terça-feira, 1 de novembro de 2011

Folhas de uva para uma minestra



Gostaria tanto de ter tempo para me debruçar sobre um dos tantos livros de receitas que tenho aqui. Comidas regionais brasileiras, comida de Israel, da Turquia, de Singapura, da China. Gosto especialmente daquelas em que os ingredientes coincidem com o que podemos encontrar facilmente no Brasil. Não me animo nem um pouco a atravessar a cidade (que dirá o oceano) atrás de um ingrediente, sendo que temos tantas opções. Sempre penso: eu posso morrer sem isso, porque de fato vou morrer sem conhecer muita coisa e uma a mais, outra a menos, tanto faz, que eu me divirto com o que tenho por perto e está bom assim.  

O negócio é que não tenho mesmo tempo para ficar pesquisando receitas como gostaria e a hora do almoço chega rápido atropelando o tempo que havia destinado para dar cabo de tanta coisa pela manhã. E lá vou eu ver o que tem disponível porque saco vazio não para em pé.

Um filé de copa suíno, um pouco de ervilhas secas, uma sobra de arroz integral cozido, uma cebola e batatas orgânicas, uns temperinhos, azeite e só. Pensei em aproveitar o invernico e as sobras da geladeira para fazer uma minestra, mas faltava alguma folha. Fui ao quintal e não achei as couves muito vistosas. Tampouco as folhas de capuchinha ou de ora-pro-nobis, poucas pelo uso recente das espécies. Em compensação, olhei para a videira que até outro dia era só um galho seco e as folhas estavam radiantes e tenras, ainda rescendendo aos pingos da chuva de ontem. São mais firmes que couves e poderiam ser cozidas no mesmo tempo das ervilhas. E são tão nutritivas quando outras verduras com a vantagem de terem sabor delicioso, meio azedinho, fazendo as vezes do tomate que eu não tinha. As folhas de uvas no lugar do tomate chamaram temperos como canela, pimenta síria e hortelã. Pronto, uma minestra com um quê de comida árabe. 




Sopa com folhas de uva 

2 colheres (sopa) de azeite 
1 bife de copa suíno picado (75 g) 
Sal a gosto
1 xícara de ervilha seca lavada e escorrida 
1/2 xícara de arroz integral cozido 
3 batatas cortadas em cubo
10 folhas jovens de videira, lavadas e picadas (enrole as folhas como couve, corte rodelas e depois corte as rodelas para fazer quadradinhos) 
1 pauzinho de canela 
1 colher (chá) de grãos de coentro triturados
1/2 colher (chá) de pimenta síria 
2 litros de caldo de legumes ou água quente
Folhinhas de hortelã

Numa panela de pressão, coloque o azeite e leve ao fogo. Junte a carne, polvilhe um pouco de sal e deixe dourar. Coloque a cebola e deixe murchar. Em seguida, coloque o arroz, as batatas, as folhas de uva, o pauzinho de canela, o coentro e a pimenta-síria. Junte sal a gosto. Mexa e junte 1,5 litro de caldo.  Feche a panela e deixe a válvula começar a chiar. Abaixe o fogo e cozinhe por 15 minutos. Desligue o fogo, espere acabar a pressão e abra a panela. Confira o sal e o caldo. Se precisar, junte mais sal e mais líquido. Deixe ferver mais um pouco. Se a ervilha ainda estiver dura, deixe no fogo, sem pressão, até que fique macia, sem se desmanchar. Vá juntando mais água quente se for preciso. Na hora de servir, tire o pauzinho de canela, junte umas folhinhas de hortelã, regue com azeite e pimenta-do-reino, se gostar. E, pronto, nhac! A Eliane, a Dendê e eu adoramos.  Mas, se preferir, invente a sua. 

Rende: 6 porções 

14 comentários:

Dani Alves Seade disse...

Muito legal e original essa receita. Aqui em Caxias do Sul, terra da uva, ela vai fazer sucesso. Parabéns pelo blog.

Pequi disse...

Acho linda as fotos que publica das receitas, parabéns!!

Ondina Maria disse...

Para mim a melhor forma de comer as folhas da videira é como fazem os gregos: dolmadakia :)

angela disse...

Legal! tenho uvas plantadas, elas começam a nascer, mas algo sempre as distrói. A figueira também está com belas folhas. Serve pra alguma coisa?

Leila disse...

Neide minestra aqui no sul e para descendentes de iatalianos como eu é uma sopa de feijão com arroz ou macarão, que se come com queijo e que alias é muito gostoso tenha um bom feriado bjos.

carla disse...

Oi neide muito bom mais um aprendizado... eu adoro folhas mais ainda não comi folhas da vide gostaria de saber se podem ser consumidas cruas?... abraços!

Hilário disse...

Neide, tudo bem? Eventualmente eu faço um pepino em conserva enrolado na folha da parreira..Fica 10!!Antigamente se fazia vinagre a partir da folha da parreira, a conserva une as duas técnicas. Abços

angela disse...

Hilário,me ensina!! Fui provar hoje a folha de parreira. Crua é dura e azeda!!

Sergio disse...

Sou leitor assíduo do seu Blog. Um abraço, Sérgio Pugliese. Corretor especializado em Imóveis na Vila Mascote.

Anônimo disse...

A sopa deve ter ficado maravilhosa mas , a foto de sua parreira esta linda demais acho uma das plantas frutiferas mais lindas desse mundo, acho bonito quando ela seca e parece que nunca mais veremos mais nada e , de repente resurge como se ressucitasse lindaaaaa beijos Denise

Neide Rigo disse...

Dani, aproveite, então!

Pequi, obrigada!

Ondina, sim, cada país do Oriente Médio tem lá suas dolmas, ou os charutinhos como conhecemos por aqui. Mas imagino que dê pra gente aproveitar as folhas também de outras formas. Na sopa deu muito certo. Parece que na Turquia há uma sopa feita com as folhas, mas não sei como é.

Angela, as folhas de figo não são boas para comer, mas não são tóxicas para embalar. Veja esta receita da Alice Water - http://www.epicurious.com/recipes/food/views/Halibut-Baked-on-a-Fig-Leaf-232120

Leila, pois é, minestra é uma mistura de grãos, macarrão, legumes, verduras e o bom é que permite variações. Posso dizer que as folhas de uva caíram bem na sopa.

Carla, acho que podem ser consumidas cruas, sim. Mas não são muito agradáveis por causa da textura.

Hilário, pode nos dar a receita? Parece bom este pepino!

Sergio, obrigada!

Denise, eu também acho incrível.

Um abraço,
N

Fer Guimaraes Rosa disse...

Neide, comentando o seu comentário, já fiz essa receita de peixe embrulhado nas folhas de figo, só que usei o salmão selvagem que a Alice Waters usa no Chez Panisse. essa receita saiu no livro da comemoração dos 40 anos do restaurante. realmente as folhas quando grelhadas exalam um aroma de coco. fica uma delicia! foi a primeira vez que fiz algo assim e lembrei da sua aula de invólucros--acho que ate comentei isso com voce. um beijo!

Neide Rigo disse...

Fernanda, é mesmo! Agora lembrei. Vou testar quando encontrar folhas de figo por aqui. Beijos, N

Hilário disse...

A receita da conserva de pepino na folha da parreira é uma experiência interessante!!Era feita pela minha avó em um pote de cerâmica guardado em um quarto escuro no rancho no fundo da casa. Neste mesmo local abrigado da luz ficava o chucrute, o vinho feito de frutas, etc.. e eventualmente um neto de castigo!! No fundo de um pote faça uma camada de folhas, depois vá colocando os pepinos enrolados em folhas,no final cubra novamente com uma camada de folhas de parreira. Cubra com água e um pouco de sal.( coloque uma pedra ou algo que deixe as folhas submersas ) Pode usar o pepino de conserva , mas aqueles com um tamanho um pouco maior, ou o pepino caipira menor. Aí é só deixar fermentar e ir acompanhando,´pode levar 10 dias mais ou menos( fora da geladeira). Minha avó fazia em um pote grande e ia tirando aos poucos, sempre com a mesma água. Eu faço diferente para ser mais prático, quando está pronto, jogo a água e as folhas fora e coloco os pepinos em um vidro com água é um pouco de vinagre e guardo na geladeira.. O sabor é bem diferente do tradicional..
Abços