terça-feira, 11 de agosto de 2015

Pão de pinhão com mandioca


Prometo que amanhã falo de outro assunto. Mas, por enquanto, preciso deixar registrada aqui pra mim mesma a receita de pão de pinhão com mandioca que ficou muito bom.

É sempre a mesma história, você vai se cansar de ouvir. Tinha uma coisa na geladeira, ganhei outra de não sei quem e aquilo virou pão. O que eu posso fazer se é assim mesmo? 

A amiga Hanny me deu pinhões ("em Catuçaba, comi bastante pinhão com mandioca cozida. Os sabores são complementares, não é mesmo? Algo a se pensar por aí também..." disse ela). Quem mandou citar a mandioca? Pois a mandioca eu tinha na geladeira, já cozida. Daí em diante foi só usar mais ou menos as receitas que já publiquei aqui, todas seguindo mais ou menos a mesma técnica. Não vou atrás de outras receitas, apenas adapto a que já tenho - receita básica do amigo francês, Michel, feito com farinha, água, sal e levain. Incorporo o máximo possível do elemento estranho (frutas, batatas, outras farinhas etc), diminuo a farinha e ajusto a água até conseguir o peso da receita original e o ponto da massa mais mole, quase não modelável. Aí é só anotar, registrar aqui pra não mais esquecer - quando a coisa deu certo.  Os retestes deixo para o leitor e leitora - pelo menos não precisa começar do zero. 

O problema da mandioca e do pinhão é que são densos, difíceis de passar pelo liquidificador - mesmo porque não sabia quando usaria de água. O ideal é moer a mandioca e o pinhão no moedor de carnes. Ou passar a mandioca pelo amassador de batatas enquanto está quente e macia de derreter. E o pinhão, este sim pode ser batido com a água. O importante é que os dois tenham se transformado numa massa. 

Pão de pinhão com mandioca 


As proporções são estas: 500 g de mandioca cozida, 500 g de pinhão cozido, 650 ml de água, 800 g de farinha branca orgânica, 350 g de levain, 24 g de sal e 10 g de mel. Faça assim: coloque numa tigela o levain, o pinhão batido com a água, a mandioca em purê, o sal, o mel e a farinha, aos poucos. Sove bem. Ou bata na batedeira com pá para pão - por cerca de 10 minutos. Até formar uma massa bem macia e coesa.  O resto do preparo pode ser como o do pão de abóbora cabochá, aqui registrado.


Com geleia de Jaracatiá, presente da Emilene e do Helton Josué


4 comentários:

Juju Gago disse...

uai
este não experimentei! O.o

Anônimo disse...

Que delícia Neide!! Já fiz muitas vezes pão com mandioca. Com pinhão uma vez, uma receita sua. Mas com os dois juntos não. Pena que a temporada de pinhão já praticamente acabou por aqui.
No final de semana vou fazer a receita que vc. postou ontem, com banana verde.
Tenho feito a biomassa de banana verde, congelo e uso na massa de pão, porém em menor quantidade. Aliás tenho usado a biomassa em diversos preparos (sopas, molhos, recheio de tortas.
Continue nos brindando com suas receitas de pães com ingredientes inusitados!!
grata!
marlene

Roberta Vasconcelos disse...

Neide,
Fico aguada nos seus pães, mas ainda não tive coragem para testar. Não sei se alguém já perguntou, mas você já testou esse tipo de massa na máquina de pão? Ou ela só pode ser sovada na batedeira planetária? Sendo mais básica ainda, a máquina de pão consegue sovar bem pães de fermentação natural?
Mais uma vez obrigada por tanta disponibilidade em compartilhar conhecimentos!
Abraço, Roberta

edimarcr_ disse...

Parabéns Neide! Sua página é fantástica. Toda vez que acesso, eu aprendo muito. Obrigado por partilhar seu conhecimento e seu tempo.