quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

De volta do Senegal

Foram intensos os últimos dias do outro lado do Atlântico. A convite da ong francesa Solidarité e da Fongs (Fédération des ong du Sénégal) estive no Senegal por quase 20 dias. Foi a segunda vez neste ano. Na primeira visita, em fevereiro,  ficamos em Dakar, mas agora fomos para povoados menores e só então posso dizer que conheci o país, seu povo e seus problemas mais de perto. O projeto do qual participei, que visa a promover a soberania alimentar incentivando o uso de recursos locais, como millete, sorgo, milho, mandioca e amendoim, beneficiou padeiros e mulheres que serão multiplicadores da ideia de se usar menos trigo importado na alimentação diária. Mas falarei das oficinas em outro post.  


Cheguei em casa ontem à noite um pouco diferente da pessoa que embarcou. É impossível viajar para a parte pobre da África e voltar do mesmo jeito. Não tive acesso a internet na maior parte do tempo, a não ser durante dois ou três noites. No restante do tempo, as condições eram mais ou menos precárias. Ou tínhamos luz ou água ou banheiro. Nunca os três itens ao mesmo tempo. Percebi que sou capaz de muitas coisas e isto me deixa orgulhosa de mim mesma. Consigo ficar 10 dias sem lavar os cabelos, consigo ficar sem saber se hoje é sábado ou domingo - os dias por lá foram corridos, sem nenhum marcador, consigo ficar sem jornal, sem televisão, sem água corrente, sem luz, sem internet, sem telefone. Eu consigo muitas coisas. Mas não consigo esquecer a imagem das mulheres tirando água da profundidade de 50, 60 metros, numa coreografia alegre de seis mãos em alternância de movimentos. E ainda conseguem rir e bater palmas. Ou os barulhos surdos das mãos de pilão que socam ao amanhecer sorgos e milhete para a farinha fina que vira o cuscuz diário servido em grandes travessas para o comer coletivo. Aliás, no Senegal que visitei não há espaços para a solidão, o individualismo e privacidade. A comida, por exemplo, é feita em grande quantidade, no fogo de chão, fora de casa e alimenta muita gente ao mesmo tempo. Prato e talher são instrumentos individuais raros.  Uma só travessa e muitas mãos direitas, é o que se vê. E foi assim que comemos na maioria das vezes.  Nossa pequena equipe de formadores, além de mim, contava com Michel e James, dois padeiros franceses que, além de competentes, são comprometidos com a causa defendida pela Solidarité -  também estiveram em Dakar em fevereiro. Passamos juntos todo o tempo numa harmonia incrível e se há franceses muito legais, generosos, alegres, interessantes e gentis, Michel e James são seus melhores representantes. Ao final de cada dia intenso de trabalho, virou hábito bebermos uma Flag ou uma Gazela, cervejas senegalesas que tomávamos à boca pequena,  longe dos olhares islâmicos. Não por medo de reprovação, afinal éramos estrangeiros, mas por respeito. Contamos ainda com a ajuda de Moussa, nosso querido motorista que gosta de beber Sprite, mas sabia onde encontrar as Flags mais geladas para o fim de dia quente e seco. E, sem a ajuda do meu tradutor Fallou, nem as pequenas frases em francês seriam capazes de me tirar do sufoco nas conversas e cumprimentos em wolof - língua única da maioria das pessoas com quem trabalhamos. Fora as pessoas citadas, havia um batalhão de gente na produção das oficinas - o que não significa que tudo tenha funcionado perfeitamente, afinal, o tempo por lá é outro.  Mas, vou lhe contanto aos poucos sobre esta cultura caso tenha interesse, pois pretendo mostrar no decorrer dos próximos dias um pedaço de tudo o que vivi. E, se na mala trouxe milho pra plantar, bissap seco, baobá, chá kinkelibab, temperos, água de flor de laranjeira, ditax, pilão, tecidos e até djembé, na lembrança trago o sorriso das crianças que, com as poucas palavras que sabem do francês, formavam frases simpáticas dirigidas a mim: bonjour, madame est très gentil, madame est très jolie.


Mas, e aí, leitor do Come-se, continua me acompanhando? Ainda está aí? Ou mudou de canal? Tanto tempo sem notícias. Estava com saudade. 

Dormi numa cabana sozinha e acordei cedo junto com as crianças que
iam para a escola. Simpáticas, todas queriam me acompanhar.  

Moussa, Michel, James e eu, na despedida  - no dia da festa do cuscuz

53 comentários:

Nicole disse...

Querida, bem vinda de volta!
Claro que estamos aqui, ansiosos por ouvir os seus relatos que devem ser, no mínimo, incríveis.

No aguardo e beijos,

Nicole

Carlos Amaral disse...

Seja bem-vinda de volta, Neide!
Estava com muitas saudades do blog e de seus relatos, aguardando ansiosamente seu retorno com muitas receitas, histórias e lições para nos contar!! Aguardaremos as postagens!!! Bjs, e um final de semana iluminado!!!

Patricia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Patricia disse...

Claro que estamos aqui... Alias, sempre visitei o Come-se durante tua viagem. Passava todos os dias de noitinha para ver se havia alguma novidade. Que bom que hoje tem!
Estou ansiosa para ver e aprender com este pedacinho de Senegal dentro de você.
Obrigada e bons tempos
Patricia

Isaac Kojima disse...

Estamos aqui sim.
E esperamos relatos de sua viagem. Mas já desde cedo, queria perguntar uma coisa.
Sei que desta vez, vc não ficou muito na cidade, mas se por algum instante esteve em Dakar ou qualquer outra área urbana, queria saber se vc viu alguma coisa de agricultura urbana.

Ive Luciana Resende disse...

Na escuta... :) E curiosa para saber do resto da viagem.

Mariangela disse...

sempre aqui, o post inicial já tirou o folego,imagino o que está por vir,beijo querida e que bom que foi tudo tão rico e intenso.

david era uma vez... disse...

Ola Neide!!
Quanto saudades Fessôra!
Nossa que viagem linda!! vivenciar coisas assim marcam nossa alma como uma tatuagem em nossa pele; é pra sempre!
Adoro aprender costumes e formas de viver sem a interferência turística. Estava explicando dia desses, sobre esse projeto que vc participa, para uns conhecidos e eles ficaram fascinados com a ideia e vendo isso na prática em um lugar tão carente como esse, percebe-se a a importância dele.

Beijos mestra

Luciana Camuzzo disse...

Oba! que bom que você está de volta! Também continuei lendo o blog na sua ausência e fiz o suco de manga verde com capim limão: uma delícia! Muita curiosidade sobre o Senegal. Beijos!

RUI disse...

Oi Neide.
Que vivência mais legal esta tua.
É bom ver através dos teus olhos sensíveis.
Abraços
Rui

Anônimo disse...

putsss Neide!!! você é demais.... a vida tem tantos lados..que bom conhecermos, por seu intermédio, mais este desse povo

Parabéns pelo trabalho

Fabio Metello disse...

ah esqueci de colocar meu nome nesse último comentário

Anônimo ; Fabio Metello

Priscila Moreno disse...

Eu já disse que sou sua fã? Eu sou. Claro que estamos aqui!

Priscila Moreno disse...

Eu já disse que sou sua fã? Eu sou sua fã! Claro que estamos aqui, e com saudades!

Yara disse...

Estávamos aqui te esperando com muita saudade. E queremos saber tudinho da viagem. Onde você vai plantar o Baobá? No sítio? Um abraço desse sua fã.

Lucas disse...

Estamos a postos e curiosos.
Quero desde já dar os parabéns. Na minha opinião seu blog é o mais relevante da área de alimentação do momento. Estava de saco cheio da repetição dos blogs de foto bonita, receita clonada, falta de conteúdo.

Anônimo disse...

Aiiiiiiiiii que saudades passava por aqui todas as noites , so pra ver se vc havia voltado . Bem vinda a esta cidade doida e maravilhosa ao mesmo tempo . Beijos Denise

Nhanduti de Atibaia disse...

Aguardamos notícias. Há dias!!!
Bom retorno

Graziela disse...

Neide que delicia ler suas palavras, assim ja de cara.
Com certeza estou aqui, para te ler, ouvir e ver; aprender mais com voce e sua vivencia.
Parabens pelo trabalho serio e tao valioso que voce realiza.
No aguardo dos proximos post...
Abracos
Gra

Flávia Tunes disse...

Sentadinha, esperando sua volta.
Agora, esperando você descrever suas impressões e experiências. Sua sensibilidade faz muita falta!

Anônimo disse...

Deixe-me pegar-lhe na palavra:
"Tanto tempo sem notícias. Estava com saudade."
Muito sentido, tudo o que escreveu.
Cá estamos, ansiosos pelas sua experiências.
Um abraço
Manuela Soares

Roberta Sá disse...

Se estou aqui? Claro que sim! Esperando, e visitando de vez em quando, com as expectativas de "será que ela já voltou?", "o que será que veio na mala desta vez?".
Seja bem vinda!!! Com certeza você tem muito para contar - e descansar, porque este ano foi longo e rápido. Beijos

Leticia Cinto disse...

Hahaha... eu tb estava passando todos os dias por aqui, procurando novidades! Bem vinda de volta e conte tudo, por favor! Adorei o começo da história, mais, mais!
Bjs
Leticia

zezémcosta disse...

Ufa que alívio! Vc voltou, sã e salva, e mais esperta do que antes, a vida é imensa não? de quantos jeitos e maneiras se vive, e COMO se vive! Até pensei que eles tivessem te raptado para ficar cozinhando para eles as delícias que vc sabe fazer.O que importa é que vc é nossa novamente, mais um pouco, até a próxima louuuuucura......

Anônimo disse...

Aqui! Presente! Também viajando, mas plugada e clicando no come-se todo dia no aguardo de novidades!!! Belissima experiencia!
Bj
Silvia

Henrique disse...

Estamos todos aqui, saudosos e ansiosos pra saber como foram as coisas, que tipo de produtos vieram em suas malas e tudo mais.
Como é bom abrir o come-se e ver que tem post novo...
Bjs

Silvana Cordeiro de Lima disse...

Neide, sempre serei sua leitora! E que experiência incrível hein?! Abraço!

Ana disse...

Não só estou como esperando ansiosa por tudo que tem pra nos contar e ensinar.
Agora, se disser que vem pra visitar seus pais, certamente vou ficar mais feliz pois quem sabe podemos nos agendar para um encontrinho.

Beijo, bem vinda.

Anônimo disse...

neide, leio sempre e nunca comento, mas hoje faço questão: linda a maneira como você escreve sobre suas experiências! tatiana

Anônimo disse...

Bem-vinda Neide!!! Bom ter você de volta, não mudei de canal, aguardava notícias, tambem estava um tiquinho preocupada, já sabe a minha teoria sobre você comer qualquer coisa que encontrar pela frente. Mal posso esperar pra você contar as novidades, conhecer o mundo através do seu olhar é um privilégio que não perderia por nada. Beijão. Chus

Anônimo disse...

Confesso que estava começando a ficar preocupada com seu silêncio e sua ausência. Só neste post de retorno você já me fez evoluir um pouco mais. Obrigada e bem vinda! Bjs. Izabel

Rita de Cássia Santos disse...

Bom dia, Neide! Como muitos, passei muitas vezes por aqui para saber notícias do Senegal. Seja bem vinda, com todas as energias mais que renovadas!
beijo

Kátia disse...

Neide, a gente só vai embora, um dia, se você mandar. No seu tempo, que agora é outro, compartilhe com a gente os dias preciosos que viveu no Senegal. Mas, mais do que dizer que ficaremos aqui sorvendo o que você tiver pra contar,que será um tremendo privilégio poder viajar para o Senegal nas suas histórias e diminuir um mínimo da ignorância que tenho sobre o país, quero te cumprimentar. beijo

Neide Rigo disse...

Obrigada a todos pelos comentários e palavras carinhosas! Estou feliz de estar de volta, mas ainda estou plena de África e quero dividir com vocês.

Isaac, fiquei em Dakar apenas algumas horas e no último dia pude ir um pouco à praia, já com a roupa de viagem. De modo que não, não pude ver nada de agricultura urbana.

E, Isaac, respondendo aqui o seu email, para que todos saibam, as mensagens a que faço blerg não são de leitores nem de amigos, mas aqueles marqueteiros e auto-promocionais sobre assuntos que já não me interessavam mas que agora me impacientam.

Um abraço, N

Anônimo disse...

Caríssima ,

Estava ancioso pela sua volta , te acompanho há muito tempo e jamais te esqueceria . O seu blog é para mim uma paisagem bonita , um amanhecer orvalhado , um cheiro de terra molhada uma chuva de verão , o cheiro e o barulho do mar; preciso dele pelas manhãs para começar bem o dia . Parabéns pelo seu maravilhoso trabalho . Deus te abençõe . Abraços Caetano . email caetanoac@globo.com

Neide Rigo disse...

Miguel, seu comentário só entrou na minha caixa de mensagem, mas não aqui no blog. Por isto, colo e respondo:


Miguel deixou um novo comentário sobre a sua postagem "De volta do Senegal":

Oi, Neide,

que máximo você já ter voltado ao Senegal! Procurei o netetou na foto e não achei, então continua separado por aqui para quando nos encontrarmos. (Eu também ando na maior correria.)

E pro Isaac, se ele estiver seguindo os comentários: quando eu estive em Dakar, vi alguns terrenos -- longe do centro -- com um bocado de vegetação, quase pequenas chácaras, que tinham pinta de contar com uma horta. Mas não sei se dá pra tratar como agricultura urbana, pois era uma região da cidade pouco urbanizada.

RESPONDENDO: Miguel, ainda não me esqueci da nossa combinação de fazer um jantar senegalês aqui. Agora me sinto mais preparada. Quanto ao netetu, eu trouxe, sim. É um montinho preto ao lado das sementes de milho. Tem um cheiro forte, é uma semente fermentada, pelo que me disseram - mas, vou pesquisar mais. Tem cheiro de nato ou reblochom, uma coisa assim, não muito agradável, mas que é usado para socar junto com cebola para temperar arroz e pescado, por exemplo. Ele tira o cheiro forte de peixe. Obrigada por responder ao Isaac.

Um beijo, N

Sílvia Vieira disse...

Neide, seja bem vinda! Eu entrava aqui sempre para ver se tinha notícias... Que bom que a vida nos oportunidades de descobrirmos novas facetas...Melhor ainda quando descobrimos que podemos ser felizes com muito menos. Parabéns por essa "viagem" de descobertas. E obrigada por partilhar. Forte abraço, Sílvia

angela disse...

Eu confesso que estava preocupada, cheguei a comentar com o marido e ele me perguntou se o Marcos tinha ido junto e não soube responder,pois mesmo viajando vc tem sempre um jeito de dá um alÔ.
Ufa,meu mail não foi deletado, certamente, só mandei um e era sobre poesia minha na rádio! (fui verificar se tinha enviado alguma abobrinha)
Vc me fez lembrar uma amiga jornalista ao fazer matéria em uma favela, chegou em casa arrasada. A filha disse algo assim " não quero comer isso" e a minha amiga: vai comer sim!! com olhos brilhantes. Aí, alguém passou na rua: Dona, tem algum cobertor velho pra dar? roupa velha? ela começou histericamente a jogar várias roupas e cobertas pela janela.

Faz tempo que não falo com ela.. não sei como está hoje:-)
Seja bem vinda com essa mala colorida!

Fer Guimaraes Rosa disse...

Neide, bem-vinda! Estou na expectativa para ler seus relatos de viagem. Que oportunidade e experiencia fantasticas! um beijo,

Viajante disse...

Seja bem vinda querida, estavamos com saudade e ansiosos por saber sobre estes dias que estiveste em Senegal, e quanto a voltar transformada, isso me lo creio de coração, ir a lugares assim nos faz dar uma outra dimensão para os "problema" que temos e para as facilidades também.
Comesse logo com os relatos, porfa....
pode descansar primeiro tá!

Gisavasfi disse...

Neide, seja bem-vinda de volta!
Você fez a viagem que eu sonho fazer desde a minha adolescencia e que, com certeza absoluta, farei um dia.
Assinei a newsletter do Come-se para não perder nada e arquivo, em meu e-mail, as postagens que mais me tocam. Independe da newsletter, sempre acesso o blog para conferir o arquivo.
Parabéns por toda esta disposição em compartilhar, seja aqui, seja acolá.
(Li o texto por e-mail e corri para comentar, rsrsrs)
Bjs

adriana disse...

Seja bem vinda Neide! Adorei o post de hoje como sempre, estou ansiosa para saber mais sobre a sua viagem.
Beijos
Adriana

Isaac Kojima disse...

Talvez o que vc viu em Dakar entre em no que chamamos de agricultura peri-urbana.
E quanto aos e-mails dos marketeiros, a gente manda para a... caixa de spam.

Luis Santos disse...

Neide Rigo, você é uma pessoa que faz deste mundo um lugar melhor...

Anônimo disse...

Seja bem vinda de volta Neide, lhe doamos com muita alegria ao povo do Senegal, tenho certeza que você e a equipe acrescentaram muito a esse povo maravilhoso e que bom que também iremos conhecê-los através dos seus relatos. Todo dia eu vinha fazer uma visitinha no blog para ver notícias suas.
Maria Anunciada
Currais Novos/RN

Flávia disse...

Com certeza estamos aqui.

Bem vinda Neide!

Bjs,

Flávia

André Coelho disse...

Lendo tudo só hoje, mas nunca abandonei este blog! :D

Anônimo disse...

Nossa quanta demora. Todos os dias eu entrava e sempre via o mesmo post do seu primeiro dia no Senegal e ficava esperando pelas novidades. Que bom que você voltou e com histórias tão lindas e emocionantes. Sempre fico emocionada com seus relatos. Acho que esse material todo dará um bom livro.Confesso e que senti vontade de um dia viver algo assim, tão bacana e tão desprovido de interesses e de luxos que achamos indispensáveis e que nem são...
Abraços!
Hildeny Medeiros

maria lucia disse...

Aqui estamos!

Comissão de formatura- XVIII disse...


Salve! Não te conhecia ainda... Prazer em conhecê-la, então! Muito gostoso o relato no "come-se". Pois bem, vou ao Senegal por dez dias, interessado na cultura, nas gentes e na curiosidade pelas almas de lá.
Por que não continua mais postando??
Desejo-lhe muitas alegrias.
Abraços

Juvenal Fernandes

Neide Rigo disse...

Juvenal, você vai gostar muitíssimo. Digite aí do lado, na caixa de buscas, Senegal e vai ver como tem bastante post a respeito. Não postei mais a respeito, porque não viajei mais pra lá.
Um abraço e boa viagem, N

UOLTube disse...

Que galerinha bonita e animada.
A comida ali e bem difrente.
Show 10...

Samuel Neto disse...

sei que o post é antigo, mas tinha que escrever, que precisamos disso aqui no Brasil, mas incentivo de produtos locais, menos importados, fico triste ao ver no mercado só frutas estrangeiras e nenhuma nacional, nem vendem pitanga, umbu, siriguela, mangaba, e por ai vai