segunda-feira, 2 de maio de 2011

Pão recheado com serralha


Neste sábado tive o privilégio de receber aqui em casa, numa passagem rápida,  Marisa Ono, do blog Delícia, com sua mãe, Dona Margarete. Vieram cheias de legumes, verduras e até cana,  produção da chácara onde vivem, em Ibiúna. Impressionante é que estão lá há apenas 4 meses e já colhem comida para um batalhão. Inhame, limão rosa, abacate, tomatinho cereja, serralha, couve, chuchu, cebolinha, berinjela, vagens de asa, cana e até serralha que nasce de presente pra gente.  Ainda ganhei alho negro e pinhão da região, além de outras iguarias preparadas pela dupla: doce de goiaba, compota de castanha portuguesa,  conserva japonesa com algas e legumes e doce de favas.




Percebi que não seria fácil usar tudo o que elas trouxeram, então já dei a metade pra minha irmã Suzana, que estava aqui, e já passei a pensar no destino de cada coisa. Comecei usando a serralha no pão que levei ao piquenique de ontem. Fiz  um recheio como se fosse escarola e usei também boa parte da cebolinha e um pedaço de linguiça colonial que comprei em Porto Alegre. 


Para a massa do pão, usei uma farinha de trigo branca, do sítio Jatobá (que compro na feira de orgânicos do Parque da Água Branca). É impressionante que ela absorve mais água que a farinha branca comum. Deve ser porque tem mais fibras. Prova disso é que o pão não fica tão branco e a massa fica bem gostosa. Poderia ter deixado crescer mais, mas já era hora do piquenique e meu forno está uma porcaria de lerdo. Ainda assim, deixei uma parte sem rechear e ficou muito bom pra comer com manteiga e geleia. Adicionei um pouco de sementes de abóbora torradas, linhaça dourada e sementes de nigela - que trouxe de Paris, uma especiaria de toque cítrico espetacular (na aparência, é como um gergelim preto, mas as semelhantes param aí).  À receita, pois:


Pão com sementes de abóbora 


Coloque numa bacia 1envelope (10 g) de fermento biológico seco e junte aos poucos 3 xícaras (720 ml) de água morna. Mexa até dissolver. Adicione 3 colheres (sopa) de açúcar e 1 colher (sopa) de sal, rasas. Vá juntando farinha de trigo aos poucos (usei farinha de trigo orgânica e 1 quilo foi o suficiente, mas se usar o tipo comum, não orgânica, talvez precise de mais - cerca de 1,2 kg), mexendo com colher de pau. Quando ficar difícil de mexer, junte 1 ovo e 1/2 xícara de manteiga e misture bem. Junte mais farinha aos poucos e vá sovando com as mãos até virar uma massa homogênea que não grude mais nas mãos. Junte, então, 4 colheres (sopa) de sementes de abóbora torradas (ou de girassol), 4 colheres (sopa) de linhaça dourada (ou da marrom) e 1 colher (sopa) de nigela - opcional. Cominho tostado ou endro também caem bem. Misture sovando para incorporar. Cubra com plástico ou pano úmido e deixe crescer até dobrar de volume. Divida em 4 e modele os pães. Se for rechear, veja a receita abaixo.  Coloque-os em forma untada e enfarinhada e cubra com pano úmido. Deixe retomar o volume. Antes de assar em forno pré-aquecido quente, polvilhe farinha e faça cortes. Dez minutos em forno bem quente e mais 50 minutos em forno mais baixo. Outra receita bem básica e parecida com esta está aqui.

 
 


Pão com recheio de serralha 


Faça a massa de pão conforme explicado acima. Enquanto cresce, faça o recheio: pique 2 dentes de alho, pique 1 cebola, lave e pique 180 g de serralha e 80 g (um bom maço) de cebolinha, lave e pique 2 tomates sem as sementes e corte em cubinhos 1 gomo de linguiça colonial (ou uma calabresa que tiver em mãos - mais ou menos 100 g). Numa frigideira aqueça 2 colheres (sopa) de azeite, junte o alho e deixe dourar. Acrescente a cebola e refogue até começar a dourar. Junte, então, a serralha, o tomate picado e a linguiça. Vá mexendo devagar até a verdura murchar. Tempere com sal, pimenta-do-reino e pimenta vermelha em pó (usei uma defumada). Espere esfriar. 


Para fazer o pão recheado, abra em retângulo, coloque o recheio no meio e feche a massa - ou cruzando em tiras, como mostro na foto, ou fechando como um envelope ou rocambole. Se quiser, junte ao recheio um pouco de queijo em pedaços. Usei queijo colonial gaúcho. Agora é só deixar crescer e levar para assar. 


Esta quantidade de refogado dá pra rechear 2 pães.


E nhac!

13 comentários:

Flávia Amaro disse...

Lindos pães rústicos, fiquei morrendo de vontade de experimentar. =)

Lina disse...

Olá, Neide, estes pães tem um aspecto divino!Aqui em Portugal as pessoas acham um pouco estranho comer serralha, pois costumam dá-las aos coelhos. Quando for ao campo vou colher algumas e se fizer este pão, duvido que haja alguém aqui que não o coma! Adoro o teu blogue!
Beijinhos e boa semana.

Patricia disse...

Quanta coisa gostosa e fresquinha vindo direto da terra.
Esse pão tá com uma cara tão boaaaaaaaaa rsrsr
Hummmmmmmmmm delicia
bjusss

Marisa Ono disse...

Ah, Neide, a cana e a berinjela já estavam por aqui quando cheguei. O chuchu, o limão são da vizinha. Abacates ganhei da Marta. Os tomatinhos, você sabe, nascem expontaneamente por aqui.

Maria Amélia disse...

Oi Neide, que coisa mais linda esse jeito de fechar o pão. Amei. A massa ficou linda com essa mistura de sementes. Da próxima vez que eu fizer meu pão de linguiça vou fechá-lo assim, cruzando as tiras. Eu só não entendi como vc fêz para dar o efeito vasado no outro pão. Você fechou como envelope e depois fez alguns cortes? Adoro esses efeitos.
bjs.

quintaldadonagloria disse...

Simples e fantástico! Eu me considerava relativamente criativa na cozinha até conhecer o Come-se.

Flavia disse...

que pao lindoooo!

Edna H. Bergan Born disse...

Lindos, Neide! bjos

Maria Leticia disse...

Ai que delícia :)
Agora, a pergunta: sobre as sementes de abóbora, tem algum macete pra usá-las? Ou basta retirar da abóbora e torrar?
Bjs e obrigada pelas receitas!

Neide Rigo disse...

Lina, por aqui também não é comum comer serralhas, que nascem aos montes no mato. Mas eu adoro. Se fizer, me conte. Obrigada!

Marisa, já fiz salada de abacate com os tomatinhos e a cebolinha, temperada com o limão. Fora outras comidinhas boas. Quero ser sua vizinha!

Maria amélia, é fácil: só cortar com a ponta da tesoura. Qualquer dia, eu explico direitinho em outro post.

Quintal, obrigada!

Maria Letícia, comprei as sementes já descascadas e torradas no supermercado pão de açúcar, nas gôndolas de frutos secos.

Um abraço,
N

Manuela disse...

Neide, descobri hoje o seu blog quando andava à procura de informação sobre limão caipira e fiquei encantada com os seus posts. Dado que sou uma portuguesa expatriada no Brasil, uma das coisas que mais sinto falta é do nosso pão. Onde arranja essa farinha? Já experimentei fazer pão com farinha corrente mas é demasiado refinada. Mtos parabéns pelo seu Blog.

Neide Rigo disse...

Manuela, obrigada pelo elogio e pelo comentário no post dos limões. Quanto à farinha, compro na feira de produtos orgânicos no Parque da Água Branca, aqui em São Paulo. Qualquer dúvida, me escreva no gmail.

Um abraço,
N

aguiar disse...

Que beleza!! Ganhou a feira!
Tudo fresco e orgânico, maravilha!
Tudo isso em boas mãos,viram pratos apetitosos.Prova disso é esse pão divino, deu pra sentir o gosto.Hummm
Parabéns!
Abraços