quinta-feira, 16 de maio de 2013

Arroz com cúrcuma e tudo o mais da horta

Chegou a hora de colher a cúrcuma (ou açafrão-da-terra). Já falei tanto de cúrcuma aqui (é só ir aí no campo de busca), que me restrinjo a dizer que nesta época as folhas amarelam e tombam. É hora de collher. 

Ou se colhem ou se deixam os rizomas na terra para que na primavera ressurjam em grande moita. O ideal é colher, separar e na época certa replantar para ter moitas separadas, multiplicando a próxima colheita. E depois de colhido, o rizoma pode ficar em local fresco para ser usado conforme a necessidade. Ou se pode fatiar, secar ao sol e pilar para se usar o pó. Eu prefiro deixar em local fresco até que comece a brotar, quando será a hora de plantar - e  isto acontece lá pro final de setembro.

E fresco, uso ralado junto com o alho que vou refogar - uns dois rizomas para um prato com rendimento de 4 porções. Ou bato no liquidificador com a água que vou usar no prato a ser preparado. No caso do arroz, uso 1 unidade para cada xícara do grão.  Além de colorir como açafrão, confere bom sabor e um tanto de curcumina, o antioxidante que nos faz mais saudáveis. 

Este da foto, com tudo o que tinha plantado por perto, fiz assim: refoguei alho e cebola em pouquinha gordura de porco. Juntei 1 xícara de arroz, mexi, juntei 1 colher (chá) de sal, mexi. À parte bati 1 rizoma sem pele e 1 galho de manjericão com 1 xícara de água morna no liquidificador até triturar bem. Coei, misturei com 1 xícara de água fervente e despejei sobre o arroz. Acrescentei vagem de orelha-de-padre (lab lab), pedaços de pimenta dedo-de-moça sem sementes, cambuquira de abóbora e de chuchu (os brotos jovens), grãos de andu e flores de capuchinha. Quando ferveu, abaixei o fogo e cozinhei por cerca de 15 minutos. E nhac. 

Se quiser comprar para comer ou plantar, procure em feiras de produtores, no Mambo, no Ceagesp, sacolões. É a hora de encontrá-los por aí. 

Estes, ganhei da amiga Veronika, que também já colheu os do quintal dela 

6 comentários:

Obdulia Belmonte disse...

Que lugar lindo! E que sorte a dele ter vc como dona. Parabéns pela colheita. Não me canso de ler TUDO que vc escreve.

marta.hoffmann disse...

Oi Neide,
Acho que já comentei em outros posts que vc.colocou que adoro curcuma, que ainda na America tentei plantar mas não consegui nada,talvez por causa do clima.Aqui,em Antibes, o Aloe Vera, tem em todos os lugares, nasce selvagem, por isso fico pensando se tivesse uma raiz de curcuma,talvez ela poderia crescer.Pelo teu blog,sei que de vez em quando vens aqui na França e como tens curcuma agora no teu sitio,vou ficar em alerta para saber qdo.vens por aqui e pedir um pedacinho da tua curcuma (rsrsrsrsr).Comprei ela aqui em pó,mas é diferente da fresca.

Neide Rigo disse...

Obrigada, Obdulia!

Marta, se soubesse que queria... Minha filha está voltando hoje de Paris. Mas quando minha sobrinha vier, eu lhe mando.

Um abraço,n

aguiar disse...

Hum...esse arroz tá com uma cara boa!(consigo sentir o cheirinho...)
Gosto muito de arroz, ainda mais assim com alguns ingredientes, fazendo dele o prato "principal"e único...muito bom!
Neide será que curcuma pode ser plantado no litoral, com sol bem quente? e em terreno arenoso?
Um abraço

marta.hoffmann disse...


Wow!!!... Neide, obrigada antecipadamente!!!...como comentei uma vez,achava a curcuma fresca por lá ,só nos mercados indianos,,mas por aqui não encontrei nenhum, por isso vou ficar esperando um toque seu qdo.surgir a oportunidade de sua sobrinha ir ao Brasil.

Anônimo disse...

Adorei suas receitas com curcuma, preciso encontrar esta raiz linda e inclui la na minha alimentação diária. Estou lendo o livro Anticâncer e nas páginas 141 à 144 o autor fala do poder anti-inflamatório do curcuma e como e porque deve ser utilizado como um alimento anti-cancer. Os Indianos e paises que consomem o curry sabiamente utilizam a pimenta ou o gemgible ao curcuma para que seja melhor assimilado pelo organismo. É a sinergia natural entre os alimentos.
Sou jardineira por paixão e profissão porisso na próxima primavera deverei ter rizomas brotando juntamente com as Dalias.
Obrigada Neide. foi um grande prazer ler seu blog. Ass. Margarida