segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Cogumelos de Piracaia. Comem-se?

Este, solitário, com perfume de shiimeji, queria muito que fosse comestível
Neste final de ano, a diversão nos dias de estiagem, em Piracaia, além de ir à represa ou à cachoeira, foi recolher cogumelos, observá-los, fotografá-los e tentar imaginá-los comestíveis pelo perfume e pela carne, não aptos ao consumo pela insignificância material ou mortais pelo aspecto. Todos lindos, sempre lindos. Mas continuo não arriscando. Alguém aí sabe o nome desses? Não consegui identificar nos guias - talvez apenas o Lycoperdon perlatum, que deu vontade de morder. 

Somem-se a estes, outros cogumelos brasileiros já postados aqui, ali e acolá. E tem aqueles cogumelos da Catalunha








Estes formavam um amontoado no tronco de uma árvore pelada que olhava para a água. São carnudos com perfume de Pleurotus.  Alguém sabe o nome?

Este se parece com uma margarida, com pétalas translúcidas e miolo amarelo. Minha amiga Carol disse que eu poderia procurar no Google imagens como cogumelo-hóstia que certamente encontraria, pois era o que lembrava se desfazendo na frente de nossos olhos com um ventinho de nada. Se for comestível, está naquela categoria "sem interesse gastronômico". 

Estes são  parecidos com os
Coprinus disseminatus, que nasceram no meu quintal, sobre um tronco podre. Neste caso, estavam sobre a terra úmida que certamente cobria algum pedaço de madeira ou folhas podres.  Minúsculos, são outros que para mim não fazem diferença ser ou não comestíveis, pois desapareceriam na panela. Aliás, outro dia minha amiga indiana viu os cogumelos Coprinus do quintal, que frutificaram novamente neste verão, e me contou que já preparou deles para a família e que todos passaram muito mal. Ou seja, pelo menos aqueles não se comem. 









Todos estes outros são muito pequenos, leves, pouco carnudos, que para mim tanto faz ser ou não comestíveis, já que não despertam nenhum interesse gastronômico. De qualquer forma, espero sempre encontrá-los pelo meu caminho pois são graciosos e alegram o cenário. 



Agora, estes sim, eu faria o maior gosto que fossem comestíveis. É quase certo que sejam da família Licoperdácea, e se forem os verdadeiros Lycoperdon perlatum, são comestíveis quando jovens. Encontrei dois grupos em locais diferentes, com uma abundância incrível de elementos. Uns mais jovens, carnudos, branquinhos por dentro e por fora, e muito cheirosos, como cogumelos-de-paris; e outros já maiores, com a superfície pipocada um pouco mais escura e interior mais amarelo e esponjoso.

Abrindo os maiores, pensei que talvez possam ser da mesma espécie de um encontrado maduro por lá, em forma de uma bola poeirenta que identifiquei como Scleroderma ctrinum, mas que pode ser também a Langermannia gigantea, da mesma família Licoperdácea dos Lycoperdon.  Alô, alô,  especialistas micófilos...  Quero muito que este seja comestível. 

Além da beleza e do potencial alimentício dos cogumelos, eles podem servir de telefone, flor de cabelo, tapa-olhos etc, como nas brincadeiras das primas Ananda, Flora e Tarsila. 

Quanto a comer, fica por sua conta e risco.  Eu não comi -  a foto é só uma brincadeira, tá?  A seguir, cogumelos de Curitiba. 

19 comentários:

marta.hoffmann disse...

Oi Neide,
Happy New Year!!!!!! um pouco atrasado é verdade!!!mas estava viajando e agora colocando tudo em dia. As fotos e as "modelos" estão lindas!!!!!!

Mónica Casteleiro disse...

Olá, olá...

Passei para ver as novidades neste novo ano e vejo que são muito bonitas!!! Adorei as fotos e os cogumelos!!!!

Desejo-te um ano cheio de conquistas, felicidades e muito sucesso...

Vou continuar a passar sempre por aqui para me deliciar com as tuas excelentes criações!!! :D

Relembro que já sou tua seguidora, para poder chegar aqui sempre e mais facilmente....e tu, já és minha seguidora???

Beijinhos e até breve....

Mariangela disse...

Neide,se eu mal tenho coragem de comer os daqui da Catalunya mesmo acompanhados do guia que conhece todos imagina estes aí: never! Feliz ano novo a todos voces queridos amigos!! As fotos estão lindas!

Gina disse...

Que sintonia!!! Acabei de fotografar 3 tipos de cogumelos nas minhas caminhadas pelo bairro. Não conheço nenhum pelo nome, mas vou tentar identificar.
Você já passou por aqui ou ainda está nessas bandas???
Feliz 2013!

Daniel Brazil disse...

Eta blog lindo! Tava com saudade de passar por aqui. Um bom ano para você!

Anônimo disse...

Posso pegar as imagens para uma possível identificação? Pegarei somente as com cogumelos.
Geraldo Márcio

Anônimo disse...

Posso pegar as imagens para uma possível identificação? Pegarei somente as com cogumelos.
Geraldo Márcio

João Inácio disse...

Olá Neide!
Feliz 2013!

Bem, já li em vários sites que mesmo especialistas com muitos e muitos anos de prática se "embananam" na identificação dos cogumelos, mesmo na Europa e EUA, onde o pessoal é acostumado, inclusive com mortes (até de professores de Biologia!). Então, arriscar é quase como acertar na loteria.

Com meu conhecimento parco do assunto, sei que a identificação visual por semelhança nem sempre funciona. Por exemplo: aqueles que parecem com cogumelos-de-paris só devem se parecer mesmo (eu tb sempre achei que fossem comestíveis, mas li que são potencialmente venenosos para algumas pessoas).

Praticamente certo é que todos os cogumelos com formato de cone, como os coprinus, são venenosos (ainda que existam uns poucos comestíveis sem sabor). Destes, o melhor é só fotografar mesmo. Os dos últimas fotos, com vcs fazendo poses, "parecem" comestíveis, mas vá se saber. Talvez o sejam, por uma única vez...

Alguns tipos são fáceis de identificar como os orelhas-de-judas, muito comuns nas árvores do RS no outono. São comestíveis, mas não têm cheiro, nem gosto de absolutamente nada. Quando os fiz só senti o gosto do alho e do azeite... fotos aqui:

http://circunforce.com/clientes/cogumelos/images/rsgallery/thumb/auraur1.jpg.jpg

Orelhas-de-pau tb são comestíveis, mas têm sabor de madeira...


Há cogumelos que são comestíveis apenas quando jovens (com o "chapéu" ainda fechado). Outros são comestíveis apenas quando refogados e escaldados e muitos são comestíveis para a maioria das pessoas, mas podem causar intensas alergias em outras e fortes diarreias.

Pelo que sei, no Brasil, a identificação de cogumelos comestíveis silvestres está mais desenvolvida no Rio Grande do Sul (em áreas de colonização italiana serrana) e, em muito menor escala, na Amazônia, em projetos da Embrapa e outros órgãos. Enfim, um mundo a ser explorado.

Neide Rigo disse...

Oi, Marta! Obrigada, pra você também um ótimo ano novo.

Mônica, obrigada, desejo o mesmo.

Mari, eu também não tenho.

Gina, vou lá ver. Passei rapidamente por Curitiba, por isto não te procurei. Feliz ano novo também.

Obrigada, Daniel. Um ótimo 2013 pra você também!

Geraldo, claro!

João Inácio, eu não me arrisco a comê-los, não. Mas minha esperança é que passemos a ter mais intimidades com eles e que consigamos com segurança identificar aqueles indubitavelmente comestíveis. Já as orelhas de judeu, estes já colhi por aqui e comi: http://come-se.blogspot.com.br/2009/10/orelha-de-pau-fresquinha-vai-encarar.html.

Um abraço, N

Leticia Cinto disse...

Lindas as fotos! Mas eu só comeria esses cogumelos se estivesse numa ilha deserta e tivesse acabado todo o resto, hehehe. Tive uma alergia forte quando comi funghi porcinni e nunca mais arrisquei. Só fico nos champignons do estrogonofe mesmo! Bjs e feliz ano novo!

Amara Pedrosa disse...


Meses atrás encontrei um cogumelo bem diferente.

http://sitiodovava.blogspot.com.br/2012/09/a-beira-do-caminho.html

Parecia uma montagem,fotografei para guardar a lembrança.
Espero um dia poder identificá-lo.

Neide Rigo disse...

Letícia, eu também não arriscaria, sendo assim.

Amara, este é fácil. Eu adoraria encontrar um no caminho. É lindo, não é? E você deu sorte porque ele cresce rapidamente de dentro de uma bola e logo se degrada atraindo moscas por causa do cheiro de carne podre. Trata-se de um membro da família das Faláceas (nome autoexplicativo por causa do formato de seus membros...). Certamente é do gênero Dictyophora que tem sempre um véu (outros membros da família como Phallus impudicus, olhe o nome, não tem o véu). O gênero pode ser duplicata ou indusiata. Então, procure no google imagens e compare: Dictyophora duplicata ou Dictyophora indusiata. Veja qual é o que mais se assemelha ao seu. Um abraço, N

Dricka disse...

Neide, amo os cogumelos, troco facil qualquer tipo de carne por um bom refogado deles, no meu quintal de vez em quando aparece uns, num tronco velho tem um tipo mais durinho que no meu olfato, tem um cheirinho delicioso, e é muito muito duravel, porque ja esta lá a uns bons meses.
bjs
P.S: Feliz ano todo! Que 2013 seja lindo para você, sua familia e o mundo!

Mariano disse...

Alguém já disse: todos os cogumelos são comestíveis. Alguns só por uma vez...

Amara Pedrosa disse...

Neide,

Grata pela gentileza em responder tão prontamente.aqui e lá no Sítio.
Pelas imagens que encontrei no Google meu achado é um Dictiophora duplicata, mas o D. indusiata também é muito parecido, pelo menos nas imagens do Google.
O Phallus impudicus eu já conhecia de fotos, mas a rede me impressionou e não fiz a relação entre eles.
Sempre que passo no local busco um novo exemplar e nada....
Vou buscar mais informações e complementar a postagem.

Abraços,

Rivaldo disse...

A Foto é de um Cogumelo D. Neide. Espero que não seja venenoso

Rivaldo

Clédson Sachini disse...

A melhor pessoa para lhe responder se chama Dr. Jair Putzke, um grande micólogo. Algumas destas espécies eu conheço.
Aquela qual a mulher está mordendo me parece uma macrolepiota, se as lamelas na parte inferior forem brancas, com esporada branca e as lamelas nao forem unidas ao estipe. Colha sempre maduro para nao se enganar com outra espécie tóxica, o qual tem esporos verdes (genero chlorophyllum altamente tóxico).

peèle lemos disse...

Olá!
O primeiro é um Macrolepiota Sp, e é comestível sim. Ele é famoso por esse anel no meio do caule... Temos aqui na fazenda. Vale pegar umas imagens na internet pra ajudar na sua próxima identificação. :)

Besos!
Peele

José Alberto Salgado disse...

Tanto se disse acerca de este cogumelo, mas ninguém disse o que deveria. Este cogumelo, não é grande coisa, mas é comestível. O seu nome científico é Volvariella gloiocephala, ou Volvopluteus gloiocephalus.

Abraço para todos.