quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Quantas fatias rende um limão galego? E o limão-pepino?




Hoje, entre as cartas de leitor do caderno Agrícola do Estadão há uma, do Victor Cavagnari Filho, em que ele diz sentir falta de um limão que conheceu na década de 40 chamado limão pele-de-moça. Diz que era amarelado, tinha casca fina, formato ovalado e um perfume agradável. Um pesquisador do IAC (Instituto Agronômico de Campinas) responde que no Banco Ativo de Germoplasma de Citros, do próprio IAC, há pelo menos um acesso desta fruta, mas que se trata de uma laranja (e doce, pelo que pesquisei). Talvez não estejam falando da mesma coisa, já que no Brasil só chamamos de limão os cítricos ácidos. De qualquer forma, se alguém tiver informações deste tipo de limão, escreva para o Victor (
victorfilho2@gmail.com).
Mas a matéria me fez lembrar dos limões-pepinos que ganhei há algum tempo do Edilson, da Ciprest Mudas de Plantas (www.ciprest.com.br - Tel. 19-3451-5824 / 9144-7580). Parece que ainda era novidade, o Edilson o chamava de galego-comprido ou galego-pepino. Talvez seja alguma mutação, resultado de melhoramento ou mesmo alguma variedade perdida agora resgatada. Ainda não sei. Aliás, o próprio galego anda sumido, dizem, por causa da baixa resistência ao cancro cítrico. Bem, o nome varia de acordo com a região, veja este vídeo - há quem o chame de limão comum e há quem diga que o galego é o rosa e por aí vai, mas o nome mais popular é mesmo galego.
O perfume do galego é totalmente diferente do taiti, do rosa e do siciliano. A casca é muito aromática e na caipiirinha é imbatível. Achei o limão-pepino muito parecido. O diferencial é o formato comprido. Se do limão galego esférico tiramos umas cinco fatias, o pepino rende bem umas dez fatias e isto pode significar algum ganho de tempo, especialmente em bares e restaurantes.
Sobre o limão galego
Como já disse, a baixa resistência ao cancro cítrico fez com que seu cultivo diminuísse muito e chegasse até a ser proibido há alguns anos. Hoje não chega a ser proibido, mas tampouco é recomendado em pomares domésticos. E há algumas regras sanitárias a serem seguidas pelos produtores de mudas para evitar a propagação de doenças. Por causa dessa suscetibilidade, o cultivo comercial dessa espécie vem perdendo importância pouco a pouco e a tradicional caipirinha de limão galego vem cedendo lugar àquelas feitas com limão siciliano e, especialmente, o Taiti, mais farto. A gente percebe isto nos bares. Ou estou enganada?
Do ponto de vista botânico, o limão galego é uma lima (Citrus aurantifolia) e não um limão, pois das espécies mais comuns conhecidas no Brasil, apenas o siciliano é um autêntico limão. Os outros ou são lima (galego e taiti), ou variedades de tangerina azeda, como é o caso do limão rosa.
Mas, s
e no Brasil chamamos de limão todos os cítricos ácidos, o mesmo não ocorre em outros países. O limão de verdade, que chamamos de limão siciliano, tem nome de zitrone em alemão, limón em espanhol, citron em francês, lemon em inglês e limone em italiano, enquanto o limão galego em árabe é limah, em chinês é lai meng e, em inglês, é lime, acid lime, west indian lime ou sour lime. Já em francês é limette acide e, em espanhol, pode ser lima boba, lima chica ou lima ácida. No Brasil, ele é conhecido também como limão branco ou limão miúdo.

Essa espécie, nativa da Indo-malasia, era desconhecida na Europa antes das Cruzadas. Foi levada para norte da África e Oriente Próximo pelos árabes e da Palestina à Europa Mediterrânea, pelos cruzados. Em meados do século 13, ela era cultivada e já bem conhecida na Itália e provavelmente também na França.

A planta é uma árvore de pequeno porte, que alcança de 2 a 4 metros de altura, com crescimento rápido e ramos espinhosos. As folhas são bastante aromáticas por apresentarem várias glândulas oleíferas e o fruto pequeno, com cerca de três centímetros de diâmetro, pode ser esférico ou ovalado. Quando imaturo, é verde-escuro e brilhante, mas quando amadurece ganha tonalidade amarela, a casca torna-se mais fina, lisa e com menos brilho e a polpa torna-se verde claro e amarelado, suculenta, ácida e muito saborosa.

Embora não seja exatamente um limão, tem propriedade nutricionais muito semelhantes e na culinária, eventualmente, um pode substituir o outro em pratos de peixes e frutos do mar, carne de porco, sucos, cremes, molhos, recheios, sorvetes, bolos, musses etc. E a casca é tempero e pode virar doce como aquela compota das cumbuquinhas que são recheadas com doce de leite lá em Minas ou em Goiás - um pecado!

14 comentários:

Claudia Lima disse...

Neide eu moro nos EUA e sempre achei que a lime fosse o limão galego, como vc tb afirmou. Mas muitas pessoas vieram me dizer que é o tahiti.
Procurei na net as fotos, mas infelizmente todos se parecem iguais, não dá para avaliar o tamanho e etc.
Ainda existe a key lime, com a qual fazem as famosas Key Lime Pies. É um limão verde bem pequeno. Vc saberia que limão é esse ai no Brasil?
Eu pergunto isto, pois mantenho um glossário no meu blog e, na medida do possível, vou atualizando, quando encontro novos dados.
Muito obrigada!
Bjs :)

Neide Rigo disse...

Claudia, como no Brasil, em que todos os cítricos ácidos são chamados de limão, imagino que na língua inglesa o termo "lime"(já vi muita gente traduzindo como "lima", sendo que por aqui lima ou lima-da-pérsia está na categoria de laranja e é doce-amarga), também se aplique às limas ácidas indistintamente - galego e taiti, causando confusão, afinal os dois são limas. Parece que key lime é o mesmo que nosso galego - deve haver vários outros nomes. Aqui é comercializado normalmente mais maduro e, por aí, mais verde. É o que parece.
Aceito contestações.
Um abraço, N

Anônimo disse...

Neide
Aí está um tema que já me tem dado que pensar!
Aqui em Portugal, só conheço um tipo de limão.
As próprias limas (é o nome que lhes damos), apesar de, desde criança (e já lá vão uns aninhos...), ouvir falar delas, só há poucos anos apareceram por aqui (para as caipirinhas...)
Posso sugerir um post com os vários tipos que existem aí no Brasil?
Desde já, o meu obrigada.
Beijinhos
Manuela Soares

Neide Rigo disse...

Manuela!
Por aqui há muitas variedades, mas só 3 estão no mercado: o limão siciliano, o taiti e o galego (os dois últimos, lima, mas ninguém os chama assim). Às vezes aparece o limão-rosa, mas não é tão comum.
Vou pensar no seu caso quanto ao post. Um beijo, N

Gilda disse...

Quando eu era criança, já faz um tempão, só havia o limão galego, pelo menos na cidadezinha de Minas onde eu morava. Só conheci o taiti depois de adulta e lembro que a razão da preferência por ele foi que não tem sementes, bem ao contrário do galego. Mas o sabor e o aroma do galego sempre me pareceram mais ricos. Meu pai carregava nos bolsos, para embotar o cheiro do cigarro. Ele é perfumado, realmente.

Anônimo disse...

Sabe tudo!!!! Adoro esse blog!

Claudia Lima disse...

Neide muito obrigada pela sua explicação. Eu considerei a possibilidade da Key Lime ser o Limão Galego dai.
Bjs :)

Apicio disse...

Se o limão gallego pode ser cortado em dez fatias de secções transversais sem dúvida não pode ser key lime. A maior key lime que eu já vi que nos colhemos da nossa árvore em Filipinas era duas polegadas (5 centímetros) em diametro. As key lime que estão disponível aqui em Toronto (crescido em Flórida, EUA) só crescem até três centímetro.

Há outro tipo de limão que se chama Meyer Lemon aqui (em América do Norte) que está distinto de limão comum que acaba de começar a ganhar o interesse de cozinheiros mas ainda não crescido comercialmente e tende a ser achado principalmente em cultivo de quintal.

A famosa Key Lime Pie que a Claudia Lima mencionou acima ten méritos para chamar sua atenção porque é uma receita que facilmente pode ser duplicada em Brasil onde leite condensada está facilmente disponível embora evidentemente não com key lime mas com limas locais.

Neide Rigo disse...

Gilda, adorei a dica do limão contra cheiro de cigarro no bolso!

Apício! O limão galego mais comum só faz mesmo umas cinco fatias e têm também, no máximo 5 centímetros. Por isto, considerei a possibilidade de ser o mesmo (mas, como nunca vi o key lime, não tenho certeza). É muito comum por aqui a torta de limão feita com leite condensado e suco de algum tipo de limão - pode ser o galego, o taiti, o siciliano ou o rosa Basta agregar os dois ingredientes para a mistura ficar espessa. Depois cobre-se com merengue.

Ah, ganhei caroços de fruta-pão-de-caroço cultivada no Pará (um questão sua, antiga).

Obrigada pelo comentário, um abraço, N

Anônimo disse...

Neide,
acessei seu blog procurando por limão galego. Foi a melhor fonte, e a mais divertida, que encontrei. Quero retribuir com uma fonte de informação sobre o assunto:
http://www.answers.com/topic/citrus
Você verá que êles dizem que o Key lime é o tahiti. Verá também que há um lime lisbon e um lime galego.
Gostei muito da citação de Riobaldo. Equivale ao "só sei que nada sei" de Sócrates.
Mário Branco

Neide Rigo disse...

Mario, obrigada pelas informações. Vou acessar o link. Obrigada, um abraço, N

Fernanda Jordão disse...

Olá Neide. Sou uma admiradora e aprendiz sua. Produzo orgânicos/ biodinâmicos em Patrocinio Paulista SP e tenho lá um limão da pele fina amarelo do tamanho de uma laranja. Pela sua descrição deve ser o limão pele de moça. Entrou em minha lista de produtos disponíveis hoje sem nome ainda pois não sabiamos o nome dele , chamamos de São Francisco as frutas que não sabemos o nome até descobrir pois a Fazenda se chama São Francisco. Vou tirar fotos e enviar . Entrei no blog para pesquisar as propriedades do cará do ar que entrou hoje também na lista. Um grande abraço. Fernanda

Neide Rigo disse...

Oi, Fernanda! Me mande, então, a foto. Um abraço, n

adinael disse...

Boa noite

Peço-lhe informaçoes onde posso encontrar muda de limao galego comprido enxertado.
Obrigado pela atenção.
Meu email atual e adinaelthomazini@yahoo.com.br