terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Os gaúchos chegaram com presentinhos. Ou Pão de Mandioquinha.


Prato do Rui Gassen, aquele dos balagandãs
Deixei o pão assando e o almoço adiantado antes de ir buscar nossos amigos gaúchos de Porto Alegre, Rui Gassen, Mariângela e Laurinha, no aeroporto. Velhos amigos dos quais já falei muito aqui. Nos conhecemos pessoalmente tem menos de um ano, mas já virou amizade de infância. Estivemos duas vezes com eles em Porto Alegre (na casa deles, diga-se) e agora vieram retribuir a visita. Iremos juntos a alguns lugares por aqui e depois a Fartura. Na mala, um monte de presentinhos: mais butiás congelados; ovas de dourado do mar, do Espírito Santo; mel de florada de uvaia e de cambará; geléia de lulo; arroz do Seu Juarez, queijo quark, suco de butiá e de figo-da-índia e uma linda cerâmica. Aliás, posto aqui a receita do pão de mandioquinha só pra mostrar o prato feito pelo Rui exclusivamente para os meus pães. Lindo, com raminhos de trigo. E eles nem sabiam que o pão estava aqui fresco e pronto para estrear o suporte. E ser coberto por queijo quark, nhac!
Nestes dias talvez venha aqui mais rapidamente, pois passeando estarei!
Pão de mandioquinha
Ingredientes
500 g de mandioquinha (batata-baroa) cozida no vapor até ficar macia e resfriada
3 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (sopa) de sal
2 ovos
1 xícara de água morna
1 colher (sopa) de fermento biológico seco misturado com meia xícara de água filtrada
Cerca de 1 quilo de farinha de trigo
100 g de manteiga sem sal em temperatura ambiente ou gelada e ralada
Modo de fazer: no liquidificador bata a mandioquinha com o açúcar, o sal, os ovos e a água morna. Coloque numa bacia grande junto com o fermento hidratado. Junte, aos poucos, mexendo com uma colher de pau, a farinha. Quando a massa ficar dura, junte a manteiga e mexa para incorporar. Termine de juntar farinha de trigo, sempre aos poucos, amassando agora com as mãos, até resultar numa massa lisa, que não gruda mais. Cubra com plástico ou pano e deixe crescer até dobrar de volume. Divida a massa em quatro partes e, numa superfície polvilhada de farinha, abra com rolo um retângulo comprido. Enrole como rocambole e coloque em assadeiras untadas com manteiga e polvilhada com farinha de trigo. Deixe espaço de uns 10 centrímetros entre eles. Quando a massa do pão modelado tiver novamente crescido, polvilhe com farinha (uso sempre uma peneirinha fina - não precisa polvilhar nada, é só frescura) e leve ao forno pré-aquecido bem quente. Deixe assar por 10 minutos, abaixe a temperatura para baixa e deixe assar mais 50 minutos ou até que o pão fique dourado.
Rende: 4 pães
Não deu tempo de arrumar a bagunça do escritório, mas, com certeza, serão dias felizes!

15 comentários:

Silvia - BH disse...

Que boa amizade! E como sou mineira da roça, entendo bem levar umas coisinhas quando se visita alguem! Aproveitem muito!

anabela martins disse...

Será que posso fazer este paozinho com Mandioca, uma vez que aqui em Portugal, mais propriamente no Porto onde vivo nunca encontrei batata baroa? Obrigado um abraço. anabela

Anônimo disse...

Olá Neide,
Final de semana passado fiz a sua receita de pão de banana figo e foi sucesso total. Um grande abraço para você e para o Rui que conheci, através do blog, em dezembro passado.
Zé Carlos

Ana disse...

Neide:
Revi seu post do arroz do "Seu Juarez". Domingo passado o Globo Rural reprisou uma entrevista especial sobre o arroz vermelho da Paraíba:
http://globoruraltv.globo.com/GRural/0,27062,4370-p-20090215,00.html

Boa viagem para vocês,também iremos pra Brotas e quando passarmos no trevo que vai a Fartura lembrarei de todos, desejando um excelente passeio.

Beijo grande e diga para a Laurinha que adorei as comidinhas que ela fez para a Perdita.

Rubén disse...

Prezada Neide, boa tarde.

Olha, por favor, gostaria de perguntar a diferença entre o polvilho doce e o azedo, e para que serve cada um.
A dúvida surge a partir de uma pergunta de minha amiga Cristina.
Grato,

Abraços!

Rubén Duarte

Marly disse...

Olá, Neide,
Por falta de tempo não posso vir aqui mais vezes pois essa sua cozinha é deliciosa!
(e esse pãozinho? nhac, nhac, nhac,
nhac!)
Abração!

Marly disse...

Desculpe,
Na pressa engoli a expressão "É lamentável que, por falta de..."

Neide Rigo disse...

Anabela,
certamente poderá usar a mandioca ou mesmo a batata.

Oi, Rubem! Tenho dois posts sobre isto: http://come-se.blogspot.com/2008/06/mais-paladar-brasileiro-e-radiografia.html
e http://come-se.blogspot.com/2007/12/da-mandioca-tapioca-e-ao-polvilho.html.
Um abraço,
Neide

Neide Rigo disse...

Ana,
eu vi a reportagem. E aquele arroz com leite deve ficar muito bom. A Laurinha agradeceu.
Beijos,
N

Laurinha disse...

Neide, já fiz o pão 2 vezes... provado e aprovadíssimo aqui em casa!
Super obrigada!

Só uma dúvida: pq adicionar a manteiga gelada, no final?
Neste calorão, foi difícil... :DD

Beijinhos

Neide Rigo disse...

Oi, Laurinha! Que bom que deu certo. Acontece que eu havia digitado "temperatura ralada"!! em vez de "temperatura ambiente". Ou seja, não precisa estar gelada. Mas, se estiver, basta ralar, que vai dar no mesmo. Colocada no final, o glúten se desenvolve melhor (foi dica do Olivier Anquier num workshop que fiz com ele) e o pão fica mais macio. Mas quando estou com pressa, coloco junto com os outros ingredientes e também dá certo. Beijos, N

Laurinha disse...

Obrigada, linda!
Li tb, alhures, que o sal tb deve ser colocado no final da sova... justamente para não 'perturbar' o desenvolvimento do glúten...
Bjus!

Nadia disse...

Oi, Neide! Adoro seu blog! Estou sempre pescando umas receitas aqui, umas dicas acolá, mas agora vim fazer um pedido: dá pra fazer essa receita na máquina de pão? É que agora que comprei uma ando com muita preguiça de botar a mão na massa...
bjs
Nadia

Neide Rigo disse...

Nadia,
a massa dá pra ser feita na máquina, sim. No modo "massa". Na hora de moldar e assar, faça do jeito tradicional que fica melhor. Na minha máquina (Oster) eu consigo amassar esta quantidade ajudando um pouco com a espátula, no começo. Mas se sua máquina for de outro modelo, melhor seguir as recomendações do fabricante quanto ao peso da massa (é só reduzir os ingredientes). E se quiser assa na própria, deve dar certo também.

Um abraço,
N

Anônimo disse...

meu nome é Anny, hoje conheci o Phitalis e descobri na internet que cura muitas doenças cronicas, ele, vitamina, vai que cure o Lupos? será? com certeza irei cultivar e comer muitas por dia