terça-feira, 15 de junho de 2010

Não é circunstancial, é intrínseco

7 comentários:

Anônimo disse...

Tivemos umas assim, resultado do vai-vem das abelhas entre as courgetes e as ornamentais.
Mas impossíveis de comer devido ao amargor.
Abraços
Manuela Soares

Inês Correa disse...

Ubuntu! Beijo

Neide Rigo disse...

Nela, por aqui esta variedade não resultou amarga, não. É coisa da Embrapa.

Ubuntu pra você também, Inês!

beijos, N

Karen disse...

Alguém mandou a foto dessa abóbora para o Globo rural! Vi em um dos últimos programas. :)

Neide Rigo disse...

Karen, esta tirei no Terra Madre, em Brasília, em 2007. São lindas, né?
bjs,n

clau disse...

Que tortinha mais apetitosa esta sua!
E a idéia de fazer os brotinhos com os graos, foi uma otima dica.
Pq eu sò usava aqueles de soja, ja comprados prontos.
Aqui, ainda por cima, vem em latinhas e sao da Bonduelle...
Bjs!

Ana disse...

Oi Neide
Vi ontem uma reportagem sobre essas brasileirinhas que foram desenvolvidas pela Embrapa.
Ainda na reportagem soube que uma delegação da África do Sul estevena Embrapa e pediu autorização pra vender a abóbora lá, nessa épóca de copa do mundo.
E vai se chamar Bafaninha.

Um beijo.