sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Comida Requentada



Uma hora a gente acorda e a vida está diferente. Até outro dia havia em casa criança correndo pra lá e pra cá, pedindo lanche da tarde, comida a toda hora. E foram anos eu almoçando em casa com o marido, que trabalhava a 300 metros daqui. Agora Ananda faz internato, passa o dia inteiro no hospital e Marcos montou consultório em outro canto. Quem vem pro almoço? Ninguém. Isto dá uma certa melancolia, principalmente porque quero continuar trabalhando a maior parte do tempo em casa. Nasci pra cozinhar para família grande, mas cadê? Ir ao mercado, fazer feira, encher a geladeira de ingredientes... Que graça tem comer sozinha? Mas, assim como milhares de paulistanos solitários, a gente se acostuma. Vou descobrir a graça e aprender na prática a sentir prazer com minha agradável companhia à mesa.
Começamos a nova rotina nesta semana e por pouco não sucumbi, sem interesse, ao prato de miojo na frente da TV (se tivesse em casa, acho que o faria), ao sanduíche pobre e gorduroso, ao mingau confortante ou às guloseimas e frutas fáceis no lugar do almoço merecido. E Marcos tampouco tem conseguido manter um cardápio saudável, gostoso e tranqüilo nas redondezas da Av. Paulista. Bem, pelo menos ainda nos resta o jantar. E ontem ele apareceu aqui com estas charmosas marmitinhas indianas, de aço inoxidável, com compartimentos. Foi um sopro de alegria, pois me motivaram a pensar em jantares que caibam nelas e que possam ser aquecidas em banho-maria ou no vapor. A copa é bem montada e o consultório, agradável, e ele poderá passar tudo para o prato, levar fruta, salada e pão e ainda acompanhar com uma taça de vinho. E vamos ver se não é só empolgação. Já sei que batatas amanhecidas ganham sabor detestável e terei que evitá-las - sim, eu já comi muito de marmita na vida, mas certas comidas até ganham com o descanso. Comida fresca não tem igual, mas façamos sempre o melhor dentro do que é possível. E, marmita pra mim também.

São pequenas e têm compartimentos para diferentes alimentos
Onde comprar
Lojinha do restaurante Gopala Prasada
Rua Antonio Carlos, 413 / 429 - São Paulo
Telefones 3283-3867 e 3289-1911

8 comentários:

Paula Amanda disse...

Neide querida,

Você conseguiu resolver o seu impasse de não cozinhar, essas marmitas são lindas dá até vontade de voltar a comer de marmita, mesmo morando super perto do trabalho!

Meu caso é meio diferente, em casa todos temos que manter uma alimentação saudável, por problemas de diabetes, colesterol, trigliceres e talz!
Não tem como resistir à esse mundo dos blogs cozinhando comida saudável, nem dá vontade de publicar!
Tento não fazer, mas é impossível, como por exemplo ver uns pãezinhos de queijo com alecrim e flor de sal e não cair na tentação de fazer!!!!!
Bom, minha alternativa é cozinhar e distribuir, faço uma receita nova, experimentamos e saio distribuindo para todos os vizinhos, amigos, conhecidos!!!!
Nossa, isso aqui não é um divã?!
Abraços,
Paula Amanda

Gourmandise disse...

Faz tempo que não vou ao Gopala...]
Tinha um restaurante na Vila Madalena que servia a comida em marmitas, acho que o nome era UMA Refeitório, ou algo do gênero.
bjo,
Nina.

Lili disse...

Neide,
Toda requentada fica requintada nessas lindezas!Já quanto ao sabor, pela minha experiência, a mistura no mesmo recipiente é também uma grande vilã. Mas, parece que estou vendo um título: "As maravilhosas matulas de Neide".
bjs

Agdah disse...

E que venham os curries...

Márcia disse...

Neide, sabe q eu não tenho nenhum problema comcomida "de ontem"? Tem gente q tem pavor a feijão dormido, mas eu como tudo, sem estresse...
E já comi muuuito de marmita, há uns 5 anos, mas era sempre arroz, purê e carne... nada criativo, mas eu amava!
Bjos.

carlinhos de lima disse...

Amei essa idéia... Acho até que vou tomar pra mim um desafio desses... Vou tentar...

Michel disse...

Eu sei como é. Cozinhar pra um oi dois é um sacrifício né.

Lílian disse...

Neide, sei bem o que é comer sozinha! Muito delicado seu novo mimo. Boas receitas.