quinta-feira, 6 de março de 2014

Caferana. Resposta à charada


Hoje tem coluna minha no Paladar. Amanhã reproduzo aqui com mais fotos e mais detalhes.

A verdade é que quem respondeu conhecia a frutinha. Até parece que é uma fruta popular, mas não é, não. Nem nas terras de origem. O alto índice de acerto tem a ver com a inconfundibilidade da fruta. Quem conhece, conhece. Difícil confundir. Só eu com os nomes. Já explico.

Caferana é a resposta à charada. Ou não, afinal caferana pode nomear fruta de outra espécie. E a mesma espécie pode receber nome de outras frutas. Cereja, ameixa do peru, cereja espanhola, ameixa, cereja, fruta manteiga de amendoim, caferana e até falso guaraná. Não, não vamos chamá-la de falso nada. Nenhuma espécie viva ou morta merece o desdém de ser chamada de falsa alguma coisa. Caferana pode confundir com outras espécies também. Porém, caferana é bonito, é facilmente associado a esta fruta e não corremos o risco de achar que seu mérito está em se parecer com guaraná, ameixa ou cereja. Agora, para não ter erro mesmo, basta chamá-la pelo nome de batismo, Bunchosia armeniaca. Da família da acerola.

Meu amigo Guilherme Ranieri, durante um passeio aqui no meu bairro para coleta de espécies alimentícias nas ruas, já havia me mostrado a árvore aqui na vizinhança. Ele logo se lembrou do nome, caferana, me mandou email, falou que havia experimentado ainda dura e que não era gostosa. E a conversa parou por aí. Não sei porque, cismei que a planta era a azeitona do ceilão e fiquei com este nome na cabeça, mesmo tendo o Guilherme me dito que não era.  No antigo sítio dos meus pais, em Fartura, havia uma árvore dessa entre os pés de café e também cheguei a provar um fruto duro, já com cor alaranjada. Não achei nada bom e nunca mais me interessei por ela. Desprezo total. Mas o tempo passou e eis que a fruta madura aparece a menos de cem metros da minha casa.  Nem sabia que de laranja a fruta passava a vermelho. Nunca tinha tido a felicidade de encontrá-la em tal estado de graça.

Tudo aconteceu quando na última sexta-feira minha vizinha Ana me convidou para ir colher folhas de mamão na praça para fazer aquele defensivo que mostrei aqui (ela está usando no solo para uma praga nas suas flores e tem dado certo). Na volta, avistei uma árvore no estacionamento do clube carregada de frutinhos vermelhos. Vamos lá comigo?, convidei Ana. Claro. Já cheguei colocando na boca a mais madura que encontrei. Ana fez o mesmo. O que é?, ela perguntou. Acho que é azeitona do ceilão, ignorando que o Guilherme já havia me contado. Aliás, aprendo muito com o Guilherme. Mas ele sabe tanta coisa que vou guardando aos poucos na medida em que me deparo com a coisa ou na justa necessidade do momento.

Ana havia levado um saquinho e fizemos a festa depois de provarmos e gostarmos. Ela foi mais rápida que eu na identificação do sabor: hum, tem gosto de amendoim. Poxa, é mesmo, um sabor suave de amendoim cozido, manteiga de amendoim, ficamos ali divagando e colhendo.

Juliana Valentini, do viveiro Oiti e do blog De Verde Casa é outra que vive me acudindo.  Chegando em casa mandei fotos pra ela dizendo que havia comido azeitonas do ceilão maduras. Tem fotos das flores?, ela perguntou. Sim, mandei. Então não é azeitona do ceilão, mas Bunchosia armeniaca (ela nunca fala o nome popular, vai direto à identidade botânica).  Confusão desfeita, pesquisas, pesquisas e a surpresa do nome em inglês, peanut butter fruit (fruta manteiga de amendoim). A partir daí foi só alegria de saber tanta coisa da fruta tão nutritiva e descobrir tantas possibilidades.  Os nomes populares brasileiros e estrangeiros do tipo falso isso, falso aquilo, ameixa aquilo, cereja aquilo outro, peanut butter etc nos costumam levar à exaustão quando se quer saber exatamente do uso daquela fruta na cozinha. Já a descrição botânica e composição química e nutricional, por exemplo, são mais fáceis porque leva em conta o nome científico que é um só.  De minha parte, não erro nem confundo mais.

O que fiz, então, foi explorar por conta própria a fruta de acordo com o que ela oferecia. Cor vermelho forte, doçura, sabor de amendoim, textura de doce de feijão, como disse o leitor David.  De fato, o fruto verde não tem graça. Cheguei a cozinhá-lo com sal para ver se era comestível, mas não gostei. Tem sabor um pouco amargo.

Bem, a fruta não é nossa, nativa, porém, vem de próximo. Dos Andes da Colombia, Equador, Peru, Bolívia. E se dá muito bem por aqui. Estamos em plena temporada de flores, frutos verdes e maduros.

As folhas lembram as de café, talvez daí o nome caferana. As sementes gordinhas e pontudas ocupam grande parte do fruto. Um projeto de semente, como se fosse uma só que chapada, também ocupa espaço da polpa e não deve servir para nada. Às vezes o fruto se separa justamente entre uma parte mais fina com o arremedo de semente e outra com a semente fértil. A pele é super fina e sai fácil do fruto maduro, basta puxar com os dedos. É também comestível, nem precisa tirar.

É gostoso comer o fruto colocando-o inteiro na boca como uma azeitona (aliás, é um pouco maior que uma azeitona gorda) e tirando o caroço chupado. A massa lembra extrato de tomate e, como disse o Elson Elque na charada, pode ser usado como tal (o leitor conta que a tia, na Bahia, fazia o extrato da fruta e usava em vários pratos).  Posso dizer que tive a mesma inspiração quando vi a massa que rendia.

Não é fácil separar a polpa do caroço pelo corte, mas se passar por peneira a polpa densa e macia  não oferece resistência. Outro jeito que dá certo é congelar a fruta e tirar lasquinhas. Fiz assim para bater com kefir - combina com ingredientes azedos, já que é como um caqui em matéria de acidez. Não se sente acidez alguma.  

Além do kefir batido, fiz a fruta dourada no azeite com flor de sal, no molho para o peito de pato e passado diretamente no pão com mel (assim como americano gosta de fazer com a verdadeira manteiga de amendoim). Achei tudo delicioso. No molho para o peito de pato, não dá pra dizer que não seja tomate, pois juntei um pouco de vinagre - uma certa acidez somada com a doçura e a cremosidade que lhe são próprias resulta num molho perfeito que substitui o de tomate facilmente - o sabor de amendoim desaparece quando combinado com outros elementos pois é muito sutil.

Agora que já dei a ficha, dê uma olhada nas calçadas do seu bairro. Por ser uma árvore muito ornamental, não é raro encontrá-la por aí manchada de flores amarelas e frutos verdes, laranjas e amarelos.  Você vai reconhecer pelo biquinho, pela cor e pelo sabor. Mas veja aqui todas as fotos que tirei para não ter dúvidas. E explore você também os usos desta fruta tão pouco valorizada mesmo nos países de origem.

Vermelhos assim: delícia!
Verdes e verdolengos, ainda que coloridos, não são gostosos não.

As sementes verdes com biquinho colorido


A primeira experiência. Congelada, no kefir




Apenas dourada no azeite e polvilhada com flor de sal.  Passe no pão e nhac!






Pode ser passada no pão como geleia, sem mais nada

Ou misturada com mel ou geleia de frutas como se fosse uma verdadeira
manteiga de amendoim 
Cor de laranja mas ainda imatura. Não é gostosa, não. Nem crua nem cozida.
É como um tomate cremoso. A pele sai fácil mas nem precisa tirar pois não
ofende

As sementes podem ser separadas na peneira usando uma espátula. A
polpa é cremosa e pode ser usada em molhos doces ou salgados, sorvetes,
vitaminas, doces, geleias, mingaus etc.

Lembra extrato de tomate. Certamente rico em licopeno


Usado como polpa ou extrato de tomate 
Pronto, fica com esta textura. Serve como base para pratos com carne ou
massa.



Com peito de pato 




Ana Campana colhendo comigo 

A prefeitura fez uma poda para desestimular colheitas urbanas ... É a árvore
do meio, do lado direito da mais baixinha 

A planta com flores amarelas é decorativa
Porque fazem isto com as árvores? Aqui, no clube ACM, rodeada de asfalto
até o colo
Encontrei mudinhas prontas em volta da árvore



27 comentários:

Guilherme Ranieri disse...

Poxa Neide, fiquei lisongeado com a postagem!

E não é que você encontrou uso pra ela? Agora fiquei curioso, porque atenção mesmo, nunca dei. Achava com gosto de dedo, e só.

E acredita que a minha bichou e acabei sacrificando não faz nem um mês? Só par aguçar a minha curiosidade. Era planta mais que ignorada. Só mantinha porque as lagartas de uma borboleta muito azul gostavam especificamente de traçar a planta, gordonas. Então ia mantendo, mais pensando nas lagartas. Mas já foi pro beleléu.

Mas fiquei megafeliz de saber que a caferana enfim, tem um uso registrado na internet!

Anônimo disse...

Neide, na minha casa tinha um pé dessa fruta e quando eu ganhei me disseram que ela se chama Peruana. Cybelle

Amara Pedrosa disse...

Neide,
Há 4 anos busco sementes dessa planta, sempre que encontrei estava sem frutos e depois eram cortadas antes que eu colhesse.
Particularmente jamais gostei do sabor, que meu marido adora e meus filhos detestavam.
Tentei fazer suco e sorvete mas não gostamos.
Nós a chamamos de cereja, agora aprendi com você outros nomes.
Tenho promessa de duas pessoas para coleta de frutos em breve, vou intensificar minhas buscas e testar suas dicas quando tiver frutinhos.
A planta florida é belíssima.

Neusa Mitsuko disse...

Nossa! Achei a fruta que me chamou a atenção na rua Eduardo Prado. Pena que está no jardim de um prédio...

vivariane disse...

vcs nem imaginam como fiquei feliz...depois de uma semana tentando saber como chama esta fruta vcs aparecem e tiram minhas duvidas....OBGDA OBGDA estou mto feliz, parabens, abraços, Ana.sou vivariane@hotmail.com

Anônimo disse...

Neide, que bom ouvir falar da fruta peruana, assim o meu pai a chamava e plantou na fazenda no tocantins em 1972 a planta continua lá, saudades da infancia!!

Anônimo disse...

Qual o nome da árvore. ? Gostaria de saber qnt tempos pra elas darem os primeiros fruto... tenho uma há um ano já..

Att, Emidio

jose geraldo disse...

muito interessante esse blog, também tive a curiosidade de saber o uso dessa fruta, "cereja" um nome tao nobre se comparamos, mas gostei e vou arrumar uma muda!! parabens pela postagem!

vanderlei prado disse...

Tenho um pé grande na minha casa e estou vendendo 30 mudas local Santo André

wanderartks@gmail.com

Anônimo disse...

Neide, encontrei na sua página a identificação da fruta que minha esposa encontrou no Posto de Saúde Vila Romana. Muito bom, obrigado pela manutenção da sua página, que é bem bacana. O sabor da caferana lembra o da polpa do café (quem sabe não é daí que vem seu nome?). Quem ainda não experimentou, vale a pena. Tem muito pé de café nas ruas e praças de São Paulo. A polpa, quando madura, é doce e gostosa, apesar da pequena quantidade. Daqui a algumas semanas deve começar a aparecer café maduro por aí. Um abraço

Anônimo disse...

Neide, seu sobre é um patrimônio nacional, deveria ser tombado!! tenho um exemplar desta fruta no meu sítio, já a experimentei e gostei, mas sempre a subestimei porque, por aqui, em Açailândia - MA, ela é conhecida como ameixa de corrupião e dizem que é uma planta silvestre. fiquei contente em saber que além de comestível ela tem o seu valor e deve ser reconhecida por isso, vou contar a todos sobre esta história!Obrigada

Bianca Lemonica disse...

Nossa Neide! Eu tenho uma árvore dessa frutinha em casa e, como é uma casa alugada, eu não tinha nem ideia do que era... Estava procurando a resposta há meses!!! Queria saber se era comestível e agora, lendo o seu blog, vou nesse minuto lá no quintal experimentar uma!!! Obrigada!!!

Anônimo disse...

Tenho um pé no meu quintal, aqui chamamos de Peruana

Natalicio Jose de Oliveira disse...

Acho esta fruta muito gostosa mas só como ela pura gostaria de saber se pode comer com leite

Natalicio Jose de Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Neide, esta planta nasceu no quintal da minha mãe aki na Bahia e ficou linda. Minha tia disse logo, não come porque não sabemos o que é.
Dai escrevi para o Globo Rural que nos mandou o email de ibot SP e hoje recebí a resposta de Lúcia Rossi que nos mandou ver seu artigo. Minha mâe está sorrindo à tôa. Agora vamos saborear. Valeu amiga!!!!!!!!!!!!!!

Lícia Caldas

Anônimo disse...

Quando eu era criança comia muito dessa fruta e lembro que era extremamente deliciosa, pois eu era uma criança menos ansiosa que o autor da matéria que comeu a fruta verde. Somente agora, 20 anos depois, que vi essa fruta novamente quando fui subir uma pedra aqui no Espirito Santo. Estava tentando encontrar o nome dELA, achei um anuncio no mercado livre e a matéria aqui, super completa, comprovou que se tratava exatamente daquela frutinha. Vou procurar a muda e plantar em meu sitio. Quem não experimentou, procurem por essa fruta, tem uma ótima textura e um sabor delicioso.

fabiannn@live.com

Elizabete Do Carmo Escandiani disse...

Tenho dois pes dessa fruta um já ta com fruto...acho linda a fruta e meuarido gosta de chupar a fruta poriço plantei dois pés aqui no kintal mas não sabia o nome...ótimo esse blog....parabéns...gostaria de saber mais sobre essa frutinha de cor e formato tão lindo...

Ana Paula Silveira disse...

Minha vizinha de rua em Curitiba tem um pé que está cheinho de frutinhas. Estou de olho e desta vez vou conseguir comer algumas. As pessoas passam, pegam ainda verdes ou alaranjadas e jogam fora após uma mordida. Não sabem como é gostosa bem madura. Próximo passo é fazer umas mudas e espalhar pelo bairro. Aqui não é comum. Eu vi muito dela em Pindamonhangaba, mas ultimamente sumiram. Até a que tinha na Rua do meu pai.

CANTORA GISELE Heck disse...

COMO ARRUMO UMA MUDA , DESTA FRUTA

Rogerio mendes disse...

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-722964658-muda-de-caferana-frutifera-e-medicinalvasoatrai-passaros-_JM

PARA TODOS disse...

NEIDE, TINHA UM PE EM CASA E HA ANOS PROCURAVA PELO SEU NOME E SO ME DIZIAM SE CEREJINHA DO NORTE . GUARANA, ETC.
AGORA LENDO SUA POSTAGEM FICO FELIZ EM SABER SEU VERDADEIRO NOME, ESTOU MAIS ALIVIADO, POIS PROCUREI ATE O EXATO MOMENTO HOJE 21/06/2016 AS 18:08 ,QUANDO ME DEPAREI COM SUA POSTAGEM A RESPEITO DA SABOROSA FRUTA QUE QUANDO A EXPERIMENTAVA ME TINHA UM SABOR PECULIAR , MAS NAO CONSEGUIA DIFERENCIA-LO, AGORA COM OS COMENTARIOS , TENS RAZAO , TEM UM LEVE SABOR PASTOSO DE AMENDOIM, FIQUEI MUITO FELIZ ,AGORA QUANDO ME PERGUNTAREM O SEU NOME , RESPONDEREI COM CERTEZA, MUITO OBRIGADA , FELICIDADES.

Zé Munhoz disse...

Tenho um pé dessa fruta lá em casa. Ainda pequeno e já produz bastante. O problema é que nem sempre estou em casa e os pássaros fazem a festa. Os caroços que os pássaros deixam se reproduzem rapidamente no solo.
Finalmente sei nome, até então tinham me informado que era "cereja no nordeste". Muito boa, doce e massuda. Parabéns pela matéria esclarecedora.
www.zemunhoz.blogspot.com.br

Anônimo disse...

Muito bom, parabéns por compartilhar suas experiências com estes outros curiosos, Rss, entre os muitos nomes que citastes, faço uma comentario para o " caferana", em tupi guarani, significa "semenhante ao café".Forte abraço.



João Santos

David Torres disse...

Uns 6 meses

Suzana disse...

Neide, onde posso encontrar uma árvore dessa em São Paulo? Quem sabe eu consiga fazer uma visita da próxima vez em que for pra cidade. abço

A. Sousa disse...

Olha.. Estava pesquisando como cereja do mato.. Comia muito quando criança... Tiravamos ainda laranja.. Colocavamos em saco papel... Aqueles de pão.. pra amadurecer mais rapido e era uma garantia de que a mosca não ia comer antes de nos...sempre abria o saco pra ver se já tava no ponto de comer..