segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Compota de Jaracatiá


Estes são da Serra do Mar, numa reserva de índios Guarani

Sobre o jaracatiá, já falei neste post: Jaracatiá, a tâmara dos trópicos (com endereço de onde encontrar a muda).
E falei um pouquinho dele também quando contei da oficina na Aldeia dos Guarani.

Não me perguntem onde se compram os frutinhos porque eu não sei. Ganhei um saco deles já preparados (aferventados e sem sementes) e congelados. Foi só cozinhá-los em calda que perfumei com folhinhas de laranjeira. Presente da minha amiga e agora líder do Convivium Slow Food Piracicaba, Evanilda Perissinotto Prospero, que vem defendendo a frutinha do risco de desaparecimento. Na região de Piracicaba, ele ainda pode ser encontrado em estavo selvagem, especialmente em São Pedro, onde é considerado fruto típico da cidade.

A preparação inicial inclui deixar a fruta partida por duas horas de molho em água limpa. Depois disso, tem que tirar as sementes – como as do mamão, e levar ao fogo com nova água e deixar até levantar fervura. Escorra bem e use (ou espere esfriar e congele para usar mais tarde).

A Evanilda ia me explicar como fazer a compota, mas foi a Terra Madre, na Itália e eu não quis importuná-la. Fiz do jeito que achava que devia e deu muito certo também. Ai está:


Compota de jaracatiá

1 quilo de frutinhas já pré-preparadas (cortadas ao meio, deixadas de molho em água fria, escorrida, fervidas por 1 hora em outra água e escorridas – como explico aí em cima)
800 g de açúcar
2 litros de água
Folhinhas de laranjeira para perfumar

Coloque todos os ingredientes numa panela e leve ao fogo. Deixe cozinhar até os frutos ficarem macios e formar uma caldinha densa. Cerca de 1 hora em fogo médio.

Se preferir, junte cravo e/ou canela (mas acho que mata o sabor do jaracatiá que é bem discreto). Ajuste a quantidade de açúcar ao seu gosto (mas, quanto mais densa e em quantidade que cubra os frutos, mais tempo dura a compota). Guarde na geladeira. Sirva com sorvete, com queijo cremoso, queijo fresco ou creme. Se quiser, escorra bem, pique em cubinhos e use como fruta cristalizada.

Rende: 10 porções

6 comentários:

Dricka disse...

Esse eu não conhecia.
Toda vez que venho aqui e encontro essas coisas tão nossas tenho vontade de comprar um sitio e iniciar uma plantação tipicamente brasileira.Quem sabe um dia.
Bjs

clau disse...

Neide: as vzs me parece que vc saltou fora diretamente do livro "Reinaçoes de Narizinho", do Monteiro Lobato!
Pq vc aparece com estas coisas que, para mim, se revestem de um que de magico, de encantado. E que com estes nomes todos, entao, tem um apelo quase que folclorico, poetico até.
E acho tudo isto muito legal, mm tendo a certeza que nunca toparei com um Jaracatià em minha vida...!
Hihihi.
Uma boa semana para vc!

Lice Camargo disse...

Realmente. A compota do Jaracatiá é uma delicia. Sou de São Pedro e apreciamos muito este fruto por aqui. Dizemos que o come, se torna um filho de São Pedro :) Legal saber que o fruto é reconhecido assim :)

samuel disse...

Olá Neide.

Meu TCC é sobre a semente do jaracatiá, e estou com dificuldade para encontrar algumas coisas. você por gentileza, possui algo sobre onde há plantação de jaracatiá, qual o preço que ele pode ser vendido, se ha exportação da fruta ou não, ou se tiver qq outra informação tambem será bem vinda.

Obs: minha familia é de Torrinha-Sp e minha mãe faz o doce e fica muito bom mesmo e como minha m~ãe faz o doce minha intenção é aproveitar ate a semente da fruta, para extrair seu óleo. espero que de td certo.

fico no aguardo de alguma novidade.

beeijos

e obrigado.

Neide Rigo disse...

Samuel,
posso lhe passar o contato de um pessoal de Piracicaba. Escreva pro meu email: neide.rigo@gmail.com.
Minha avó nasceu em Torrinhas!
beijos, N

http://facetshirt.blogspot.com/ disse...

Olá boa tarde a todos..
eu gostaria de saber se alguém me consegue vender umas 100 sementes de Jaracatiá..
gostava de semear aqui nuns vasos da minha varanda..
aguardo resposta, o meu mail é:
marcyoandry@hotmail.com
obrigado
Márcio