estive no Senegal, em fevereiro. Desta vez era safra e aconteceu também de encontrarmos primeiro a árvore com frutos e, em seguida, um vendedor ambulante com a carrocinha cheia deles. Na cidade de Thiés, logo depois de um corredor de bouganvilles de todas as cores, às vezes no mesmo pé, vi uma árvore com frutos redondos como jenipapos. Achei um exemplar no chão e o quebrei sobre uma pedra. Já estava passado, marrom-mofado. Em seguida, Michel reconheceu a fruta vendida numa esquina. Compramos um pouco, tirei a casca fina e quebradiça e a polpa verde-abacate se mostrou pastosa. Como um abacate bem denso, o gosto também é algo a ser aprendido, diferente de tudo o que a gente conhece por aqui porque a polpa lembra uma coisa e o sabor, outra . A massa fica entranhada em fibras duras emaranhadas como bucha vegetal e se tivesse experimentado de olhos fechados poderia sentir ali um pepino ou abóbora-madura-perto-da-casca. Mas com doçura, cremosidade e uma certa acidez. Deliciosa. Trouxe algumas e pensei em fazer um prato salgado em vez do tradicional suco, mas chegaram meio detonadas e mofadas. Ficou na intensão. 

Buroubobo ou melão-de-são-Caetano 
O melão-de-são-caetano ou buroubobo vê-se escalando cercas de bambus nas aldeias e foi o menino Kharuna Gori quem me disse que as sementes eram usadas no thieboudienne. Agora, desapegada da circunstância,  me pergunto como fiquei sabendo, já que ele me disse isto num momento em que andávamos sós pela aldeia - na verdade, eu e um monte de meninos. Acordei na aldeia mais cedo que James e Michel e pude conversar com as crianças no intervalo entre a volta da mesquita e a ida à escola. Como entendi isto, não sei, já que Kharuna só fala wolof. Tampouco o francês ajudaria, mas, como que por feitiço, que entendi, entendi.

Bem, isto é só um pouco do que vi, mas saibamos que há muito mais. E, se quiser saber sobre outras espécies úteis e ver seus nomes - quando puder apurar,  veja o álbum (algumas imagens de legumes são da viagem de fevereiro)

3 comentários:

AUDENI OU Dona Mocinha disse...

Oi Neide, tudo bom?

Todo brasileiro deveria viver esta experiência, ver o quanto de comida e água desperdiçamos aqui!
Com certeza muitos dos nossos conceitos mudariam, impossível conviver com esta cultura e voltar a mesma pessoa.
Imagino sua cabeça, pós Senegal, como deve estar!!!


Beijos e ótimo final de semana


Audeni

Mariana Lopes disse...

Gostei muito dos resultados de algumas receitas e muitas delas se parecem muito com as que comi no www.garfovoador.com.br. Você trabalha com eles também?

Christiane disse...

Com certeza, Audeni!