sexta-feira, 27 de maio de 2011

Flor de babosa para comer


Soube pela primeira vez que se come  flor de babosa com a mexicana Carmen, que tem um blog que adoro e onde aprendo um bocado sobre ingredientes mexicanos: saboreartentusiasma.blogspot.com.  Depois, também vi as flores num catálogo editado pelo Slow Food sobre recursos alimentares do estado de Puebla. Aqui também é citada a flor de sábila, como ela conhecida no México.  Aliás, Carmen achou engraçado o nome que damos à planta: "Qué chistoso nombre tiene. Acá le decimos babosa a una mujer muy tonta y descuidada que le suceden cosas estúpidas."   


É verdade que mesmo no México, e tenho certeza que por aqui também, nem todos sabem sequer que a Aloe vera, a suculenta nativa da África, dá flores. Quanto mais que estas flores são comestíveis. Mas desde que fiquei sabendo, fiquei a espera de alguma babosa florida. A da minha vizinha está laranja de flores e a planta fica na calçada, mas fiquei sem jeito de pedir. E também só percebi antes de viajar pra Fartura. 


Basta tirar as flores do pendão. Elas saem fácil e podem ser usadas inteiras




Chegando lá, ou melhor, saindo de de Fartura, quando já estávamos na choradeira da despedida, Marcos com o carro ligado, voltei para pegar algo dentro da casa da minha mãe e passei pelo jardim todo florido. No canto, vi muitos cachos de babosa, com flores delicadas e coloridas como pedacinhos de cenoura espetados num bastão. Quebrei alguns e coloquei no porta-malas, embrulhados em jornal. Chegaram bem aqui, só um pouco murchas, mas remoçaram assim que lhes dei água. Sabe aquele melzinho de flor de salvas vermelhas que a gente chupa quando criança? Pois todas as florzinhas de babosa têm, com a vantagem de serem crocantes e suculentas. Em nada lembram o amargor do sumo de babosa, mas imagino que tenham algumas propriedades medicinais coincidentes. E na babosa são muitas - acho que todo cozinheiro deveria ter um pezinho por perto, para curar eventuais queimaduras. 




Para a quiche, usei aquela receita que já dei aqui, apenas substituindo o caruru por flores - uma xícara, mais ou menos, que refoguei na manteiga. Usei queijo colonial meio duro, ralado. O resto foi igual. Outra quiche parecida, só que com cogumelos, está aqui. É só substituir uma coisa pela outra. 


Para o arroz, apenas refoguei as flores com a cebola e fiz um arroz mole, tipo arroz malandrinho, como este aqui.  Mais ou menos 1 xícara de flores de babosa para 1 xícara de arroz. Usei para temperar umas folhinhas de cipó-alho e de mentruz (erva-de-santa-maria, epazote) para dar um quê de México. 


As flores crocantes vão bem também nas saladas de folhas verdes (ou amarelas, vermelhas, roxas..). 

15 comentários:

Andréa Potsch disse...

Que legal Neide! Adoro quando divide suas novas descobertas com a gente! Também quero provar...
bjs

Beta disse...

Os pratos ficaram lindos e apetitosos, porém não consigo imaginar que sabor tem! É novidade para mim! bjs

Gina disse...

Já comi vários pratos com hemerocallis, provei pétalas de rosa em salada.
Tenho visto a babosa florida nas minhas andanças pelo bairro. Não sabia que eram comestíveis.
Bjs.

angela disse...

As minhas sáo amarelas!! servem (estou temporariamente sem ponto de interrogacao, til e cedilha)

Lua disse...

Que lindo!

clau disse...

Ah, mas que boa novidade esta!
Só me falta ter a planta...
E Neide, eu estou aqui sim, quer dizer, estamos todos, menos os papagaios que ficaram la na Italia.
Igual na música de Sérgio Endrigo, "Arca de Noé": partimos eu, ele, a cachorra e a gata.rss rss
E, agora, tenho interfone funcionando, ok?
Muitas vzs estou em casa.
Bjs!

Valentina disse...

Neide que coisa fantástica! Nuncio pensei. Conhecia suas propriedades curativas de queimadura, e por aqui se bebe sucks com babosa. Amo, absolutamente amo esters descobertas de um mundo tão rico.obrigada pela partilha. Como sempre.

Gabriele disse...

Tudo isso é novidade para mim, será que ainda vou conseguir experimentar essas tantas coisas diferentes que vc faz?

Beijos

Carmen disse...

¡Qué maravilla de color tienen esas flores de babosas! JAJA, no puedo concebir ese nombre sin reir o ya de plano pensar en los tlaconetes que salen en el jardín. También les decimos babosas a esos caracoles de tierra sin carapacho. Tlaconete es una palabra nahuatl, su etimología es de tlalli, tierra, y cónetl, hijo, niño; es decir hijo de la tierra.
Bueno, eso para que sepas lo que son las babosas para los mexicanos.
Me han encantado tus recetas para preparar las flores. Un abrazo fraterno

Anônimo disse...

boa dica! acho que as flores são de aloe arborescens, pois as da babosa (aloe vera) são amarelas.

Omar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Omar disse...

A Aloe vera ferox também apresenta flores com essa coloração.

Seu blog é ótimo muito obrigado por tudo.

Sitio Portal do Sul disse...

Fizemos uma salada de rucula com flores de babora, aqui no sitio, uma espetaculo de sabores.
Claudinha e Lima

Gina disse...

Encontrei as flores da babosa e provei crua, mas... não gostei... Gosto não se discute, não é mesmo?
Agora, se tivesse numa ilha deserta, como aquela descrição que você fez muito bem e falava do pincel de estudante, por exemplo, claro que eu comeria a flor da babosa se a encontrasse...rs!
Boa semana aí em Belém!
Bjs.

Elena sem H disse...

Neide

Será que as flores de todos os Aloe são comestíveis? Aqui vêem-se muito os Aloem arborescens. E os A. vera até hoje não sei ao certo quais são, porque já encontrei respostas diferentes de acordo com a fonte consultada... De flores amarelas, laranjas... Mas com folhas listradinhas, isso sim. Fiquei com vontade de provar. Beijos!