terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Feira de Curitiba



Encontrei em Curitiba uma amiga que não via havia quase trinta anos. Nos conhecemos prestando vestibular para agronomia. Nem ela nem eu tivemos sucesso nas provas, continuamos nutrindo paixão pelas plantas e fomos fazer outras coisas. Ela veio pra São Paulo me visitar, eu fui a Curitiba encontrá-la. Depois nunca mais nos vimos mas nunca nos esquecemos. Agora a internet nos reaproximou e já não me lembrava mais como tinha sido minha visita a Curitiba naquele tempo de dureza - certamente andando, andando, vendo casas de madeira com alçapão, piás chupando picolés,  plaquinhas no portão vende-se cuques, muitas plantas nas calçadas,  flores nas casas dos polacos e promessas de amizade adolescente. Desta vez, depois de nos encontrarmos na igreja de Nossa Sra. do Guadalupe, andamos até uma padaria pra tomarmos café com pão e broa e fomos caminhando até a feira do alto da Glória (acho que é este o nome), que queria conhecer. No caminho, cogumelos, caquis, bertalhas, dente-de-leão, ervas rasteiras e uma infinidade de lembranças desenterradas. Quando já estava em São Paulo, Magna me escreve pedindo mil desculpas por me ter feito andar muito. Logo pra mim que não sou ninguém se não andar a pé por uma cidade nova e mesmo nas velhas conhecidas onde, parafraseando Luiz Gonzaga,  sempre descobrimos um orvalho novo beijando uma nova flor (a propósito, a leitora Amara me lembrou o restante da música Estrada de Canindé: ".. vai oiando coisa a grané/ coisas qui, pra mode vê/ o cristão tem que andá a pé").  

A feira é quase igual à que temos aqui, a não ser por alguns itens, como beldroegas e carurus, as gilas, as uvas terci (bordô), o feijão cavalo fresco usado para fazer as saladas sempre presentes nas churrascarias, o saquinho de torresmo, o artesanato Guarani, as bancas de embutidos e, para casa, escovão e até washboard para uso original - esfregar roupas nos tanques e bacias. Outra diferença é que usam a palavra "caseira" para alertar que o item foi produzido ou cultivado pelo próprio vendedor.   Gostei de ver este orgulho estampado nas plaquetas, como acontece na Europa que se vangloria com razão dos produtos locais e quando muitos ainda acham mais importante dizer que o produto é importado, seja da Finlândia ou da China.  

Bem, adorei reencontrar minha amiga, conhecer uma feira de Curitiba e chegar à casa de meus pais e usar a uva terci para fazer cuca ou cuque, como também a chamam por lá. Só não fiquei feliz de esquecer o feijão cavalo na geladeira da minha mãe - que fez a salada com muito alho, me contou. Aqui algumas fotos: 


Vassouras de palha


Tábuas de lavar roupa e escovão

Artesanato guarani


Feijão cavalo, vendido fresco, para salada 

Beldroega
Bredo ou caruru
Torresmo
Tomates caseiros
Tábuas de lavar roupa, escovão, vassoura de palha
Pimentas, alhos e temperos

Uva terci caseira, boa pra cuca

Cuca curitibana
Esta uva é inesquecível
 Comprei um quilo de uva bordô, fiz duas cucas na cozinha de minha mãe e dei de presente para os mais próximos. As cucas ficam ainda mais gostosas que aquelas feitas com uva niágara, pois são mais tintas, mais ácidas e igualmente doces.  A receita da cuca está aqui.

Curitiba de outrora. Eu e Magna, também! 

12 comentários:

Maria de Lourdes Ruiz disse...

Olha só! Quanto tempo que não via caruru, antigamente encontrávamos em qualquer fundo de quintal e hoje é vendido nas feiras de Curitiba! Em criança colhia caruru para fazer comidinha quando brincava de casinha. Voltei no tempo agora, aliás tudo neste post me remete ao passado.

Bjs

Anônimo disse...

Oi, Neide Rigo!
As fotos da feira além de ficarem bonitas retratam aos seus leitores essa Curitiba simples que muitos não conhecem. Um abraço, Magna

Newton Nero disse...

Não tenha mais sustos com sua conta de telefone. Chegou Telexfree, por apenas U$49,90 mensais você fala a vontade com + de 40 países Teste de graça por 1 hora.
http://www.telexfree.com/ad/ceilandia

Anônimo disse...

Putz neide eu amo feijão cavalo!! E acabei de me lembrar disso! Hahaha! Minha mãe era de Curitiba, e comi muita salada desse feijão na infância! Brigada por me fazer lembrar ;) Bj, C.Leone

Claudio Oliver disse...

OI Neide
Tive o privilégio dos privilégios de provar essa cuca.... delícia temperada com carinho, amizade e toque de casa da mãe. Aqui seguimos com saudade do "dia em que Neide veio aqui"... acho que vai virar data comemorativa no nosso calendário. LIndo post (ainda que essa Curitiba, esteja em extinção... os feirante sofrendo o abuso das autoridades para se "modernizarem", pressão dos vizinhos para sumirem... faz dois anos que acompanho a luta de um grupo destes feirantes, desta feira... e já foram muitas as vezes de vê-los chorar, perplexos, por causa da tentativa de fazê-los extinguir, como um dia fizeram com o leiteiro, o padeiro e o telegrafista.... mas isto é história para outro dia.

Léo disse...

Muito bacana esse post Neide, é uma cidade que eu gosto muito. Acho que você deve conhecer também o Mercado de Curitiba que tem uma seção de hortifruti de dar inveja a qualquer paulistano.
Abs
Léo

Neide Rigo disse...

Maria de Lourdes, só encontrei numa banca de produtor. Acho que não é tão comum mesmo. Aqui em São Paulo as ruas estão cheias.

Magna, querida, obrigada por me apresentar. E vamos andar juntas, muito e sempre. Obrigada!

Carol, então vamos comer cuca pra comemorar a lembrança, tá?

Claudio, que bom saber que gostou da cuca que chegou aí já meio abatida pelos sacolejos dos ônibus. Um dia ainda vamos perceber que modernidade é ter escolhas. Privilegiada fui eu de poder conhecer o projeto revolucionário de vocês. Obrigada!

Léo, também gosto. Quanto ao mercado, já o visitei e mostrei aqui no Come-se: http://come-se.blogspot.com.br/2011/09/mercado-municipal-de-curitiba.html

Um abraço, N





lili disse...

Olá!O que é beldroega?Tem outro nome?Uva terci é igual à isabel?

Neide Rigo disse...

Lili,
beldroega é uma verdura de folhas gordinhas, uma portulaca - o outro português. É matinho por aí.

Uva Terci ou bordô não é isabel. É mais tinta que a Isabel.

Um abraço, n

Canto da Lu disse...

Oi querida no ano passado estive em Curitiba, casa de uma amiga, fui conhecer essa feira, nossa, trouxe manteiga, queijo e uma linguiça de arrasar. Maravilhosa. bjs.

Flávia disse...

essa feira ainda não conheço. vou atrás!

abraço.

Gina disse...

Com a uva terci já fiz muito suco, que mancha pano, peneira..., mas fica maravilhoso. E fiz geleia.
Bjs.