sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Queijo poronguinho




Neste último fim de semana, voltei da casa dos meus pais de ônibus, que vem por caminho diverso daquele que fazemos de carro. Diferente da Rodovia Castelo Branco, a Raposo Tavares ainda traz para a beira da estrada as características dos lugares por onde passa. Peixes de rio vendidos pelos próprios pescadores, barracas de abóboras e paragens com alguma peculiaridade local.
O queijo poronguinho, por exemplo, que antes era mais farto nas margens da rodovia, ainda pode ser encontrado em postos como o Tibiriçá, em Paranapanema. Parece ser típico daquela região que envolve outros municípios como Avaré, Itatinga, Itaí, Itapeva, Buri e Angatuba, mas não tenho certeza. Pelo menos sempre o vi por ali. No estilo, imita o formato de um tipo de porongo (aqueles vegetais parentes da abóbora que depois de secos viram cuias, cabaças, bonecas etc), por isto o nome de poronguinho.
A massa é filada como a de uma mussarela e por lá é comum servir com café. Não ligo muito para queijos, mas aqueles tinham acabado de chegar - segundo o vendedor, feitos por um morador da região. De fato, estavam deliciosos, mas quem mais gostou mesmo foi a Dendê que ficou enlouquecida a ponto de tirá-lo da minha mão e até do prato que preparei para a foto. Com as broinhas de fubá também se sairam bem.

Com a cozinha em reforma, já não tenho mais nem onde apoiar um simples prato para a foto. Por isto, coloquei em cima das cerâmicas no chão. Cliquei uma vez e mudei o ângulo. Quando dei o segundo clique, eis que um vulto preto surge no meu campo visual e em seguida só o prato vazio. Dendê, sem-vergonha, filha de uma cadela! E o queijo já era.

14 comentários:

happynest disse...

Dendê de boba ou lerda não tem nada..como dizia minha avó:
" ojo, que la vista engaña!
Fiquei com agua na boca, diante do lanchinho tão apetitoso!!!
bjs
Rosemary

Fernando Gouvea disse...

Ri muito com a sequência das fotos. Dendê foi perfeita!

Lidia disse...

Lindo, o formato do queijo!

Adoooooro queijoooo... aliás, sou meio Homer Simpson e gosto de tudo que não faz bem à saúde. rsrsrs


A sequência de fotos com o "vulto" ficou ótima! Ri mto com o final do texto! rsrsrsrs =P

Bjs. ☺

ameixa seca disse...

Aqui chamamos cabaças, tão bonitinhos. Sou super fã de queijo e é sempre bom conhecer mais um :) Pena não dar para experimentar!

Marcia H disse...

lembrou-me da scamorza
adoro queijo, quanto mais artesanal, melhor
Dendê tá com a macaca, diria uma amiga baiana... rsrsrs
será que ela já percebeu q vc tem sempre coisas gostosas por aí?

Gina disse...

Aqui temos desse poronguinho, só não sabia que tinha esse nome...rs!
É da região de Palmeira, próximo de Curitiba e gosto muito.
Bom final de semana!

Joice Santini disse...

Quando morei no MT faziamos desse queijo na fazenda. Fácil de queimar as mãos no preparo.
E com a Dendê já vi que vale o dito "frita o peixe e olha o gato".

Dricka disse...

Eu ao contrario gosto muito de queijos, especialmente dos cá da terra, esse fresquinho assim me deu agua na boca.
Ah! a minha cadelinha também é varrida por queijo, semana passada roubou da mesa da cozinha o meu ultimo pedaço de parmesão, comi macarrão sem queijo enquanto a danada se refestelava no queijinho.
Bjs

Dricka disse...

Eu ao contrario gosto muito de queijos, especialmente dos cá da terra, esse fresquinho assim me deu agua na boca.
Ah! a minha cadelinha também é varrida por queijo, semana passada roubou da mesa da cozinha o meu ultimo pedaço de parmesão, comi macarrão sem queijo enquanto a danada se refestelava no queijinho.
Bjs

david era uma vez... disse...

Essa cadela é das minhas!!! ( olha o tipo de declaração que eu faço em público) Amo queijo, qquer tipo de queijo, comi esses dias um queijo desses, uma senhora que vende "torturinhas" engordativas de minas, sempre trás... gostei... mas achei muito salgado!

Abraços Fêssora

sonia a. mascaro disse...

É mesmo uma delícia! Compro sempre no Tibiriçá porque moro perto da Holambra há onze anos. (Sou paulistana e há 35 anos tenho casa aqui às margens da Represa Jurumirim).

Gosto muito do seu blog! Já conhecia mas nunca havia comentado.
Um abraço.

Patricia Lieko disse...

Neide,
seu blog é informativo, cultural e muito agradável.
E a Dendê é o tempero charmoso dele.
Recentemente eu e o marido fomos à Sampa conhecermos o Mercado da Lapa por sua indicaçao, gostamos bastante.
Gostaria de lhe indicar um local com diferentes produtos que fica na Paulicéia e é bem fácil de ir: Feira da Kantuta, próxima da estaçao Armênia. Lá conseguimos sementes de milhos de variadas cores (vermelho, azul, preto, dentre outros)e batatas bem diferentes, originárias da Bolívia.
Espero que goste. A Feira funciona aos domingos a partir de 11:00.
Lieko

Neide Rigo disse...

David, o meu também estava meio salgadinho, mas bom.

Sonia, acho linda esta região ao redor da Jurumirim. Obrigada pelo comentário (sem há uma primeira vez, seja bem-vinda)

Lieko, que bom que gostou do mercado da lapa. Também gosto muito da feira dos bolivianos. Já falei algumas vezes dela aqui.

Um abraço, n

Rafael Fabrício de Oliveira disse...

Olá, sou nascido em Angatuba, hoje vivo em Brasília. Quando criança comia muito desse queijo. Lá na cidade ele é barato e as pessoas tem costume de fazer em casa e sempre presenteiam... Gostei muito do artigo, sobretudo pela origem da palavra e a regionalidade bem apontada no artigo sobre a iguaria. Outra comida típica de lá que vale a pena um artigo, é o famoso bolinho de frango, de farinha de milho. Mesmo sendo vegetariano hoje não consigo esquecer deste salgado maravilhoso da região. Foi tombado recentemente como patrimônio cultural de Itapetininga. Abraços, Rafael F. de Oliveira