segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Panetone com levain

A primeira leva. Amanhã tem mais
Se você está chegando a este blog agora, por favor veja as postagens anteriores em que explico como começar o levain, o tipo de farinha que uso, como ele tem que ficar. Agora, se você já está com o seu levain prontinho, é só começar a fazer o panetone. 

Se seu levain está frequinho, ainda cheio de bolhas, ótimo. Se ele está na geladeira ou se já fermentou e murchou, também tudo bem, porque a primeira fase da receita é fazer uma esponja, que nada mais é que o seu levain reformado. Guarde o que sobrar na geladeira para servir de isca para o seu próximo pão (eu costumo guardar 100 gramas e reformo para que fique com 500 g (num pão de 1 kg de farinha, uso 400 g dele reformado e guardo 100 g - e assim sucessivamente). Veja aí na caixa de buscas: pão do zero ou pão com levain ou simplesmente levain ou pão com caldo de cana (onde informo sobre substituições).  

Se esta esponja não crescer suficientemente, nem adianta continuar a receita, pois vai perder ingrediente. Esteja sempre por perto porque não há aí uma conta matemática do tempo. No ambiente doméstico é difícil controlar a fermentação conforme a nossa vontade. Quem manda é o fermento e não o nosso tempo. 

A receita do panetone de que falo está aqui: http://come-se.blogspot.com.br/2013/12/receita-de-panetone.html

Boa sorte! 

Veja algumas fotos do meu:

A esponja tem que ficar assim 



10 comentários:

panerama disse...

Olá Neide, há algum tempo acompanho seu blog, nem preciso dizer que admiro seu trabalho e agora que postou uma receita de panettone aproveito para dizer que temos (eu e meu marido) uma minipadoca de pães com levain e ingredientes orgânicos e nesse ano fizemos panettone, adaptamos uma receita tradicional italiana, um pouco diferente do seu e colocaremos no blog (http://paneramaminipadoca.blogspot.com.br/) e mais, moramos em uma chácara em são josé dos pinhais, mais precisamente na Borda do Campo de S. Sebastião, quando estiver por perto venha para uma degustação sei que é uma pretensão, mas seria um grande prazer!
Tania

Neide Rigo disse...

Tania, lindo o blog. Posso imaginar, então, o lugar, a padaria. Obrigada pela citação na geleia de amora.
Você diz que quando estiver passando por perto, mas eu ir especialmente para visitá-los? Quero aprender mais sobre aqueles pães lindos.
Obrigada, um beijo,n

panerama disse...

Oi Neide, falei de qdo estiver por perto pois li em algum lugar que teus pais moram em são josé dos pinhais, estou enganada? mas tb pode vir especialmente, adoraríamos!!!!!!

Neide Rigo disse...

Tania,
é verdade. Confundi com Santo Antônio do Pinhal, aqui perto. Quando for pra minha mãe, com certeza vou visitar vocês.
Um beijo,n

panerama disse...

Uau! Que bacana!!!!!!!!!

Elaine Felipe disse...

Oi Neide,
Vc acredita que a esponja possa demorar mais que 12 horas para ficar com as bolhas? Você imagina um tempo limite para chorar e começar de novo?

Bjs

Anônimo disse...

Lindo!!!!!
Aqui em casa ficou para depois do natal, mas tenho até o dia de reis,para fazer.
Beijo para família toda, muitooo obrigado

ana

Neide Rigo disse...

Elaine, pode, sim. Às vezes a massa não foi suficientemene colonizada pelas leveduras e pode demorar um pouco mais para crescer.

Ana, depois me conte.

Um abraço,n

Elaine Felipe disse...

Oi Neide,
Hoje a esponja cresceu 😊😊 demorou quase 36 horas, mas está cheio de bolhas! Uma beleza, então lá vamos nos dar continuidade.
Bjs

Fernando disse...

Olá Neide,

receita maravilhosa! Fiz e ficou delicioso!

Muito obrigado!