quinta-feira, 27 de maio de 2010

Uma prensa nas coisas chatas


Chapati, pão chato indiano. Basta selar na chapa quente dos dois lados e passar no fogo para estufar

Coisa chata é reforma, reforma de telhado, troca de caixa d´água, gente entrando, cachorra latindo, cheque saindo. Mas quando a casa está em silêncio é que é bom ir pra cozinha brincar de sujar, bagunçar, arriscar e prensar. Hoje tirei miolos de galinha, experimentei a liga da farinha para acaçá, aferventei a passarinha, fiz caldo de carçaça de frango, desfiei a carne do pescoço, colhi orelha-de-padre para o arroz do almoço, fiz massa de pão de queijo meia cura, comprei ingredientes para umas receitas que estou desenvolvendo para um cliente, passei na Veronika pra levar um presente, estou fazendo bolo de uva japonesa e não sei o que vai ser do jantar.
Até escrever isto, parecia que o dia tinha passado vazio, só resolvendo pepinos de reforma, mas até que não. E o mais gostoso foi brincar de achatar massas na prensa que ganhei do leitor de velha data, Felipe Santiago, também ótimo cozinheiro.
Ele esteve no México recentemente, comprou uma prensa metálica para suas tortillas por ser mais leve, mas ficou de olho mesmo foi em uma de madeira, mais rústica e antiga, que permite tortillas maiores. Criativo, de vez em quando me conta de seus engenhos, como um maçarico ligado ao bujão de gás ou a frigideira furada para spatzle, que viu aqui no Come-se. Desta vez ele observou o desenho da prensa (vi uma igualzinha na casa da Lourdes Hernandez), chegou aqui, pegou as medidas num site e mandou o marceneiro fazer. E, surpresa, mandou fazer uma para mim também. Quando saiu a matéria de tortillas no Paladar, a prensa já estava a caminho.
Quero voltar a fazer as tortillas com fubá de canjica (só quando alguém me trouxer de Minas). Por enquanto fiquei prensando outras massas, como o chapati, o pão chato indiano, que fiz misturando farinha integral com iogurte, sal e só. Fiz também com farinha branca. E arrisquei até a fazer uma com canjica cozida no vapor, destas compradas prontas, batida no processador. A massa deu liga, mas muito frágil. Testei também com a farinha de acaçá, que é um fubá de canjica, mas não deu nenhuma liga. Uma delícia achatar massas com o instrumento certo.
Mesmo tendo procurado prensa para comprar em mercados populares no México, Felipe diz que não foi fácil encontrar, assim como não é em todo lugar no Brasil que se encontra moedor de café de manivela. Veja parte do email dele: Não foi difícil encontrar a prensa por lá (México) pois tive a sorte de ir diretamente a um mercado popular em Coyoacán, porém foi o único local que encontrei e somente de um modelo. Questionei a uma guia turística sobre o porquê e ela me disse que é tão comum comprar tacos na rua que ninguém se importa de fazer em casa, que ela própria não tinha. Achei que fazia sentido, pois dificilmente vamos encontrar em qualquer canto um moinho "à antiga" para moer café (faço assim em casa) ou uma máquina para fazer macarrão. Somos raros, não?

Por isto, para quem quiser encomendar uma destas prensas para algum marceneiro ou para o que fez esta da foto, é só pedir que o Felipe passa as medidas ou o contato do profissional.





O Chapati também estufa na chapa quente. Fui fazendo e nhac com manteiga

17 comentários:

vpaulics disse...

reforma, é reforma... não há muito que se possa fazer. posso oferecer o silêncio da casa daqui deste lado do mundo. a cozinha é vasta.
quanto ao seu dia, adoramos a fôrma nova. fizemos os pães de polvilho com queijo. comemos todos.
tenho um livro tradicional de receitas brasileiras. depois desta comparação entre as duas receitas para a mesma coisa, pensei que você bem poderia fazer uma revisão técnica do dito livro...
beijo. v.

Claudia disse...

Neide,

olhe, veja bem, sou em geral sou uma dona bem comportada, mas uma piadista em tempo integral e não deu para não te levar para o duplo sentido...

deixe-me ler mais uma vez: "hoje tirei miolos de galinha, experimentei a liga da farinha para acaçá, aferventei a passarinha, fiz caldo de carçaça de frango, desfiei a carne do pescoço, colhi orelha-de-padre para o arroz do almoço" ahhhh, sim....(risos!)

Santo Bussunda sabe o valor de uma boa piada.

Achava que chapati estava mais para afegão/paquistão do que para indiano já que minha vizinha afegã (exilada) faz deles sempre e assa numa churrasqueira que eles mantém no jardim. É pão que se come no Afeganistão há mais de mil anos diz ela. Eles comem com uma manteiga derretida, mas dá para comer com manteiga de garrafa.

Perdão pelas risadas que dei com tuas atividades, mas você estava pedindo!

Bj,

C.

Beijos,

C.

Neide Rigo disse...

Veronika, que bom que gostou da forminha. Por aqui também teve pão de queijo com café há pouco para os pedreiros.

Claudia, depois que escrevi foi que vi o absurdo de tudo, mas o pior é que foi a pura verdade. India e Paquistão tem muitas comidas similares. Comi quente com a manteiga que derreteu por cima dele, uma delícia. beijos,n

Ana E.G. Granziera disse...

Neide,
estou indo pros EUA e uma das coisas que vou trazer de lá é um "tortilla presser", um trambolhinho de ferro fundido, manualzão, que faz exatamente isso. :) Quando vi o bicho na internet, gamei, porque ninguém merece abrir tortilla e chapati com o rolo de macarrão, né?
Mas adorei essa versão de madeira!
:D

bjs

felipe disse...

Neide,

Adorei a homenagem. Este presente não é nada coparado ao conhecimento que você nos proporciona. Com todo respeito aos blogueiros que se dedicam a ampliar o nosso universo gastronômico, aos quais sou muito grato, o seu blog é "hors-concours", com sabor Brasil.
Um forte abraço

clau disse...

Belos chapatis, estes seus, Neide!
Qdo estava ai em SP eu fazia sempre com a ajuda da minha filha, que sabia cozinha-los direitinho no bico do fogo.
Eu mm, nunca consegui chegar a isso, e sò fazia mm a massa...
Bjs!

Gilda disse...

Ai meu Deus! Mas será que não aparece um leitor aí de Minas para mandar de presente um pacotinho de fubá de canjica para a Neide, querida, que nos dá tantas receitas e idéias preciosas? Em BH tem no mercado central. Eu só vou lá no segundo semestre, está muito longe. Por favor, gente! Ela ainda vai fazer experiência e repartir conosco!

Neide Rigo disse...

Ana, deve haver prensas linda. Eu só conheço ao vivo a de alumínio. Mas também vi em sites umas de ferro, bem bonitas. Boa sorte na compra!

Clau, estou bem longe de fazer belos chapatis, mas agora com uma prensa dela chelo lá.

Gilda, não foi nenhuma indireta que dei, não. Sei que uma hora ou outra algum amigo vai pra BH e me traz o tal fubazinho. Mas obrigada pela preocupação rss.
beijos, N

thereza disse...

oi amigos me senti em casa ,tb gosto de tudo isso .
gostaria de ter as medidas da prensa.muito obrigada

Roselei Strassburger disse...

Neide,
sempre tenho imenso prazer em te ver aqui, na rua, e ainda mais qdo passo no teu blog. Realmente e de verdade, as informações que colocas são claras, cheias de energia boa e dificil de se sentir no dia a dia. Vou comentar com meu marido a receita do pão chato indiano. Preciso procurar o pão etiope que comi a muito tempo atrás, regado com vinho de mel. São memórias gastronômicas que não se pode esquecer.
Beijos e obrigada pela sua amizade. Nâo sabes a diferenças que isso faz desde que moro aqui, em SP!!!

Neide Rigo disse...

Thereza, por favor escreva para o meu email (neide.rigo@gmail.com), que eu lhe passo.

Rose, obrigada! Fiquei com desejos deste pão etíope com vinho de mel! É bom ter você como vizinha. E graças à sua mãe, hem.., beijos, n

jussara disse...

bom dia neide, adorei a prensa de madeira, como faço para conseguir medidas tipo de madeira, pretendo usa-la para fazer tortilas e abrir a massa de eshiha assim ficarao do mesmo tamanho e terei menos trabalho, muito obrigado meu nome e jussara e meu email e jussaraxavier21@gmail.com aguardo anciosa a resposta

o grafico s.a. disse...

Neide,
duas perguntas:
para fazer as tortillas ancestrais mexicanas, o unico meio de achatar a massa é usando uma prensa, ou é possível improvisar?;

caso não, ou de qq forma, gostaria de saber mais informações sobre como fazer uma prensa. não encontrei o contato do Felipe Santiago. a indicação de um profissional seria tb bastante importante.

obrigada, obrigada,
abraços

Eric Willian disse...

Gostaria de encomendar uma prensa, como faço?

Inês Amaro disse...

Ola!!
Ando à procura de uma prensa de madeira,mas para poder fazer em casa......mas n tenho medidas e gostaria de saber se me podia enviar as medidas p eu poder fazer uma.

Bjs e obrigado

Eric Willian disse...

Oi Bloggeiro(a), nós queremos prensa, queremos prensa, queremos prensa, queremos prensa! :) Responde a gente :)

Anônimo disse...

oi Neide, a cada "fuçada" no blog descubro um mundo novo e esta prensa é um deslumbre, eu tenho maquina de fazer macarrão, eu gostaria de ter medidas da prensa será que eu consigo fazer mini pizza com ele?? eu tenho um forna a lenha modelo abóbora e faço pizza para a minha família mas no rolo de abrir massa dá uma trabalhão danado...
bjuss
elisangela b rotta/ campo grande/ms
elibrotta@gmail.com