terça-feira, 4 de janeiro de 2011

É tempo de manga. Será? - chutney de manga


Coquinho e bourbon de Fartura. Trouxe também da haden e da espada, que colhi depois
A bourbon, menos fiapenta e mais gordinha que a espada virou chutney
No tempo em que manga dava no tempo de manga o mangueiral frutificava entre o final e o começo do ano. Em pomares para subsistência e nas árvores de fundo de quintal ainda se dá assim. E este ano foi bom pra Fartura, onde tenho temos um sítio. Mas quem frequenta feiras, supermercados e sacolões sabe que não é o que acontece nas plantações comerciais que abastece o mercado nacional e internacional durante o ano todo. Seja na lavoura de Lins-SP ou nas do semi-árido irrigado, as árvores tem que estar sempre produzindo. Time is money, mesmo que este tempo seja o ciclo produtivo natural de cada espécie.
Claro, alguns tipos de manga não despertam nenhum interesse comercial, seja pela falta de atributos mercadológicos (rentabilidade, aparência, resistência no transporte, durabilidade) ou por excesso de fiapos ou tamanho de caroço, por exemplo. A manga da vez já foi a grande, doce e macia Haden, já foi a resistente Tommy, mas agora parece ser o momento da Palmer (e a ácida e doce Keitt continua sendo a primeira escolha para sucos industrializados), com mais valor de mercado por ser mais doce e ter menos fibras que a Tommy - a ponto de os produtores estarem substituindo as variedades no campo.
Mas, coquinho, bourbon, ouro, rosa, espada...., quem liga pra elas? Cremosas, melequentas, perfumadas, doces e fiapentas. Irresistíveis, mas que não vão à sala de jantar. Em compensação, costumam frutificar no próprio ritmo, à sua bel vontade, se esborracham no chão sem dramas, são comidas por abelhas ou vacas no pasto ou chupadas por crianças e adultos até o caroço, até o fiapo ficar branco, deixando um fio amarelo escorrer pelos braços. Tudo sem o estresse imposto às primas ricas. É que para que produzam o ano inteiro, e como produzem!, as mangas comerciais são submetidas a torturas físicas e quiçá psicológicas para que se sintam à beira da morte e assim floresçam, frutifiquem, deixem descendentes.
São duas as principais artimanhas para indução de frutificação nas mangueiras. Uma é o estresse hídrico, nos pomares irrigados. Basta parar de irrigar para bloquear o crescimento vegetativo. Depois de uns dias a planta floresce que é uma beleza. Outra é simular o mesmo efeito só que inibindo o crescimento através da aplicação no solo de um agrotóxico super danoso para o meio ambiente, o paclobutrazol (PBZ). E quem chama a substância de agrotóxico e diz que é danosa não sou eu, mas o próprio fabricante. Se você tem medo de bula de remédios, comece a ler a dos agrotóxicos para sentir verdadeiro pavor. Veja aqui a bula do PBZ da Syngenta.

A coquinho virou suco perfumado: a polpa, água, gelo e açúcar. Se quiser, coe.

A bourbon virou chutney - piquei no processador em fatias finas
Adoro chutney de manga e com tanta manga em casa era uma boa opção, já que dura vários dias na geladeira. Usei uma versão bem simples e dei apenas uma pequena incrementada para ficar do meu gosto. Usei a bourbon que não tem muita fibra e pode ser cortada em fatias no processador. A receita:
Chutney de manga
4 colheres (sopa) de óleo
1 colher (chá) de cominho
1 colher (chá) de grãos de mostarda marrom
1 colher (chá) de grãos de coentro
2 pauzinhos de canela
4 grãos de pimenta-do-reino preta
3 pimentas malaguetas picadas
1 colher (chá) de sal
3 colheres (sopa) de açúcar demerara ou mascavo
2 colheres (sopa) de suco de limão
1 kg de polpa de manga picada ou fatiada fina
1/2 colher (chá) de flocos de pimenta calabresa (usei 1 colher e gostei, mas talvez você ache muito)
3 colheres (sopa) de vinagre branco
Coloque numa frigideira o óleo, o cominho, a mostarda, o coentro, a canela e a pimenta malagueta. Leve ao fogo e mexa. Quando as especiarias começarem a pipocar, junte o sal, o açúcar e o suco de limão. Em seguida, junte a manga e os outros ingredientes. Mexa, abaixe o fogo, tampe a frigideira e deixe cozinhar por cerca de 10 minutos ou até a manga ficar bem cremosa. Prove e corrija o tempero se achar necessário. Coloque ainda quente num vidro aferventado e também ainda quente. Deixe esfriar com a tampa aberta. Tampe e guarde na geladeira por até 1 semana, para comer com carne assada - de porco, principalmente. Ou no recheio de sanduíches com defumados.
Rende: cerca de 800 gramas

13 comentários:

Gabi disse...

Nossa, mas que blog delicioso!
Aqui em Brasília, pegamos muita manga no parque. São sempre bem fiapentas, mas são ótimas pra suco! Como são muitas, congelamos, mas, nosso congelador já está lotado! Não sabemos bem o que fazer, pois não queríamos comprar freezer, mas parece que vai ser o jeito!! :)

Lidia disse...

Estou sentindo o cheirinho maravilhoso das mangas!!!!

Juliana Valentini disse...

Neide, feliz ano novo!
Que bom que você voltou! Viciei no Come-se nos últimos meses de 2010 e senti falta dos seus posts durante seu sosseguinho em Fartura. Hoje, lendo sobre as mangas, além de me animar a fazer o chutney, aprendi sobre o PBZ, que não conhecia. Escrevi recentemente no meu blog sobre forçar a mangueira a produzir, mas falei da história de dar facadas no tronco. Torturas físicas, como você bem classificou!
Adoraria uma visita sua no De Verde Casa; você por lá seria uma honra!
Assim como você, que faz brotar água na boca de quem te lê, escrevo pequenas "pilulas verdes" sobre ecologia e mudança de hábitos, pra tentar aos poucos ir mudando as cabeças...
O post sobre mangueiras está no dia 13 de dezembro de 2010, e o link para o blog é www.deverdecasa.com
Se puder, apareça!
Um abraço,
Juliana.
PS: você já recebeu um e-mail ensinando a fazer um saquinho de jornal para substituir sacolinhas plásticas nas lixeiras? Isso roda o país e foi copiado lá do blog. Roubado, melhor dizendo! Copiaram fotos, textos, criaram um e-mail e virou uma corrente. Sem créditos! Pode?

Gabi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabi disse...

Feliz Ano Novo!

Demorei para ver a resposta, desculpe.

Minha mãe mora, e eu tb já morei na Laurindo.
Será que ele ainda está lá? Amanhã eu vou passar para ver, pois vou visitar a mami!
Já morei muitos anos aí no bairro:
Na Gago Coutinho, na Mercedes e por último na Laurindo.

Até mais!

AMO mangas e gostaria de encontrar um lugar para pega-las, me melecar toda comendo-as, pq nem tem graça comprar no mercado, são insosas...

Quase não tenho comido manga, apesar de amar, pq quase nunca acerto de pegar as saborosas, então, prefiro não comer.
Chutney de manga tb é um comestível que adoro, mas uma manga rende um monte e eu não dou conta de comer sozinha. Então, só de vez em quando.

marmita disse...

Que delicia, deve ter ficado mesmo fantastico, vou anotar a receita.

beijocas da marmita

Neide Rigo disse...

Gabi! Que todas as praças fossem como estas. Aproveite.

Juliana, adorei seu blog. Vou aproveitar várias ideias. Adorei a dica dos cortes na mangueira. Legal a solução do saquinho de jornal. Pena que ninguém leva muito a sério esta coisa de crédito - já tive muitos problemas com isto também (não, é claro, nesta proporção). Mas fico feliz de saber que é a verdadeira autora do post.

Gabi, imagino que aquele lírio já não esteja mais lá. Mas quem sabe há outro. Legal saber que sou vizinha da sua mãe. Na praça do meio da Laurindo (no começo da Tordesilhas) há uma mangueira que está com mangas. Quem sabe não possa colher algumas.


Um abraço, N

samara disse...

Que lindo o seu blog! Achei por acaso procurando coisas na internet. Vou super recomendar para as amigas! Beijoks

Tess disse...

Que bom matar a saudade! Não conseguia ver a hora de ler novas postagens, pois já li o blog inteiro e algumas matérias até mais de uma vez.
Para mim você tem a melhor redação sobre alimentos e modo de vida da Internet. Foi-me muito bem recomendada por um amigo vegetariano que não deixa de se distrair e se informar com suas aventuras culinárias e se encanta com sua simplicidade culta, que ilustra maravilhosamente cada receita e suas peripécias. A cozinha finalmente toma lugar da sala de visita e com bastante aconchego. Passei a gostar mais de cozinhar e até comprei um móvel novo para enfeitar meu canto mais usado da casa.
As receitas eu leio pelo prazer da leitura e outras eu faço pela distinção da preparação, alguns ingredientes eu conheci aqui e passei a ter um respeito maior com a nossa culinária raiz.
Ah desculpa o entusiasmo, é a alegria de matar a saudade!
Felicidades para a gente neste ano que promete!

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver nosso Curso de Informática Online. Daienne.

Neide Rigo disse...

Samara, seja bem vinda!

Tess, fiquei sem-graça. É um prazer ter leitores como você. Não sei o que dizer a não ser "obrigada, ganhei o dia"!

Um abraço, N

marta.hoffmann disse...

Oi Neide,
não paro mais de ler seu blog!!!eh uma viagem ao Brasil,consigo visualizar as cidades no interior e ateh sentir o cheiro das suas receitas. Uma pergunta, o chutney indiano eh feito com manga verde e o seu?a manga eh madura? cominho eh cumin? como eh coentro em ingles? achei sua receita facil,mas preciso procurar os ingredientes aqui!!!

Neide Rigo disse...

Marta,
Há chutneys com manga madura e com manga verde. O meu é feito com a manda do jeito que está vendo na foto, ou seja, madura, firme.
Cumim é cominho. E coentro em grãos é coriander. Boa sorte, um abraço, N