quinta-feira, 10 de março de 2011

Quinta sem trigo 13: milho nixtamalizado para tortilhas


Como já previa, o moinho manual levado a Dakar pelas mexicanas Madelen e Maria (fotos aqui) me fez muita falta por aqui. Assim como falta fizeram também as novas amigas. Mas milho e cal podem ser encontrados em qualquer canto, de modo que o milho nixtamalizado foi devidamente produzido na minha cozinha sem muita dificuldade.
Assim que diluí a cal e comecei a cozinhar o milho, o cheiro forte de tortilhas já começou a se insinuar, o mesmo que senti pela primeira vez em Dakar. Nunca havia comido tortilhas feitas assim, de maneira artesanal do começo ao fim. As melhores até hoje, sem dúvida alguma.
Não se sabe ao certo como tudo começou, mas o fato é que o processo de nixtamalização é transmitido de geração em geração na Mesoamérica desde os tempos pré-hispânicos. A palavra nixtamal vem do náuatle nixtli, que quer dizer cinza, e tamalli, massa. Trata-se de um amaciamento dos grãos duros de milho seco através de aquecimento em solução alcalina - água com cal ou cinza. Obtem-se, assim, o nixtamal ou milho nixtamalizado, com sua película dissolvida, que pode ser moído para fazer tortilhas e vários outros pratos.

Há cerca de cem anos a trituração do milho era feita em metates, até surgirem os moinhos de pedra e, recentemente, os de metal. Embora a vida moderna tenha induzido ao uso de produtos pré-prontos como as farinhas de milho nixtamalizado à qual basta adicionar água, o hábito de preparar o próprio nixtamal ainda sobrevive nos povoados mexicanos, nas zonas rurais. O aprendizado continua sendo passado de mãe pra filha, com a vantagem que agora há muitos moinhos públicos espalhados por todo o país. Basta levar o nixtamal e sair com a massa pronta.

Embora não se tenha muitas informações de como nasceu a necessidade de nixtamalizar o milho, hoje há inúmeros estudos (veja links lá embaixo) mostrando as alterações físico-químicas que acontecem durante o processo. Sabe-se que a nixtamalização melhora o aporte nutritivo de proteínas, aumenta o teor de calcio, fósforo e ferro, transforma parte do amido em amido resistente (como as fibras solúveis, é importante para a saúde da microflora do cólon, por exemplo) e ainda torna a niacina (vitamina B3) biodisponível, só para citar algumas propriedades. Isto, sem falar na melhoria de performance física e sensorial como ingrediente. O milho tratado assim torna-se maleável e flexível, tornando possível o feitio de tortilhas que podem ser abertas até ficarem muito finas - ato fácil para o trigo, mas quase impossível para outros amiláceos sem gluten. E ainda parece libertar todo seu sabor oculto nos grãos secos inodoros e insípidos.

É bom lembrar que as farinhas prontas para tortilhas não são puras. A que ganhei das amigas mexicanas, por exemplo, traz, além do milho nixtamalizado em pó, farinha de soja e outros aditivos.
Infelizmente o trigo refinado, difundido amplamente nos países mais ricos, vem se alastrando também entre os países em, empurrando para as beiradas cereais locais, assim como raízes, tubérculos, leguminosas e outros amiláceos regionais. A sorte é que há ainda focos de resistência e o hábito da nixtamalização sobrevive mesmo entre os mais novos. Prova disto é que Madelen e Maria são duas jovens que aprenderam a arte com suas mães e dominam todas as técnicas para se fazer uma boa tortilha. E já sabem ensinar (só me faltou um bom moinho...).

Antes de ir ao preparo, umas palavras das amigas Madelen e Maria, que trabalham na ANEC- Asociación Nacional de Empresas Comercializadoras de Productores del Campo.

"Hola Neide, He leido tus correos, pero no habia tenido oportunidad de constestar. Ahora bien, respecto al proceso de nixtamalización te comento lo siguiente: te daras cuenta que el maíz esta cocido cuando empiece a despellejarce. Y también puedes probarlo (morder), y cuando sientas que esta blando, es porque esta listo! Ahora bien, cuando este cocido se baja de la lumbre y puedes hacer dos cosas: Una: retirar el agua con cal y poner agua fría o caliente, no hay problema, o Dos: dejar con el agua de cal y poner agua fría (hasta cubirir el grano). Cuál es la diferencia de uno y otro es que si dejas el agua de cal, el sabor de la tortilla será más fuerte, así como que el grano puede cocerce un poquito más. Y qué es común en México? dejar con el agua de cal y agregar agua fría. Esto se deja por una tarde-noche. Al otro día, debes tirar el agua de cal y enjuagar muy bien el nixtamal, hasta que el agua te quede completamente limpia. Y listo para moler!!! En un momento te envio la receta con mis comentarios. Saludos, Madelen"

"Neide, eres una experta en nixtamalización de maíz, muuuuuchas felicidades!!! Y bien, esta muy bien lo que has hecho y las medidas son correctas y adecuadas :) Creo que tendrás un gran éxito con la elaboración de las tortillas. Desde aquí estaré hechandote porras... Escribiendo un par de líneas, a ver que te parece. Pero te advierto que no soy muy buena, así que te pido tu puedas ajustarlo :) Estoy muy feliz por estar interesada en aprender este arte cultura y popular en México. Ah, te mando una fotos de María donde hace esta técnica. Seguimos en línea. Besos, Madelen"

El maíz, fundamento de la cultura popular mexicana: Por Madelen Baez Navarro

La apreciación de la riquísima – en todos los sentidos – cocina mexicana a base de maíz sólo se logra comiéndola. Es importante señalar que el universo culinario que el pueblo de México ha creado es entorno al maíz. Las tortillas, invitadas especiales a las comidas de todo mexicano, alimento de consumo básico de todos los días (en el desayuno, en la comida y hasta en la cena). Es como el pan (baguettes) para los europeos.

México las tortillas hechas a base de maíz nixtamalizado es la gran constante y con mucho más tradición en las zonas rurales. Aún que es importante acotar que hacia la frontera norte de México, existe un mayor consumo de tortillas hechas abase de harina de trigo. Pero aún con esto, las tortillas de maíz siguen siendo las reinas de la comida mexicana. Que rico es comer una tortilla de maíz recién salida del comal, sólo con un poco de sal; por que no agregarle un poco de queso y hacer una quesadilla?; poner un pocode guisado y hacer un taco?… etc. Y así podemos seguir con un extenso recetario.

Ahora bien, con el maíz nixtamalizado y molido, no sólo hacemos las tortillas, sino también tostadas deshidratadas, atole de masa (bebida liquida dulce), pozol (bebida fresca combinada con cacao), tamales (comida, es un envuelto de masarelleno con carne) y así puedo mencionar mucho más.

Ahora nos apegaremos a la elaboración de la tortilla de maíz nixtamalizado. Cuáles son los ingredientes: 1 Kg de maíz local, 3 litros de agua, 3 cucharas de cal (Oxido de calcio). Ok, iba a escribir más pero creo que Neide puede escribir mejor sobre la experiencia que vio y practico con nosotras en África ..

E agora, o que diz Maria sobre os derivados do milho, comuns Venustiano Carranza, Chiapas, onde mora:

El Maiz y sus derivados. Por Maria Del Carmen Martinez Vasquez

Es la principal fuente de alimentación de Venustiano Carranza, con el se elaboran distintos tipos de bebidas y alimento como son:
La bebida tradicional que es el Pozol blanco y cacao.
Tortilla: se pone a coser el maíz luego se muele con un molino, ya que esta la masa se prepara para hacer las tortillas
Tostada: es el mismo proceso que las tortillas con la diferencia que se tostada bien en el comal y luego se coloca alrededor del fuego para que quede bien tostado.
Pilizat: se revuelve la masa con frijol entero y se le pone el caldo de frijol para que cambie el color agregándole una pizca de sal.
Memelita: se muele el frijol se hace una tortilla doble agregándole en medio el frijol molido; una vez teniendo este procedimiento se comprime con las dos manos formando una tortilla.
Pinole: se dora el maíz en
el comal ya que esta apunto de palomita se saca, algunas personas le
agregan cacao y canela para que tenga un buen sabor y luego se muele en un molino para preparar un buen refresco.
Tascalate: se utiliza el mismo procedimiento que el pinole con una diferencia que se le agrega achiote para que obtenga un color naranja y otro sabor.
Y una variedad de tamales: el tradicional de nuestro pueblo es el patsito, toropinto, huet, de mole, de bola, chipilín entre otros.

Pertenezco a una familia en la cual he crecido con las costumbres de mi tierra las cuales
fueron heredadas por mis ancestros, es por ello que hemos conservado la gastronomía de nuestro pueblo y de antemano me siento orgullosa de tener los conocimientos para elaborarlos alimentos que se derivan del maíz y
al mismo tiempo poder transmitirlos para que no se pierdan, otra costumbre que tiene nuestro pueblo es la elaboración del telar de cintura y bordado (artesanía) y mi familia forma parte de esa tradición preocupada por la conservación de esta gran riqueza cultural.

Gracias, Madelen e Maria, que me ensinaram, me deram paninhos mexicanos tramados e bordados e deixaram saudade. Para que se lembrem de mim, deixei com elas apenas minhas toucas de cozinheira amadora.

Mas, vamos ver se ao que aprendi:

Escolhi e lavei bem um quilo de milho. Diluí numa panela de aço inoxidável 15 gramas de cal virgem, que comprei numa loja de produtos de festa no Mercado da Lapa, em 2,5 litros de água e coloquei o milho. Assim que ferveu, abaixei o fogo e deixei a panela aberta.
Experimentei algumas vezes nos dedos, pra ver se a película havia se dissolvido (parte da celulose se transforma numa substância gelatinosa) e se o grão estava mordível. Desliguei o fogo depois de 50 minutos.
Sem desprezar a água com cal, juntei sobre o milho quente água limpa e fria, até encher a panela. Deixei assim até o outro dia (umas 12 horas).

Escorri a água da panela e lavei os milhos em água corrente aos poucos. Madelen esfregava levemente nas palmas das mãos, mas eu usei este escumadeira grande para enxaguar diretamente sob a torneira, de modo que foram embora restinhos de película (não precisa tirar toda ela, nem o germen) e grãos excessivamente cozidos e desmanchados (certamente havia no lote que comprei grãos de diferentes idades, o que não é bom).
Veja na peneira o que foi descartado. Pronto, o nixtamal estava pronto. Agora era decidir como moer na ausência de um moinho específico. Tentei duas formas.
No processador, que consegue deixar a massa um pouco mais fina e uniforme.
E no moedor de carne, que fez uma massa extremamente rústica (mexicanos, me perdoem pela petulância de apresentar tal massa para tortilhas!)
Fiz tortilhas com a farinha pronta, só para comparar.
A mais granulosa, da esquerda, foi produzida com ajuda da máquina de carne (mesmo depois de passar duas vezes pela máquina, restam grãos não moídos), a outra amarela, no processador, e a branca é a feita com a farinha.
Embora a massa tenha ficado um pouco grossa por causa dos grãos de milho não triturados, não foi difícil abrir na prensa (aquela que ganhei do leitor Felipe)
Usei três chapas ao mesmo tempo. Prensa entre duas folhas de plástico, passa para a chapa quente, cozinha de um lado, cozinha de outro (coisa de 30 segundos de cada lado se sua massa for bem fininha, que não foi o caso, por isto cozinhei por um pouco mais de tempo), um tiquinho de sal por cima, um golinho de café e nhac! Fui deixando as excedentes embrulhadas na mantinha mexicana.
O aroma destas artesanais é impressionante. Só de pensar agora, tenho vontade de correr à cozinha buscar algumas frias mesmo. Aqui os três tipos, sendo a mais rústica aquela da máquina de carne. A outra, mais homogênea, é da do processador e a branca, sem gosto nem aroma de milho, é a industrializada.

Este é o moinho que fez falta. Já sabe o que vou trazer na mala quando for ao México...
Se quiser saber mais sobre nixtamalização, não deixe de consultar estes artigos:

http://www.revistas.unam.mx/index.php/cns/article/viewFile/14831/14131
Em se quiser comprar um moinho manual para nixtamal, consulte o site Máquinas Gonzalez, que entrega para toda parte do mundo.
Nota pos-post: encontrei um moinho igualzinho ao mexicano, da marca Guzzo, no Mercado da Lapa. Veja em detalhes no post:http://come-se.blogspot.com/2011/03/tortilhas-com-milho-nixtamalizado-o.html

42 comentários:

Monica disse...

Sensacional o post. Um dia ainda crio coragem e preparo uma tortilla assim. Morei durante três anos na Venezuela e sou louca pela culinária latino americana. Adorei.

marta.hoffmann disse...

Oi Neide,
adorei ler tua postagem a respeito do milho para fazer tortilhas,eh uma lição e tanto,da uma vontade de arrumar as malas e ir direto a fonte e ter alguma aulas!!!soh vendo fazer mesmo!!!a unica coisa que acertei ateh agora foi o Chutney de manga de um post seu antigo.Hoje aqui,um dia chuvoso e fiquei animada para tentar ir a cozinha e fazer biju,depois de ver seu video uma cem vezes!!!!frustação total,colocando muita agua no amido,virou pedra,pouca agua faltou liga,e ficou duro,mas comi assim mesmo com leite condensado!!!!um dia ainda vou a Brasil e ter este tipo aulas de culinaria!!!!

Simoni disse...

Oi Neide, acompanho seu blog anonimamente há algum tempo e gosto muito dos seus piqueniques e dicas em geral.
Hoje tomei coragem pra escrever porque seu post me lembrou da minha avó, que morava num sítio pertinho de sp (em Itaquaquecetuba) e lá usávamos muito esse moedor pra fazer pamonha! (com milho novinho, apertando a regulagem pra sair bem fininho, quase um caldo mesmo)
Achei alguns modelos parecidos com preço mais em conta, mas não tenho certeza se são iguais:
http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-174119375-moedor-de-cereais-ferro-estanhado-moinho-malta-promoco-_JM
http://187.45.182.131/~a31143/loja/product_info.php?products_id=270&osCsid=e0e03d008da215e31907f13fb8821001
Beijos e parabéns pelo blog :)

Neide Rigo disse...

Monica, tendo o moinho certo, o resto é o de menos.

Marta, vou lhe dar uma dica, é mais fácil acertar o beiju colocando água de mais, pois basta cobrir com pano seco para que absorva a água excedente. Quando perceber que formou um torrão úmido que consegue desmanchar com as mãos, veja se consegue passar pela peneira sem que formem gotas. Se sim, está perfeito para o beiju de tapioca. Se ainda formam gotas, coloque outro pano seco por cima e espere um pouco mais. Um dia ainda mostro isto em vídeo para não ter erro. Enquanto isto, teste aí.

Simoni, estes moedores de cereais que aparecem aí são mais para grãos secos. O mexicano funciona por fricção de duas placas. Acho que não fazem o mesmo trabalho. Mas obrigada de qualquer forma pela dica.

Um abraço, N

Anônimo disse...

Gilda disse...
Nem acredito que você está ensinando a fazer isto!!! Sua tortilha com pedacinhos ficou linda! Acho que é até um charme extra e quero muito tentar fazer, já tendo certeza de que vou comer todas puras, para apreciar melhor. Só você mesmo!

Isaac Kojima disse...

Há séculos queria fazer isso, mas não encontrava as medidas. Tinha idéia do processo depois de assistir um documentário sobre os maias (o solo da península de Yucatán é rica emcalcário). Quanto a moer, acho que vou tentar o suribachi.

Dricka disse...

Neide como faço para sobreviver sem essa tortilha até arranjar tempo para faze-las? Preciso urgente de um dia com 36 horas!
Bjs

felipe disse...

Olá Neide,

Obrigado por mais uma aula. Qto à improvisação com a máquina de moer, a minha veio apenas com um disco, e numa loja local consegui um outro com furos mais finos e que deixa a massa bem triturada e livre de pedaços. Caso haja interesse, mande-me um desenho fiel do disco da sua para que possa providenciar um para você.
abraços

angela disse...

E a foto ficou linda com esses panos coloridos.
Tudo de bom.. estou babando e nem senti o aroma!
Mas morro de medo de cal virgem, ignorância minha, vê.

Anônimo disse...

Neide,

admiro muito sua paciência e seu capricho. A minha colega Assimina ficou encantada com você e sua casa. E eu quero mais piquenique!!! Pode ser seu, nosso... Vamos pensar em agitar numa pracinha pequenina, pode ser na sua...
Tô com fome e com saudade.

beijos, Graziela

Neide Rigo disse...

Gilda, como pode ver, não tem muita dificuldade. Mas o ideal é que a massa este com menos pedacinhos...

Isaac, tente no suribachi e depois me conte. Vai dar um pouco de trabalho mas deve ficar melhor que este moído na máquina de carne.

Drika, quando encontrar este dia, me avise que também quero comprar.

Felipe, exatamente como a minha, que também só tem um disco. No Mercado da Lapa me disseram que iriam trazer outro mais fino, mas ainda não fui conferir. Se não conseguir, eu quero, sim.

Angela, não tenha medo da cal virgem,não, pois ela só é virgem porque o cimento é fresco (piadinha de cursinho para não errarmos o gênero dA cal!..). E é extraida de calcário, não tem problema não e mesmo porque a água com cal é desprezada, restando só um pouco de resíduo. Estes panos são lindos, não?

Gra, neste domingo é dia de piquenique por aqui, se quiser aparecer, será um prazer. De qualquer forma, podemos marcar outro também. Que tal no Jardim Botânico? Obrigada, saudade também!

Um abraço,
Neide

bia rangel disse...

Oi, Neide, adorei este post. Pretendo tentar em casa.
Uso um moinho para cereais que considero muito bom, da marca Guzzo. Ele tem duas placas que se fricicionam e fazem a moagem.
No site do fabricante há uma lista de lojas onde se pode encontrar o produto (o meu comprei na rua Paula Souza). Lá diz também que vendem as peças avulsas. http://guzzo.ind.br/produtos/moinho-para-cereais.htm
um abraço e parabéns pelo trabalho de encher os cinco sentidos!
Bia Rangel

Neide Rigo disse...

Bia, coincidentemente hoje comprei este moedor no Mercado da Lapa (box 11). Pelo que vi é igualzinho ao usado pelas amigas mexicanas. Meu nixtamal já está pronto para amanhã cedo, quando saberei de vai dar certo ou não. De qualquer forma, obrigada por publicar aqui o link da empresa. Um abraço, N

Laura Backes disse...

Neide! Mesmo que pouco comente, sempre que tenho mais tempo me delicio furungando no teu blog. Tu é minha ferramenta adicional do google quando tenho algum ingrediente diferente que quero testar: ponho "neide + ingrediente".:)))
Sempre quis saber como fazer tortillas legítimas e até agora não tinha conseguido. Quando tiver um tempinho vou fazer junto com guacamole (que sou craque).

Fora isso tava querendo te passar um blog no qual cheguei procurando receitas com farinha de amêndoas, e tem tudo quanto é receita sem farinha de trigo. É em inglês, mas qualquer coisa dá prá colocar no google translator!
http://www.elanaspantry.com/
Sou orgulhosa de existires e e receber teu merecido sucesso.
Beijos sempre gratos!

Neide Rigo disse...

Laura, obrigada! Bom saber que está sempre por perto. E obrigada pela dica do blog. Muito legal.
Hoje fiz tortilhas de novo com o moinho certo que comprei por aqui ontem (próximo post!)e comi com guacamole. Ficou muito bom.
Um beijo,
N

Igor disse...

Neide,

Muitíssimo parabéns pelo excelente post! Fico fascinado quando você escreve um post com detalhes e fotos de algo para cozinharmos nós mesmos, na tentativa de diminuir cada vez mais o consumo de produtos industrializados!

Parabéns de verdade!

Estive no México a passeio em julho passado e, putz, como sinto saudade de uma tortilla de verdade, de uns totopos fresquinhos!!! Obrigado por me proporcionar a oportunidade de fazê-los!

Já imprimi todo o post com o passo-a-passo e vou me atrever a fazer minha primeira tortilla no próximo final de semana!

Parabéns uma vez mais!

Neide Rigo disse...

Caros leitores,
A Bia está certa, no sábado comprei um moedor da marca Guzzo no Mercado da Lapa. Aí sim vale a pena. Esqueçam moedor de carne e processador. O resultado não se compara com as tortilhas feitas com o moinho certo. Veja lá no post http://come-se.blogspot.com/2011/03/tortilhas-com-milho-nixtamalizado-o.html

Um abraço, Neide

Marisa Ono disse...

Estou fazendo! Cruzando os dedos. Tenho um moedor elétrico que, de um lado, mói carne. Do outro lado, é um moedor de café-pimenta-etc. Vamos ver se funciona...

Marisa Ono disse...

Bem, começou errado para dar certo. Primeiro que a quantidade de cal não bastou para deixar a película mais fina, macia. Moí um punhado e ficou uma coisa estranha, cheia de fiapos duros. Voltei a cozinhar com mais cal e aí sim, a película gelatinizou, ficou fina, molinha, quase se desmanchando.
O moedor elétrico para café-pimenta-etc não funcionou. Entupiu e só moeu um punhadinho, bem fino. Como já estava com a mão na massa, acabei moendo no moedor de carne, com uma chapa com buracos bem pequenos. Mesmo assim, precisei passar 3 vezes para que formasse uma massa maleável, com uns pedacinhos visíveis. Deu para abrir bem fino e fazer as tortilhas, que não ficaram duras nem quebradiças. Vale temperar a massa com um pouco de sal? Deixei boa parte da massa na geladeira, vou fazer amanhã.

Neide Rigo disse...

Marisa!
Você vai ver a alegria que é fazer as tortilhas com o moinho certo. Você tinha pesado a cal? Dissolveu bem? Bem, pode ser que o seu milho estava mais durinho mesmo. Vale sim juntar um pouco de sal.
Beijos, N

fábrica de salgados disse...

Eu quero!!!!!

Papilles Mentales by C@t disse...

Adorei o post! Eu desconfiava que existia um pulo do gato. Usar cal virgem eu já sabia para doces em calda, até tenho um pouco em casa.
Eu pesquisava e sempre lia farinha de milho, o que eu achava estranho, pois não dava textura para abrir fino. Vou tentar no moedor de carnes.
Obrigado e beijos.

M & M Semi- Joias disse...

ameii o post! soy de Honduras y vivo aqui en Brasil... estoy estudiando Ingenieria de Alimentos, y en una clase tengo que hablar sobre nixtamalizacion. O post me ajudou muito para fazer o trabalho da faculdade! OBRIGADA!

André Coelho disse...

Neide,
você usou daquele mesmo milho que a gente dá pra galinha?

Outra coisa: será que dá certo fazer tortilha com canjica amarela usando o mesmo processo?

Valeu!
Um abraço!

Consuelo Torres disse...

Yo vivo en Brasil a 5 años casi, y compre ayer ese molino que estas buscando aqui en santos me costo R$155 reais, se llama molino para cereales. Ahora mismo hice mi primer nixtamal. vamos a ver solo que tengo una duda no se si tus amigas mexicanas te dijeron algo sobre eso. Pero yo le puse cal hitrada (para revoco e construçao) sera que habra algun problema? ¿Tú que crees?

Neide Rigo disse...

Consuelo,
o melhor é comprar cal destinada a alimentos, em casas de festas e artigos para doces. A cal para reboco não é tratada com o cuidado necessário para produtos alimentícios.
Um abraço, N

weleni aga disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
weleni aga disse...

Ola, gostei muito da receita, contudo, o cal utilizado na mesma é o mesmo encontrado em casas de construção ou é um tipo específico, e ainda onde posso encontra-lo? Obrigado.

Michel Cantagalo disse...

Eu tenho um moinho destes mexicanos... vou procurar uma fundição e tirar umas cópias dele.. ai te dou um! abs

Neide Rigo disse...

Michel,
veja o que tem lá no final do post: "Nota pos-post: encontrei um moinho igualzinho ao mexicano, da marca Guzzo, no Mercado da Lapa. Veja em detalhes no post:http://come-se.blogspot.com/2011/03/tortilhas-com-milho-nixtamalizado-o.html"

Eu já tenho o moinho certo. Tem pra vender no Mercado da Lapa e outros lugares. Deixei o nome da empresa no post.

Obrigada, N

Roberto Chileno disse...

Olha que massa esse video de como fazer o milho.
http://www.youtube.com/watch?v=xqbTICHZqW4

Anônimo disse...

Oi Neide,
Como faço as tortillas yucatecas, que são mais brancas e acizentadas?

Pagnota disse...

Oi Neide, que tipo de milho você usou e onde posso encontrar? Será que esse processo funciona com canjica amarela?

Sarah disse...

Olá Neide! Encontrei esse post por acaso, buscando uma receita de tortillas "manual". Acabo de chegar de um intercâmbio acadêmico que fiz na Cidade do México, 5 meses foram suficientes para eu me apaixonar por esse acompanhamento indispensável e delicioso. Agora só falta eu ter tempo e paciência para preparar hahaha e obrigada pela dica do moinho no Mercado da Lapa, moro lá perto e vai ser fácil encontrar xD

Obrigada!!!

Anônimo disse...

Olá Neide
Nem acredito que seja verdade n , este post.
Era tudo o que eu queria aprender a fazer, conheci estas tortilhas no Mexico e me apaixonei,
Sinto saudades deste sabor
Vou fazer hj mesmo e te conto como ficou
Muito obrigada

Rosi - Florianopolis

Mauro Rocha disse...

Com este milho amarelo não ficou legal.
Tente fazer com milho branco degerminado o mesmo que usamos no Brasil pra fazer canjica grossa. É o milho ideal para tortilhas mexicanas e arepas venezuelanas. etc http://bit.do/bcKNA

Neide Rigo disse...

Mauro,
foi só o moinho que não estava certo. Mas fiz com o mesmo milho que aprendi a usar com as amigas mexicanas. Elas levaram milhos mexicanos amarelos iguais a este. Veja neste post, as tortilhas feitas com o moinho correto: http://come-se.blogspot.com.br/2011/03/tortilhas-com-milho-nixtamalizado-o.html

Ainda vou testar com os milhos de canjica. Obrigada,

Neide Rigo disse...

Mauro,
há canjica inclusive amarela, fácil de encontrar - eu prefiro tortilhas amarelas. Mas o problema é que todos estes milhos são transgênicos. Agora tenho meu próprio milho (semente crioula) que cultivo para estas coisas.
Um abraço,n

Michélle De Patta disse...

Bom dia, Neide!
Que beleza, tanto conhecimento e simplicidade na arte de utilizar tudo o que temos disponível na nossa rica natureza. Parabéns!
Uma dúvida: o milho - pipoca, canjica - que encontramos nos supermercados é transgênico, certo? Se não temos a semente crioula, melhor não comer milho ou comer assim mesmo, desde que nixtamalizado?
Grata, forte abraço,
Michélle.

Neide Rigo disse...

Michélle,
sim, o milho do mercado, hoje, é quase todo transgênico. O melhor é comprar orgânico.
A nixtamalização não faz com que um milho transgênico deixe de sê-lo. E a questão não é só nutricional, mas ambiental.

Um abraço,n

Michélle De Patta disse...

Entendi, é lamentável. E concordo.
Obrigada e tenha um ótimo dia, ótimas idéias, ótima comida.
Forte abraço.

Michelle Medeiros disse...

Neide, o milho não pode ser fresco? Beijo!