sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Frutos dos quintais de Acrelândia

Não são diversas, mas são muitas. Frutas doces pra chupar no pé, azedas para suco, densas para doces, massudas pra assar, leitosas para temperar. Não estão nos mercados, que preferem as caixas de maçãs argentinas, uvas chilenas, peras portuguesas e mamões papaias padronizados, que chegam, depois de uma longa viagem, do Ceagesp ou sabe-se lá de onde.

Acostumadas ao clima mais ameno, depois da longa viagem sofrendo os balanços e o calor, estas frutas são acomodadas em câmaras geladas para protege-las do mormaço acreano. Coitada da banana comprida ou banana-da-terra,  única fruta local encontrada nos mesmos mercados, que mesmo acostumada àquele calorão, não tem escolha. Já  pra câmara fria já, sua bananona!  Junto a peras e maçãs, ali fica resignada, enfeiando-se dia-a-dia no frio que não escolheu.

Enquanto isto, do lado de fora, entre quintais ensolarados com flores nas cercas, corre à  boca míúda que chegou banana boa na quitanda do Seu João. Está lá no quentinho fazendo doçura, uma palma um real. É banana cozida, frita, recheando a tapioca, na carne, no pão, no lugar do pão, junto com arroz e feijão. E tem também abacaxi gigante. De Tarauacá?  Não, não tem quinze quilos, não. Mas a quatro chega. Amarelinho, amarelinho, tão doce e perfumado.

Sabia  que a mangueira da menina banguelinha é a mais precoce e as mangas já estão inchadas?  Mas como estão floridas as outras!  E que o seu Anésio disse que pode ir buscar tamarindo, que o pé está carregado?  Mas é azedo. Ué, faz suco. E as carambolas da dona Edna  que estão se  perdendo e o pé está até arqueado com o  peso das frutas graúdas e amarelas? É que ela e as meninas só gostam de refresco comprado. Boba, não sabe o que está perdendo. Os moleques da dona Teresa chupam fazendo careta, mas chupam. Vou lá com uma bacia de limão, que não tô dando conta. Quem sabe ela troca. Ah, e quando começar a época do cupuaçu e da graviola, hem? Desses, todo mundo gosta.  Na Dona Diná tem acerola, vamos buscar pra fazer suco? Ah, a dona Maria Concebida está vendendo suco de araçá-boi, você viu? Muito bom, vem lá da colônia.  E aquele mamão caipira amarelo do ramal do café?  Ah, é um terroir a cada terreiro. O do seu Dejalma está uma delícia este ano, vou lá pedir uns antes que os sanhaços furem todos.  E aquele pé de jaca sem dono?  A safra deste ano vai ser boa. Jaca verde pra moqueca, jaca madura escancarada no chão, caroço cozido.  E tem a fruta pão de caroço também, né? Tem?  Onde? Perto da quadra.  Quem  plantou? Não sei, parece que foi de caroço cuspido. Caroço cozido com sal, melhor que castanha portuguesa. E sabia que o jambo da dona Vera Lúcia já tá dando? Tem muito, muito.  Os outros ainda nem floriram. Mas quando aqueles jambeiros resolverem jambar todos juntos, um a cada duas casas, meu deus, pra quê peras, hem? O que tão plantando por aí é o tal de noni, não? Ah, é, viu que serve pra tudo, até câncer cura?  Passou no globo repórter, panaceia. Sei não, é ruim pra burro. Quem sabe não fica bom na geleia?  E a menininha Ingrid aponta para o coqueiro. Veja lá, veja  lá, Neide, tem coco, e eu tenho medo do malamem. Malamem? É,  a gente tem que se livrar dele, né mãe?  E livrai-nos do mal amem!

Sei lá, frutas de quintal são deste jeito, não aparecem nos questionários ou nas estatísticas, não são torturadas nas câmaras frias dos supermercados e mesmo assim, sai safra entra safra, lá estão elas,  às vezes desprezadas, às vezes devoradas, conseguidas na base do escambo, da provisão de fundo de quintal, das catanças não autorizadas e das molecagens.  Em Acrelândia, um pouco é assim,  outro pouco é inventado, como eu queria que fosse. Malamém.

9 comentários:

angela disse...

Menina, o parágrafo central parece até Manuel Bandeira! um poema .

Kenia Bahr! disse...

Neide, pode rir: sonhei com você há umas duas noites atrás, comíamos frutas por aí... acordei numa alegria só!

Descobri uma tal de folha de arroz que envolve saladinhas frescas deliciosas, um mimo. Vc já viu?

Beijo
Kenia

Anônimo disse...

Acho lindas as estrelas de carambola. Uma vez tentei fazer compota delas, mas amoleceram demais, não deu certo. Pena.
Lindo post, enquanto pessoas como vc estiverem inventando mas também ensinando o muito tem jeito! parabéns
Izabel

Juliana Valentini disse...

Neide,
não sei se é melhor a parte que simplesmente é ou a que você inventa, como queria que fosse.
Lindo post!
Beijo,
Juliana.

Anônimo disse...

ler seus post é participar de sua viagem como se lá estivesse!
Parabéns por seu trabalho.

Dirma
dirmasilva@yahoo.com.br

weirdcombinations disse...

Neide,

Como se diz aqui na terra do tio sam... a grama é sempre mais verde do outro lado da cerca. (the grass is always greener on the other side of the fence). Dá-se mais valor àquilo feito fora e despresa-se o que existe em abundância no seu prórpio quintal.

Lembro-me da primeira vez que levei Steven ao Brasil e nos dias que passamos em Vitória nosso amigo Luiz trouxe um embornal cheio de carambolas de seu sítio e o trasformou em suco. Steven ficou boquiaberto pq achou um luxo ao ser ofecido aquele suco delicioso e exótico

Cheers,
Heguiberto

Okamix disse...

Estou visitando o site pela primeira vez e gostei bastante !

Já adicionei o site nos favoritos para estar acompanhando sempre as novidades !

Parabéns e Sucesso !
www.okamix.com.br

Fifa disse...

Neide do céu....entre todas as delícias que podem ser saboreadas estão os teus escritos, a minha boca encheu d'água e os meus olhos até marejaram. Você falou da minha infância e trouxe de volta um tempo delicioso em que a gente chupava jamelão e fazia guerrinha de caroços, claro que nossas mães odiavam...mas era tão bom...tamarindo pra fazer careta, Jatobá docinho derretendo na boca...aiai....Obrigada, de coração!

Salim disse...

Olá a todos,
Peço licença para divulgar esta excelente oportunidade de aprender com um verdadeiro Árabe os seus segredos culinários
Aprendendo a Fazer verdadeira Sfiha Árabe com o professor Jorge Mucare
Veja mais em http://ofertadosalim.com/sl/team.php?id=35
E muitas outras oportunidades no nosso Site http://ofertadosalim.com
Agradeço pela publicação
Salim