sexta-feira, 23 de março de 2012

Pancotto di zucca al formaggio Canastra pra não dizer pão cozido com abóbora e queijo canastra

Nesta semana assisti a um vídeo do Roberto Ravioli ensinando a preparar o pancotto que me fez lembrar do melhor prato que comi na Toscana, num encontro do Slow Food, o pappa al pomodoro.  Não consegui definir a diferença entre pancotto e pappa. Talvez seja apenas uma diferença estilística, talvez originalmente um seja mais pastoso que o outro. Um sopa, outro papa. O que sei é que é um dos melhores pratos da cozinha povera que já provei. E claro, aquele tinha muito tomate que o pancotto do vídeo.  


Agora, é claro que não encontrei e nunca vi pancotto ou pappa com abóbora/ zucca  - e olhe eu procurei, mas deve haver. Mas você já sabe que abóbora aqui tem entrado em tudo e eu desconfiei que a receita ficaria muito melhor e mais nutritiva com ela. E ficou. A abóbora cozida se desfez com o pão, combinou com o sabor do manjericão e deixou a mistura mais macia e colorida. É um prato tipo o nosso lobozó e seria injusto chamá-lo de gororoba, mas é algo assim, simples, fácil, com ingredientes baratos e sobrantes. Tenho certeza que você nunca mais ficará sem saber o que fazer com pães endurecidos (pode sim usar pães mais duros, desde que não mofados, claro). E, como gostará tanto do resultado, vai deixar sempre pães amanhecerem propositalmente à espera da panela.  Dá pra comer sozinho, como prato único, ainda mais se a abóbora estiver presente dando sua contribuição em fibras, vitaminas, minerais e ainda diluindo o poder calórico do pão. Mas um pedaço de frango assado, um peixe grelhado ou uns camarões chapeados por cima vão deixá-lo ainda mais rico. 


Bem, só usei as receitas que vi como inspiração e fiz do jeito que quis usando o máximo de abóbora que foi possível. 


Pappa ou pancotto di zucca à minha moda 


Em primeiro lugar, fiz um molho de tomate usando 2 tomates grandes picados, cebola, azeite, alho e manjericão, de modo a ter 2 xícaras de molho. 


Depois, aqueci 2 colheres (sopa) de azeite e dourei 2 dentes de alho picados. Juntei meia cebola picada e deixei amolecer. Acrescentei 460 g de abóbora madura picada em cubinhos pequenos  (3,5 xícaras) e refoguei no azeite por um minuto.  Acrescentei 1 xícara de água fervente, sal e tampei a panela. Deixei cozinhar por 10 minutos, quando a abóbora ficou bem macia. Juntei, então, 170 g de pão caseiro amanhecido picado e as 2 xícaras de molho de tomate. Misturei e juntei mais água quente. Deixei cozinhar por uns 10 minutos, mexendo de vez em quando,  ou até que formasse uma pasta,  com os pães bem macios e amalgamados. Se achar muito densa a pasta, junte mais água quente. Pode usar caldo, se tiver um bom caseiro, mas não precisa. Prove o sal, corrija se necessário. Se que quiser, e eu quis, junte pimenta calabresa durante o preparo.  


Desligue o fogo e junte 50 g de queijo Canastra ralado (rale outro tanto para decorar). Misture bem.  À parte, coloque num pilão um pouco de manjericão com um dente de alho e soque bem com um pouco de sal. Junte azeite aos poucos, socando bem. 


Coloque o pancotto no prato, espalhe por cima um pouco do queijo e do pesto de manjericão e Nhac! Depois me conte.  Para fazer sem a abóbora, veja o vídeo do Ravioli como é fácil. Rendeu 6 porções 

13 comentários:

Me,myself & I! disse...

Que aspecto maravilhoso!
Adorei!!

denise disse...

Que ideia maravilhosa.
Adorei tudo: o vídeo, as sugestões com abóbora, queijos...hummmm.

Já vou para o fogão....hoje comida italiana.

Obrigado por partilhar...

Anônimo disse...

É o tipo da criação: "porque-não-pensei-nisso-antes". Simples, barato e não tem como não ficar bom. Agradeço. Izabel

Carina Abreu disse...

Olá Neide, tudo bem?

Me identifiquei muito com o seu blog e suas ideias! Suas receitas são maravilhosas e muito originais... Pena que não tenho acesso a maioria dos ingredientes...

Vi, em um post anterior, que você ganhou umas caixas de jatai. Elas são lindas, né? Como elas estão?

Sou apaixonada por abelhas, pesquisei durante a graduação e mestrado, mas infelizmente não tenho nenhuma caixinha por morar em apto.

Bjs e bom fds!

Carina Abreu disse...

Oi de novo...

Complementando o comentário anterior: "... não tenho acesso a maioria dos ingredientes regionais"

Bjs

angela disse...

ai ai... a primeira frase , assim, displicente.. foi um arraso!!! Sumi não!! o marido é que está indo direto pra sp.. um dia desses eu vou com ele.

Gina disse...

Neide,
Passando para desejar um ótimo final de semana!
Dei uma sumida geral nas visitas aos blogs, por conta do casamento da filha. Mas agora espero voltar a visitar seu cantinho, cheio de coisas da nossa terra.
Bjs.

Os Babinhos disse...

Ficou com uma cor lindissima

Bjs

As Papinhas dos Babinhos

Cristina disse...

Parece-me muito rico e saboroso, nunca comi nada parecido e já anotei a sua versão para provar!
Novamente te parabenizo, o blog é uma excelente fonte de informações confiáveis e sempre interessantes...aprendo muita coisa por aqui!
Ótima semana!
ps: tbm adoro abóboras!rs...

Anônimo disse...

As imagens, as receitas, o bom gosto que tudo preenche; as histórias e principalmente a sua escrita deliciosa: são um encanto.

O blog parece jardim bem cuidado... agrada e inspira.

Parabéns pelo trabalho!

WB

Maria David Castro disse...

Neide,
Em Portugal fazemos um prato de aproveitamento semelhante para usar pão duro. São as chamadas açordas que podem ter várias versões. Há uma açorda de tomate muito parecida com este prato. Já ouviu falar? É um prato mais tradicional do Sul. Do Alentejo ou do Algarve.
Parabéns pelo seu trabalho. Gosto muito de a ler embora a maior parte das vezes não conheça quase nenhum dos ingredientes de que fala. Até escrevi um post sobre si. Se quiser pode lê-lo aqui: http://nidushome.blogspot.pt/2012/01/neide-rigo.html
Um abraço do Porto, Portugal.

Neide Rigo disse...

Carina, obrigada! As receitas são só ideias de preparo. Os ingredientes você vai mudando conforme o que tem por perto. Aposto que uma receita como esta você pode fazer, já que estes ingredientes são quase universais. O queijo, claro, pode ser substituído. Quanto às jataís, elas estão ótimas e as caixas estão pesadas. E saiba que se em seu apartamento houver uma varandinha, elas podem ser colocadas aí.

Angela, e venha aqui!

Gina, que bom. Felicidades ao novo casal!

Cristina e WB, que bom saber que gostam do Come-se. Obrigada!

Maria, obrigada pelo post - fiquei emocionada! É verdade, tem as açordas, assim como por aqui temos o vatapá, que esqueci de citar. Não conhecia a açorda de tomates (mas a de coentros e alho e a de bacalhau, sim). Aliás, veja este vídeo que gravei no Alentejo - a canção é uma receita de Açorda: http://www.youtube.com/watch?v=J3nV2z9TREc
E me diga: há açorda de abóboras ou filas? Gostaria de saber.

Um abraço,
Neide

Carol disse...

Oi Neide!
Fiz a receita e foi sucesso total!! Marido adorou!! Já estou pensando em outros ingredientes...
Abs, Carol.