sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Porta-temperos - volto na quarta



Quando viajo, esqueço quase tudo daquilo que deve constar numa nécessaire bem provida. Mas nunca deixo de carregar uns temperinhos na bolsa. A gente nunca sabe quando vai precisar deles. Eu já tinha tentado de tudo – em caixinhas de remédio e de escova interdental, em caixas de fósforo, em saquinhos de papel. Nada era muito adequado. Mas eu sabia que um dia encontraria embalagens perfeitas e práticas - econômicas em espaço, com boa vedação, boa visualização do que traz dentro e, principalmente, baratas. Ontem fui à rua mais popular do meu bairro, a 12 de outubro que, de uns tempos pra cá, deu de ter, além de camelôs e lojas baratas, carriolas pra lá e pra cá com umbus, ceriguelas e pitombas. Esqueci de levar a máquina, mas achei engraçadinho até, embora as frutas estivessem meio baleadas. Vou andando por lá e me esquecendo do que fui fazer. Ah, sim, precisava ir a uma loja de cosméticos achar um xampu tonalizante pra disfarçar os cabelos brancos que crescem em parafuso para cima. Antes disso vou entrando em cada buraco aberto, principalmente nas de R$ 1,99. Não gosto das quinquilharias chinesas, mas de vez em quando se acha algo útil e made in brazil. Agora, abriram uma de R$ 1,00! Qualquer coisa: coador de pano, detergente, copo de vidro, canela de plástico e outras miudezas. E foi fuçando lá que achei estas caixinhas (um pacotinho com 3, por R$ 1,00, marca nacional). Grande negócio! Fui logo pensando nas especiarias que devem me acompanhar neste carnaval, pra Fartura. Só preciso encontrar agora uma caixa em que elas se acomodem. Mas isto é fácil.
Em casa, guardo os temperos mais usados numa Masala Dabba, que eu ganhei há algum tempo da Nina Horta (um dos melhores e úteis presentes dos últimos anos). Pego o que quero, às vezes tosto e às vezes trituro, na hora, no moedorzinho cinqüentenário que aparece na foto. Ou uso um dos pilões de pedra pra socar cardamomos, por exemplo. Mantenho a lata, que é de inox e tem duas tampas, sempre perto de mim porque uso uma especiaria ou mais todos os dias - um simples cominho ou uma combinação delas para fazer as misturas (masalas).

Acho esta bonequinha a cara da Ananda, minha filha (que primeiro ganhou o nome e só depois a cara de indiana). A latinha pequena é uma marmita com forminhas de bolo, que faz a vez de uma mini masala dabba improvisada.
Aqui, em São Paulo, dois modelos diferentes de masala dabba podem ser encontrados na lojinha do restaurante Gopala.
Rua Antonio Carlos, 413 / 429 • São Paulo - SP • 3289-1911 / 3283-3867
Horário: 2ª a 6ª: das 11h30 às 15 h. Sábados: das 12 h às 15 h

5 comentários:

Eduardo Luz disse...

Neide, voltei e depois da quarta eu entro em contato pra te mandar o manjericão.
E parece brincadeira mas deixei a tarefa pra minha esposa de achar uns vidrinhos pra guardar as minhas especiarias ( já tinha um monte e trouxe mais um monte de Dubai). Já mostrei o post pra ela e a missão deverá ser cumprida facilmente!

Michel disse...

Bela dica.

carlinhos de lima disse...

Sempre que eu venho aqui fico com minhocas na cabeça...

João Pedro Diniz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Pedro Diniz disse...

tenho o mesmo problema e o armário cheio de latas e frascos de vidro de todos os tamanhos. Acho que amanhã vou procurar uma Masala Dabba. :)