terça-feira, 28 de setembro de 2010

Sete-copas. O fruto

Continuando o post de ontem, volto a falar da amendoeira-da-praia ou sete-copas. Pelos comentários do O que é, o que é? pude descobrir uma porção de nomes, como chapéu de caiçara, castanhoeira ou castanhola, coração-de-nego, guarda-sol, sombreiro, figueira-da-índia, cuca ou amendoeira indiana, além daqueles mais universais como sete-copas, sombreiro, chapéu de praia etc.
Originária da Ásia, o certo é a que a planta Terminalia catappa gosta de solos arenosos, mas se dá bem em qualquer outro. Por isto, está espalhada em todo o mundo, com nomes como: "(Arabic): Brasilia, (Bengali): bangla-badam, (Burmese): badan, (Creole): zanmande, (Dutch): wilde amandel, (English): Barbados almond, bastard almond, Bengal almond, country almond, demarara almond, false kamani, Fijian almond, Indian almond tree, Malabar almond, Malay almond, myrobalan, sea almond, Singapore almond, story tree, tavola nut, tropical almond, West Indian almond, white bombway, (Fijian): tavola, tivi, (Filipino): dalinsi, kalumpit, logo, talisai, (French): amandier de Cayenne, amandier des Indies, amandier des tropiques, badamier, (Hawaian): kamani-haole, (Hindi): badam, bahera, deshibadam, (Indonesian): ketapang, (Khmer): barang, châmbâk, kapang, pareang prang, (Lao (Sino-Tibetan)): ‘hou kouang, hu kwang, sômz moox dông, (Malay): jelawai ketapang, jilawa, ketapang, lingkak, mentalun, telisai, (Mandinka): gyerte-tubab, (Pidgin English): reddish brown terminalia, (Português): amendoeira, castanola, chapeu de sol, guarda-sol, parasol, (Samoan): talie, (Sanskrit): rahadruma, (Spanish): alconorque, almendra, almendras, almendrillo, almendro, almendro de la India, almendro del pias, almendron, castana, kotamba, (Swahili): mkungu (Tamil): natvadom, tani, tanti, (Thai): dat mue, hukwang, khon, taa-pang, (Trade name): bastard almond, Indian almond-wood." Estes nomes e outras informações a respeito da planta você encontra aqui.
A árvore ainda é pouco explorada em toda sua potencialidade, afinal as folhas são usadas em aquários para diminuir o Ph e o teor de metais pesados da água, o extrato das folhas é usado na medicina - depois falo das folhas, a madeira é resistente e útil para a fabricação de canoas e na construção civil e os frutos são comestíveis (quando os morcegos frugívoros nos deixam), sendo que a castanha nem precisa ser torrada para se comer.
Ainda assim, muitas amendoeiras tem sido cortadas de nossas praias pois é considerada invasora no litoral do Sudeste, fazendo muita sombra e prejudicando o desenvolvimento de outras árvores nativas. Já no paisagismo, reclamam de suas folhas que forram o chão lindamente na época de muda. Não sei como é o impacto ambiental provocado pela árvore na área urbana, o que sei é que a planta mexe com os ânimos, comove até. E não destroi as calçadas pelo que vejo.
Quando é lá para o meio de agosto, quando o clima está seco, as folhas começam a ficar amarelas. Vão avermelhando com a secura do tempo e caem antes que as folhas novas despontem no começo da primavera. Algumas folhas grandes, coriáceas e coloridas resistem até o último momento, quando os brotinhos novos ou o vento forte a derrubam à força. Depende de onde estejam as árvores, mais ou menos expostas ao sol, a muda pode acontecer mais tardia ou precocemente ainda que estejam no mesmo bairro. Foi o que observei por aqui.
Enquanto na minha rua as amendoeiras estavam ainda peladas com borboletinhas de folhas despontando, a árvore da Veronika, aqui bem perto, já estava fazendo sombra verde com folhas já grandes. Pode ser também que a diferença seja em relação à variedade, já que os frutos da árvore da Veronika são verde amarelados, enquanto os outros, com folhas mais vermelhas e queda tardia, são de um vermelho-vinho intenso. As folhas são ricas em flavonóides (quercitina, canferol), taninos, saponinas e fitoesterois, além de pigmentos luteína, zeaxantina e violaxantina. Por isto, são muito requisitadas como medicamento caseiro.
Mas não vou falar das folhas, agora é a vez dos frutos: colhi alguns dos vermelhos, mas eram poucos os aproveitáveis. A maioria dos que estavam caídos era de frutos mordidos por morcegos ou periquitos. E coletei do chão muitos do verde na casa da Veronika.
Criança costuma comer direto do pé e, pelos comentários do post da charada, vê-se que muitos têm saudade deste tempo. Mas parece que não é reconhecido como fruto que vá à fruteira, embora a polpa seja ácida e doce e agradavelmente perfumada. Frutos verdes lembram peras e os vermelhos remetem ao aroma de jambo (foi o que senti). Adultos podem não achar muita graça em roer os frutos de polpa escassa e muito fibrosa (seis feixes vasculares se misturam à carne). Mas na cozinha podem ter muitas utilidades, já que, fora ser fibroso, não há nada no fruto que o desabone e nenhuma dúvida paira sobre o fato de ser comestível. Pelo contrário, além de ser muito nutritivo, a acidez, o perfume e a ligeira doçura são bons requisitos para um bom ingrediente.
Pena que não tive muitos frutos para trabalhar, por isto deixo apenas algumas ideias de uso, mas as possibilidades são infinitas. Tanto para a polpa quanto para a amêndoa - também falo dela depois.

Lave bem os frutos, coloque-os em solução para higiene de verduras, enxague e descasque com uma faquinha afiada, tirando só a pele. Depois, tire a polpa até encostar na semente. Reserve as sementes, que podem ser quebradas para tirar a amêndoa.


Frutos descascados - o vermelho fica ainda mais colorido próximo à semente.
Marmelada: cozinhe a polpa (aqui a verde, mas pode ser a vermelha) com água que cubra os pedaços. Deixe no fogo baixo até que fique muito macia e com quase nada de líquido. Passe por peneira e junte metade do volume de açúcar. Volte a panela ao fogo e, mexendo de vez em quando, deixe até soltar do fundo da panela. Use como recheio ou com queijo.

Suco: bata pedaços de polpa de sete-copas com água - algo como meia xícara de pedaços de polpa para meio litro de água. Coe, adoce e sirva com pedaços de limão e gelo. Um suco para ninguém duvidar de seu sabor (aqui fraquinho, mas ficará melhor se feito com mais polpa ou ao seu gosto).
Geleia: Fiz uma geleia aproveitando a pectina da maçã verde, numa proporção de 500 g de maçã para 150 g de polpa. Ao caldo coado, juntei açúcar. O jeito de fazer, guardando as devidas diferenças de ingredientes, é como o da geleia de pimenta, que você pode conferir aqui.



Merengue: usei o suco de sete-copas vermelho e engrossei no fogo até formar uma calda grossa em ponto de bala mole. O jeito de fazer foi o mesmo que usei no marshmallow de cambuci, só que, em vez da calda de cambuci, usei o suco de sete copas coado. Quanto mais forte, mais rosado vai ficar o merengue. Aproveitei as gemas que sobraram para fazer um creme de confeiteiro que temperei com essência orgânica de baunilha e raspinhas de limão. Botei o merengue por cima e espalhei geleia de amora diluída. Em outro, pinguei por cima gotas da geleia derretida do próprio sete-copas. Mas você pode usar para decorar tortas ou cobrir bolos.



A árvore, desde que não deformada por podas, tem copa simétrica com galhos quase horizontais. Uma das características é perder as folhas no tempo da seca. Aqui no Sudeste, a seca coincide com o frio ou quase sempre e, segundo a Veronika - a dona da sete-copas da terceira foto, a árvore pelada facilita a entrada do sol fraco para aquecer o quintal no inverno, enquanto no verão as folhas grandes e verdes barram o sol forte, fazendo gostosa sombra fresca. Daí um de seus nomes: árvore guarda-sol.

Tata, a guardiã dos frutos da sete-copas caídos no quintal da Veronika.

25 comentários:

Heloísa disse...

Neide,
Que delícia de post.
Para mim foi uma grande novidade saber do aproveitamento completo desses frutos.
Aqui em Santos temos muito dessas árvores, que chamamos de chapéu de sol, e nem quando criança eu dei uma provadinha nos frutos.

Mudando um pouco:
Sou mãe da Priscila, que encontrou com você na Tarrafa Literária (jornalista responsável pela comunicação do evento).
Senti muito não ter podido ir no dia em que você e a Nina Horta estiveram por aqui, mas soube do sucesso.
Como curiosidade, estou enviando para você um link do meu blog onde fiz uma referência à Nina.
Dê uma olhadinha:

http://blogdavovohelo.blogspot.com/2010/07/posso-comer.html

Meu último post foi um pequeno comentário sobre a Tarrafa.

Beijo.

Neide Rigo disse...

Oi, Heloísa!
Que pena que não pode ir ao evento. Mas a Priscila deve ter lhe contado tudo. Depois vou lhe mandar uma foto dela com a Nina Horta. E vou encaminhar pra Nina o post do seu blog (muito legal, eu já tinha entrado uma vez).
Bem, espero que se anime a comer os frutos da cuca (vi que tem este nome também por aí).

Um beijo, N

vpaulics disse...

neide, a foto da tata é o máximo... acho que só faltava ela pra aparecermos todos no come-se. ela mesma não come o fruto da amendoeira.
lembrei também que a maior quantidade de frutos caiu há umas duas semanas. no ano que vem farei a grande experiência gastronômica.este ano, preparo-me para uvaias e pitangas. parece que será uma ótima colheita.
quanto ao o que é o que é, foi interessante constatar que tanta gente reconhecesse o fruto mas eu duvido que todos conhecessem usos tão variados.
surpreendi-me. bj. v.

Anônimo disse...

Olá Neide,
Para mim foi novidade saber que os frutos da Sete-copas pode ser usados para a culinária, menos ainda a variedade do emprego que você mostrou. Parabéns pela matéria, pelo blog interessante e que gosto muito.

Maria de Lourdes

heloisa de mesquita inoue disse...

Oi?! Aqui na minha região, só quem come esses frutos são os morcegos! Não sabia que era possivel come-los!

ダニエラ disse...

Olá quando tiver sementes desta sete copas, gostaria de receber em doação e tentar germiná-la, estou começando a cultivar arvores e como não sou bióloga nem nada, gosto de fazer tentativas.
Se puder entrar em contato danipastana@gmail.com

Estou divulgando seu blog pra muita gente.

Daniela

João Paulo Parisio disse...

me foi muito útil. não para uma receita, mas para um conto. aqui em Pernambuco chamamos coração-de-nego. lembro de um na praia de Tamandaré.

adriana disse...

olá qria muito q me tirasse uma dúvida,eu replantei uma muda ja grande q ganhei da minha cunhada tive muito trabalho veio de frete caminhão,mais estou com medo q ela acabe morrendo,vc sabe me dizer se ela é muito sensível?ou tenho chance q ela brote e venha bonita,sou apaixonada por essa espécie ainda mais sabendo da utilidade dos frutos adorei tudo q postou aprendi muito parabéns...sou adriana de blumenau sc abraço

Di disse...

Me responde uma coisa, esse cachorrinho ai come os frutos que caem no chão do quintal? porque meu cachorro come o dia inteeiro essas frutas ate pensei em fazer ele parar, será que nao pode fazer mal?
obrigada. (:

dalvina disse...

Nossa lembrei de quando criança, adorava comer a polpa e depois as castanhas que juntava. não sabia de sua utilidade culinária!
parabéns.

Maria _ Mundo Novo disse...

Puxa vida, eu que ja estava querendo uma arvore dessas aqui no meu quintal, agora é que quero uma logo, para que ela possa crescer e dar frutos.

Anônimo disse...

A minha empregada comeu umas 10 frutinhas dessas e ficou com a cara toda inchada...

Anônimo disse...

A minha empregada comeu essa fruta e ficou com a cara toda inchada...

Everton Lima disse...

Olá,

Na minha casa tem duas sete copas, no caso elas caem folhas de janeiro a dezembro sem parar, é normal isto? se agora eu ajuntar as folhas no chão, quando for cerca das 16:00 horas jah estará outra remessa no chão rsrs

Iara Rodrigues da Cunha disse...

Parabéns, Neide...adorei o "A Mulher das Panelas". Estou saboreando cada coisa...muito devagar pra curtir mesmo. Eu desconhecia que as amêndoas do Chapéu-de-sol ou amendoeira, eram comestíveis, descobri na página do Omar do Prado e Silva numa matéria sobre 'Frutos do Brasil'...que me incentivou a continuar pesquisando,até que localizei a Embrapa e novamente vi que a informação de que as amêndoas ( Nome cientifico: Terminalia catappa L) eram comestíveis. Precisava saber como utilizaria as sementes e aí ,continuei pesquisando e encontrei você - um grande achado!! Grata por partilhar o seu conhecimento.
Abração.

Divânia De Josemar disse...

Parabéns pelos experimentos. Essa fruta marcou a minha infância. Pela facilidade de ser encontrada, saciava nossa fome de merenda. Um passo e pronto embaixo de uma árvore frondosa estava lá...frutinhas deliciosas. Parabéns!
Tem outra fruta que não se fala muito o Oití, você conhece?
Ai que legal conhecer melhor a sua utilização. Parabéns!!
Divânia

Anônimo disse...

Adorei esse post! Não sabia que se comia, vou logo experimentar! :)

LiaSouza/fpolis disse...

Entrei porque estava pesquisando sobre a árvore. Temos duas no condomínio e agora estão na fase de queda das castanhas. Justamente por causa das castanhas que estou fazendo a pesquisa, queria saber se são aproveitáveis para algo, nem sabia que eram comestíveis. Os ignorantes do prédio não gostam das árvores (não gostam de nenhuma pq reclamam de todas!) mas dessa em especial porque as bagas caem em ciam dos seus malditos carros e 'sujam', além de inundarem o pátio do estacionamento. Reclamam que dá serviço para empregados ter de varrer todo santo dia... Onde posso ter bibliografia de agrônomos ou botânicos sobre os diferentes usos das castanhas inclusive o alimentício? Tenho medo que acabem cortando as coitadas! Engraçado que no verão, disputam a sombra delas para enfiarem os carros embaixo, mas quando ela solta suas sementes no outono se preparando para o inverno, onde ficam peladas sem folhas lolo, logo, não querem ter paciência com ciclo dela na natureza. Obrigada pela atenção!

Reginaldo disse...

Muito interessante seu post. Há muitas dessas árvores onde moro. Eu sempre desconfiava que eram comestíveis, mas não tinha certeza. O melhor ainda eh poder fazer essas delícias com ela. Vou tentar usá-las.

banda subverso disse...

Como a "carne" e a amêndoa desde meu tempo de guri. subia nas arvores pra catar várias castanholas (como chamamos aqui na PB). depois tinha a parte de quebrar as sementes envelhecidas, já secas da exposição ao sol. era bater com uma pedra e comer o "coquinho".

li o post justamente pq colhi (do chão) algumas agora a pouco. tava procurando informações nutricionais.

parabéns pelo blog.

Narbal Marcellino disse...

Muito bom o post!
Só faltou informar como obter as sementes (amendôas) do fruto!
Já tentei abrir, mas acabo danificando as amendôas!
Deve haver uma maneira de fazer isso em casa!?

Maha Hanzanghanzan Advaita Maha Naga dasa disse...

Gostaria de conhecer as propriedades nutricionais deste auspicioso fruto, porquanto o consumo regularmente, coletando-o em praias, e arrabaldes. Gratidão.

Maha Hanzanghanzan Advaita Maha Naga dasa disse...

O meu e-mail é: dotopaxeco@hotmail

Maha Hanzanghanzan Advaita Maha Naga dasa disse...

O meu e-mail é: dotopaxeco@hotmail

Maha Hanzanghanzan Advaita Maha Naga dasa disse...

Gostaria de conhecer as propriedades nutricionais deste auspicioso fruto, porquanto o consumo regularmente, coletando-o em praias, e arrabaldes. Gratidão.