terça-feira, 19 de março de 2013

Sobre mangas

Mangas papo-de-rola e pingo-de-ouro, de Salvador
Nem parece muito apropriado falar de mangas neste momento, quando as melhores já se foram. Claro, no mercado ainda temos as de sempre, keitt, haden, palmer, tommy (não vou me dar ao trabalho de conferir a grafia), que se fingem de morta quando todo mundo sabe que a estação das mangas já passou. 


Mangas ubás (as menores) e sapatinho, as demais, presentes do João

Mas em janeiro escrevi sobre elas para minha coluna no Paladar e um leitor mineiro do caderno me escreveu corrigindo. "Prezada Neide Rigo, tomo a liberdade de informá-la que você cometeu um pequeno equívoco na sua coluna de hoje, no caderno Paladar. Na realidade, a manga que a gente massageia, faz um furinho na ponta com os dentes e chupa o sumo é a sapatinho, que tem fibra que nem corda de sisal. A espada, rainha de todas as mangas, não tem fibra e seu sabor só é confrontado com o da ubá, que pode ser chamada princesinha de todas as mangas, até pelo seu tamanho diminuto.". 

Pois eu, ignorante, chupava mesmo a espada apertando, não conhecia ao vivo nem a sapatinho que parece ser mais apropriada. Nem a ubá, da qual falaria no email seguinte, que é mais de comer. "Neide, realmente a casca da sapatinho é mais grossa, mais flexível e ela tem muito mais sumo do que a espada. Mas tem de se tomar cuidado ao apertá-la para a casca não se romper. Infelizmente não existem mais as sapatinhos nas barracas das feiras e gôndolas de supermercados. Nesse fim de semana vou tentar encontrar algumas em fazendas de parentes e amigos e mandá-las para você. Entro em contato se tiver êxito na empreitada. E a ubá, você conhece? Ela domina os manguezais da Zona da Mata mineira, onde encontra-se uma cidade que leva o seu nome e que é vizinha a Cataguazes, imortalizada pelo modernismo brasileiro pelas mãos do genial cineasta Humberto Mauro".

Brotos das manga ubá e sapatinho, presentes do João,  já foram pra Piracaia


O fato é que João Bosco me mandou uma caixa de mangas misturadas, ubás e sapatinhos. Uma gentileza sem fim, que eu não soube como retribuir. E ele tinha toda a razão. A sapatinho é muito melhor para se chupar apertando, a casca é mais resistente e flexível que a espada. Mas as duas se prestam a isto. E o sabor da sapatinho é muito bom, ligeiramente ácido. Já a ubá é incrível, tem massa cremosa, com pouca acidez, muito doce, sem fibras - pode ser mordida sem deixar fiapos nos dentes ou no caroço. 


Saindo das mangas mineiras e indo para Piracaia, nos deparamos com dois pés de mangas carregados. Um num vizinho mais próximo, onde temos comprado leite e ganhado nata. Outro, no mineiro onde comprei queijo. Os dois me disseram que foi a primeira vez que os pés carregaram tanto. 

Nossas mangas de Piracaia





Nossas mangas abertas

Na nossa chácara havia poucas fruteiras quando chegamos lá. Alguns araçazinhos bem jovens, uma pitangueira doente, uns ingazeiros, alguns cítricos doentes, um abacateiro vistoso que passava o meu tamanho mas que foi cortado pelo antigo caseiro antes de sair por conta própria (as pequenas vinganças) e uma mangueira quase na frente de casa que não se manifestou quando deveria ter flores. Mas nesta última estação, floresceu e uns frutinhos  vingaram. Eu fiquei chocando aquelas manguinhas escondidas sob as folhas todo final de semana. Até que Marcos resolveu podar a mangueira porque estava com galhos muito baixos. Não se lembrou que ali se escondia um cacho de mangas. Quando percebi, corri pra conferir se as manguinhas se foram junto com a poda. Consegui recupera-las e trouxe pra casa (sim, claro, discutimos por isto). Estavam granadas e talvez tenham sido colhidas à revelia da chocadeira na hora certa. Pois quando percebi que estavam mais macias e com a casca alaranjada, abri e tive uma surpresa. Estavam super coloridas, cremosas, macias, doces, perfeitas, colhidas no momento certo. Eu, que não conhecia manga ubá, acho agora que são as próprias. Neste último final de semana chegamos à chácara e encontramos uma cacho de banana ouro e mudas de manga e outras plantas, presentes do novo caseiro (parece que agora acertamos). E foi ele quem nos contou que em Piracaia nunca dava manga, porque nunca coincidia de ter uma situação climática perfeita na época da floração, sem chuvas. Neste ano, tudo conspirou a favor e os felizes proprietários de mangueiras se esbaldaram. Até eu, graças à colheita do Marcos, pois se as frutas não fossem colhidas naquele momento talvez tivessem ficado aos periquitos que já sondavam a árvore. 


Manga papo-de-rola


Mangas pingo-de-ouro
Indo pra Salvador, experimentei mangas pingo-de-ouro e papo-de-rola. Uma mais ácida e fibrosa e o papo-de-rola, que lembra a ubá, mais cremosa, sem muita fibra. Agora, é esperar pela próxima safra.








14 comentários:

Anônimo disse...

Neide, não sei separar muito bem espécies de mangas, a não ser a que conheço como espada, mas lá em casa tem dois pés de espécies parecidas mas completamente diferentes no sabor e, como esse ano elas carregaram, muitas caíram e brotaram. Vc quer mudinha? se quiser, me mande e-mail com endereço para onde enviá-las (belvinhaes@hotmail.com). Tenho também sementes de uma alface que meus pais e avós cultivam há muito tempo e que eles chamam de alface de sombra roxa (é mais dura que as alfaces do mercado, própria para fazer uma sopa, que na nossa família é cultuada), está na época de plantar, se vc quiser me informe no e-mail. Ah! tenho mudinhas de nêspera, também. Abç
Izabel

Obdulia Belmonte disse...

Come eu gosto de ler seus textos, muito bons. Parabéns!

Anônimo disse...

Neide, no sítio de meus tios no Paraná há uma manga saborosa, pequena e sem fiapos, muito doce. Sempre que trazemos para casa, planto os caroços e presenteio as mudas. Infelizmente, nunca fiquei sabendo se frutificaram ... (não doamos as mudas com a intenção de receber os frutos, né?). Este ano ganhei uma manga docinha, sem fiapos, de um feirante. Plantei o caroço e a muda está crescendo. Vamos ver como ela se desenvolve. Bjs, Liliana.

Sandra Batista disse...

Adoro mangas, obrigada por toda a informação!
Bjs

Gabi disse...

Gostei muito da história das manguinhas :)

Mas confesso que meu coração deu um aperto qdo li sobre o abacateiro :( que coisa mais triste e feia. Que ele brote logo, cresça bem e consiga dar abacates para alegrar a vc e a nós, com os textos a respeito da evolução dele.
Eu realmente tive vontade de chorar agora... :'(

Gilda disse...

Neide, não fique triste não. Abacateiro nasce igual chuchu. Minha tia plantou uma mata só atirando caroços a esmo e o quintal vivia cheio de micos. Além disto é preciso ter dois tipos diferentes senão as flores não cruzam e os pés não produzem. Você teria que plantar outro de qualquer modo antes de colher alguma coisa.

Dalva Tupinambá disse...

Neide, nunca ouvi falar da manga sapatinho nem ubá. Amanga que quando criança eu chupava apertando e como se fosse chupeta era a coquinho. A espada eu me lembro dela com fiapos e a burbom não tinha fiapos, deliciosa!
Mas o que me deu água na boa quando li a edição sobre as mangas é que você fala dos araçás e ingázeiros.... ah meu Deus,como araçá é gostoso!Estes dias aé pensei em colocar no facebook que estava com desejo de comer araçá e quem sabe algum amigo tinha em casa... e vejo você falando disso.A coincidência só me faz ficar firme em ir atrás do araçá.Lá em Águas da Prata tem uma casa que tem um pé no jardim...não demoro muito apareço por lá.
Abração

Profª Doralice Araújo disse...

Quanta fartura de informação sobre as mangas, Neide! Vir ao Come-se é aprender um pouco mais, invariavelmente. A-do-ro!

Sou do Pará e ora resido em Curitiba, mas tenho muito viva as lembranças das mangueiras de Belém, sempre apinhadas de frutos. Quando eu morava lá, gostava demais de uma manga pequenina que chamávamos de "mangarito"; era a preferida dos pássaros, também. Era uma espécie de manga tão doooooce...

winebroker disse...

Prezada Neide, temos uma dúvida. Por favor, será que pôde nos ajudar? O Pomelo é a mesma fruta que os norte-americanos chamam de grape fruit? Obrigado! atte Rubén Duarte

Matoso disse...

Prezada Neide ,a manga é uma planta poliembrionica (em um caroço com diversos brotos ,só um corresponde a planta mãe,geneticamente falando ),é grande a diversidade de cultivares no Brasil,e maior ainda os nomes populares destes cultivares.Exemplo :a manga citada como ubá tbem é conhecida como manga jasmin e no centro de Minas como manga pequi.Tbem como o cajueiro que não vingava a florada(matéria anterior ) ,as inflorescencias das mangueiras são atacadas pelo fungo da antracnose e do oidio.Abraços.

Marcia H disse...

Neide,
aqui na Alemanha só chegam essas mangas que sao bonitas por fora e sem sabor por dentro. Clara, minha filha, já está contando os dias para chegarmos a SSA e ela se deliciar com mangas, mesmo já passando da safra boa do verao.

Gabi disse...

Neide, como vc faz para deixar brotar a manga e a batata doce com tanta perfeição? Comprei um gengibre, não usei e ele começou a brotar (assim como o alho). Contudo, depois eles secam, antes de fazer as folhinhas!! Mas os seus ficam perfeitos! Como vc faz?

Valentina disse...

MEnina, amo mangas. Cresci em Belem, no centro e tenho muitas lembrancas de catar manga na rua com meu primo quando na estacao. Vou dar um google para ver qual a variedade que era aquela. Adoro a espada.Agora sapatinho nao conheco. Isto aqui foi uma aula.

PAULO SR - PAULINHO disse...

Bom dia, no meu vizinho tem um pé de manga lotado da fruta ,mas infelizmente não serve para nada só para enfeite rsssss é que a tal da manga é dura que nem pau!!! Saberia me dizer o que acontece??? Obrigado.