sexta-feira, 25 de junho de 2010

Inhame ou taro com camarão



O inhame que fiz com carne-seca estava bom, comi tudo, mas um inhame daquele tamanho não se acaba de uma hora pra outra. Sorte, pois a Nina me clareou as lembranças em email:
Neide, quando gosto de uma coisa não me esqueço mais. Adorei este inhame, era assim mesmo, um pocochito mais magro (mas, também, quem conseguiria um inhame tão gordo?) Quem fez foi a Ina, que hoje é dona do Mestiço, mas ainda não era. Por cima era um camarão ensopado, mas acho que tipo baiano, dendê, coentro, estas coisas. Era uma mistura muito boa.... Bom, tenho certeza que era com dendê e baianices, porque é o único jeito de que gosto de camarão. Agora, de inhame gosto de qualquer jeito e todo dia. Bicotas. Nina
Corri hoje antes do jogo ao Mercado da Lapa, comprei camarão, coco e coentros Foi meu almoço com a cidade em silêncio, televisão desligada, vuvuzelas lá longe. Uma mistura de bobó de inhame desconstruído, com moqueca capixaba no miudinho dos temperos, e moqueca baiana do dendê e leite de coco. Comi de querer mais, mas guardei pro Marcos comer no jantar.



Para a moqueca de camarão
Limpe os camarões (cerca de 500 g com casca), separe alguns inteiros para dourar no azeite com sal e pimenta para enfeitar o prato depois. Tempere 300 g dos camarões limpos com 1/2 colher (chá) de sal, 1 dente de alho, 2 rodelas de pimenta dedo-de-moça e umas gotas de limão - tudo bem socado antes no pilão. Enquanto isso, pique os outros temperos - 1 tomate, pimentão vermelho e pimentão verde (mais ou menos 1/3 de xícara de cada um depois de picado em quadradinhos) e meia cebola. Numa panela de barro, aqueça 1/2 colher de sopa de azeite. Junte a cebola e mexa até murchar. Junte os pimentões e os tomates e adicione umas 2 colheres (sopa) de folhas de coentro picadas. Mexa delicadamente, polvilhe um pouco de sal e deixe cozinhar com a panela tampada por uns 5 minutos ou até tudo começar a ferver (se não usar panela de barro, talvez estes tempos sejam diferentes). Junte o camarão e misture com jeitinho. Despeje o leite de coco e tampe a panela. Quando a mistura estiver fervendo e o camarão ficar opaco, experimente o sal e corrija, se necessário. Ah, se quiser, junte mais pimenta dedo-de-moça em rodelinhas (com ou sem sementes dependendo da sua tolerância a ardidos) junto com o camarão. Regue por cima 1/2 colher (sopa) de azeite de dendê (use o puro, sem óleo de soja misturado, que é mais gostoso e mais colorido) e umas gotas de suco de limão. Misture só a superfície, junte mais folhinhas de coentro frescas e sirva com a rodela de inhame cozida (ou com arroz branco, cará, batata ou cará-moela etc). Rende umas 4 porções
Para o inhame: coloque numa panela com água todas as cascas e cabeças (depois de lavadas por dentro) dos camarões além de um dente de alho, galhos de coentro e 1/2 colher (sopa) de sal. Cozinhe nesta água uma rodela de inhame com 150 g ainda com casca. Quando ficar macio, tire do caldo, descarte a casca com faca pra ficar com borda lisinha, cubra com a moqueca e nhac! Servido, Nina?

16 comentários:

Gilda disse...

É! Não vai ter nenhuma maneira de deixar de fazer para o almoço de amanhã. Até o taro com certeza vou encontrar na feira logo cedo, assim, bem grandão. Ficou ainda mais lindo que com a carne de sol. Quase dá para sentir o cheiro. Valeu! Bom fim de semana pra você.

Anônimo disse...

Olá, Neide
Muito lindo!Gosto muito de suas fotos e fico admirada de vc elaborar o prato e clicá-lo.Parabens!
Você tem razão, o vegetariano tem que ser criativo ...pq precisa.No meu caso estou já pensando como fazer para imitar vegetarianamente as tuas duas formas de comer uma fatia de inhame....mas já tenho uma idéia , claro que não será com o sabor de camarão...né? mas...
Algum vegetariano se habilita de me ajudar?
Eu fazia um rocambole de inhame, usava tahine no lugar da manteiga, fazia um recheio de legumes ralados ou de soja no molho de tomate, uma coisa assim, já não lembro direito.Não queres criar uma receita especial? Pode ser pro próximo inhame.
abraços
Cristina

Anônimo disse...

Neide,vc pode tirar uma dúvida?
Aí em SP(Jarinu, Jundiaí) o que eu chamo de inhame é cará e o que eu chamo de cará é inhame, pode?
Pelas tuas fotos o que chamas de inhame é o mesmo que eu chamo. O nome taro eu desconhecia. É uma confusão, pois aqui(no CE) conhecemos como cará (japones)é uma raiz(?)pequenina, com casca em círculos....agora uma paulista me confunde mas me convence que estou certa.Por favor me esclarece, grata
Cristina

Neide Rigo disse...

Gilda, aqui, no bairro da Liberdade, também são vendidos destes taros bem grandes.

Cristina, tente fazer uma moqueca com cogumelos frescos. Deve funcionar. Se puder, vou testar.

Cristina, tanto o pequeno quando este bitelo, são taros (que por aqui são chamados de inhame). Já aquele branquinho, com textura granulada, grande ou pequenos, chamamos de cará. Mas isto é mesmo uma confusão. Mostrei os nomes e as diferenças dos dois aqui: http://come-se.blogspot.com/2010/05/paozinho-de-cara.html e aqui: http://come-se.blogspot.com/2008/06/car-do-ar-car-moela-ou-inhame-do-ar.html , mas também em outros posts.
Um beijos, N

J P Diniz disse...

que delícia deve ter ficado, já há muito que não como uma boa moqueca. Mas isto não dá para mandar pelo correio...

Anônimo disse...

Neide
grata pelas dicas, vou testar e procurar.
Bom fim de semana
Cristina

Gilda disse...

Neide, eu fiz, eu fiz! Ficou uma delícia, embora eu não tenha colocado todos os temperos que você usou. E foi tão fácil e rápido que nem acredito. Você só nos dá boas idéias :) Obrigada.

Nicole disse...

Querida Neide,

Saindo totalmente do assunto do post, será que você pode me ajudar com este terrível dilema? Como se escolhe mandioca? Você foi a primeira pessoa que me ocorreu. Minha vó e eu estamos super frustradas, porque toda vez que compramos mandioca, ela é dura. Qual o segredo da mandioca molinha?

Beijo!

Neide Rigo disse...

Gilda, que bom saber. A ideia não foi minha, foi da Ina, contada pela Nina!!

Nicole, até hoje também não descobri. O que sei é que deve ser colhida quando o solo está seco. Mas só de olhar, a mandioca não nos dá nenhum indício. Então acho que vai da confiança no vendedor. Desculpe não poder te ajudar.

Um abraço, N

david era uma vez... disse...

Ta ai gostei, um novo jeito de comer inhame, me incomodo um pouco com a cor azulada que ele fica ao cozer e comida azul não combina com nada!
Mas acho que o dende deve disfarçar o azul.
Valeu pela ideia!

Apicio disse...

Taro (ou colocacia como é conhocido em terras beirando o Mediterrâneo) é bem conhecido na integral de Ásia e sobre todas as ilhas do Pacífico. Em Havaí, é feito em seu item principal de refeição chamado poi. Pode contar um livro de receitas contém receitas perto da comida de pessoas comuns quando inclui receitas para taro. Nas Filipinas, à parte de feito numa pasta doce, taro cozido e ralado é adicionado em sorvete. E tanto em Filipinas como nas ilhas do Caribe, as folhas e talos são cozinhados como verduras, geralmente com leite de coco.

Neide Rigo disse...

Oi Apicio, obrigada pelas informações. Já falei também sobre poi e o taro no Pacífico aqui: http://come-se.blogspot.com/2007/06/inhames-e-cars.html

Um abraço, N

Suzana Rigo disse...

Olá Neide. Eu fiz e ficou delicioso. Faltou o dendê, mas como ainda sobrou inhame de Fartura, da próxima vez eu experimento a receita completa.
beijim

Neide Rigo disse...

Suzana, é só vir buscar dendê aqui (tenho um litro do bom). De qualquer forma, o conjunto leite de coco, coentro e limão sempre fica bom.
beijos, N

Cristina disse...

Olá Neide
adorei tuas idéias culinárias. Eu também tenho um cantinho para plantar inúmeras plantas. Veja o endereço:
http://sitioearte.wordpress.com/
Gostaria de saber se a ora-pro-nobis que tu usa na culinária produz flores??
Eu tenho uma que produz e outra que nunca deu flores.
Sucesso
Namastê
Cristina

Neide Rigo disse...

Cristina, a planta de ora-pro-nobis que tenho aqui no meu quintal nunca dá flores porque vivo a podá-lo, mas no sítio, planta da mesma ascendência sempre floresce.
Um abraço, N (vou lá ver seu blog)