quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Vamos caçar PancMon? Caçando pancs com crianças

Ultimamente quando visito meus pais, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, meu passa-tempo é andar pela redondeza para identificar as plantas alimentícias que crescem por ali.

Algumas são coincidentes com as que temos por aqui, mas eventualmente me deparo com uma ou outra diferente ou mais abundante que aqui.

O mais divertido é fazer isto acompanhada por crianças. Adultos por lá estão sempre ocupados, mas as crianças da vizinhança adoram. Na semana passada tive a companhia de Duda, Izabelly e Steffani, estas fofuras da foto. Quando minha irmã combinou com elas, a menorzinha já foi perguntando: pode tirar fotos? A maior, "posso levar caderno para anotar?" .  Na hora combinada elas estavam lá bem animadas, como se fossem sair pra caçar pokemons. Só que não. Por isto, chamo de PancMon.

A diferença de andar com crianças nestes passeios é que elas se empolgam e querem colocar tudo na boca. E tudo perguntam. Uma perguntação sem fim. Apontam pra grama e querem saber "é de comer?". Colhem uma flor e já vão colocando na boca: "pode comer?".  A gente tem que ficar muito esperta com elas e ficar batendo na mesma tecla: não comam nada que colherem na rua sem perguntar antes para um adulto. E se for da rua, sempre cozido. Quando era caso de plantas de quintal e que podia comer crua, as reações eram engraçadas: Eca! Tem gosto de mato! Que ruim! Hum, tem gosto de mel! Nossa, parece pepino, que bom!

O fato é que a gente passa algumas horas se divertindo com as crianças. E elas são interessadas, dizem que vão mostrar as anotações para a professora de ciência, desenham, fotografam, anotam os nomes, dão risada, muita risada. E a gente também!

Mesmo que você não conheça as plantas alimentícias não convencionais que crescem por aí, tenho certeza que reconhecerá no caminho, nas praças e calçadas, plantas comestíveis que você conhece, como pitangas, bananas, couves, espinafres. E tá valendo também. O importante é levar esta criançada pra ver o espaço público como fonte de prazer e diversão e não só como motivo de medo. Assim construímos cidades mais seguras e cidadãos mais conscientes e felizes.   Então, que tal convocar sua turminha para um passeio deste tipo?

Tem criança que só anda de carro e é meio desajeitada pra entrar no mato.
Outras são escoladas e pulam as moitas como cabritinhos.  Vai da prática! 
O que as crianças colheram. Até café e couve! 

Este passeio fiz sozinha. Numa única calçada abandonada. 
E olhe só o que encontrei na calçada abandonada da foto acima:
almeirão silvestre, lingua de vaca, tansagem, buva, almeirão roxo,
dente-de-leão, beldroega, endro silvestre, alho silvestre, capiçoba, serralha ..





4 comentários:

Silvia Orchidea disse...

Olá Neide
Apaixonada pelo teu trabalho!
Favorzao quando recolher esses verdes e flores fabulosos...antes de fazer a foto escrever no papel onde as deposita o nome das preciosas..
Quero conhecer e estou q nem a criançada: pode comer??
Abs
Grata
S.O.
Rio

Gladis Maria Wust disse...

Apoiado.

César disse...

É isso mesmo, foi o que quis dizer anteriormente. Identificar tudo ou não colocar nada aqui. Este blog é bastante científico e preciso para apenas apresentar fotos sem identificação
Abs sempre

Neide Rigo disse...

Silvia, Gladis e César!
Obrigada pelo conselho, mas ao longo do blog tenho postado fichas mais completas de cada planta. Não posso me privar de postar o que quero no meu próprio blog ("identificar tudo ou não colocar nada aqui"!) porque às vezes não tenho tempo de colocar os nomes. Este blog não é científico, é só um relato das coisas que faço e compartilho. Há vários guias de identificação de espécies comestíveis, a começar pelo livro do Valdely Kinnup e vários outros blogs. O Come-se não é exatamente para isto, embora vez ou outra faça isto como podem ver em várias outras postagens. E esta postagens, em especial, era só pra incentivar as pessoas a fazerem o mesmo.
Um abraço,n