quinta-feira, 16 de junho de 2011

Pão de queijo com polvilho azedo. Quinta sem trigo 25

Estes, levei quentinhos ao último piquenique

Assim como aquela receita dos amigos gaúchos, que agora moram em Terrassa, na Espanha, esta também é fruto de tentativas e erros até chegar ao resultado que considerei bastante bom. Lembrava-me mais ou menos de uma receita que fiz muitos anos atrás e que levava água, leite e óleo, além do queijo, ovo e polvilho azedo. Achei algumas receitas parecidas, mas eu sempre discordava de alguma coisa - ou era pouco queijo, ou levava manteiga em vez de óleo, ou pedia polvilho doce no lugar do azedo ou, pela quantidade de líquido, já previa uma casca muito dura. E assim fui testando de cabeça algumas receitas até que, mexo que mexo, depois de inúmeras adaptações e só duas tentativas, cheguei a uma receita que vou adotar pra sempre.  Na primeira misturei polvilho doce e azedo e usei apenas queijo minas padrão. Ficou bom, mas um pouco sem graça. Nas segunda, preferi trabalhar apenas com o polvilho azedo que ajuda a compor o sabor, e substituí parte do minas pelo provolone que fez destacar o fator queijo, deixando-o mais marcante. E o bom que a casca fica macia mesmo no outro dia.

Só para comparar com o pão de queijo anterior, calculei calorias deste também  - um feito com 50 g de massa tem aproximadamente 132 Calorias, praticamente o mesmo que um pão francês, com a vantagem de ter mais proteínas (porém, também com mais gorduras, portanto, consuma com moderação). À receita, pois:

Estes foram feitos com o polvilho doce, que também funciona bem

Mas com polvilho azedo os pãezinhos ficam mais gostosos

Pão de queijo com polvilho azedo e provolone 

500 g de polvilho azedo
1 xícara de leite
1 xícara de água
1/2 xícara de óleo
1 colher (chá) de sal ou a gosto
3 ovos ligeiramente batidos
300 g de queijo minas padrão ralado
100 g de queijo provolone ralado

Peneire o polvilho sobre uma tigela e reserve. Numa panela coloque o leite, a água, o óleo e o sal. Leve ao fogo e deixe ferver. Despeje quente sobre o polvilho, misturando bem com uma colher de pau. Mexa até amornar e só então junte os ovos, aos poucos, misturando bem. Se quiser, pode usar batedeira de bolo com pá para massa ou amasse com as mãos que ficarão super melecadas. Junte os queijos e misture rapidamente. Quando a massa estiver homogênea, cubra a tigela e guarde a massa na geladeira para que fique firme e possa ser manuseada mais facilmente.  Se for de um dia para outro melhor. Retire bolinhas de 40 a 50 g e modele os pãezinhos com as mãos umedecidas com água. Coloque-os em assadeira sem untar. Pré-aqueça o forno a 230 ºC (forno alto) por cerca de 10 minutos.  Leve a assadeira ao forno e deixe assar por cerca de meia hora ou até que estejam bem dourados e crescidos.

Rende de 33 a 40 pãezinhos

No piquenique, com cogumelos que a amiga Veronika trouxe de Barcelona

22 comentários:

clau disse...

Neide, eu tb sò faço os meus paezinhos com polvilho azedo, pq conclui que nem tem comparaçao de qto ficam mais saborosos que com aquele doce... rss

Akemi disse...

Neide, que polvilho você usa? Seria desses industrializados?

Neide Rigo disse...

Akemi, eu compro polvilho a granel, no Mercado da Lapa. Mas pode ser o industrializado também.
Um abraço, N

Flávia disse...

Neide,
Eusó faço meus pães de queijo e o pães de vento sem queijo com polvilho azedo.
Ultimamente acho que é uma tecnologia e tanto!!! Deveria ter estátuas e estátuas pelo pais glorificando polvilho azedo!
Flavia- Foz

Neide Rigo disse...

Flávia, me ensine a fazer o pão de vento?

Um abraço, N

carol vannier disse...

Olá, conheci o seu blog há pouco mais de uma semana e estou adorando! O post que li sobre todo o processo de fazer polvilho foi maravilhoso!
E esse sobre pão de queijo veio muito a calhar... Recentemente repeti uma receita de pão de queijo que gosto muito, bem parecida com a que você postou hoje, só que com mais óleo e ovos (bom saber que dá pra reduzir ;) mas eu estava justamente querendo experimentar usar o polvilho doce, meio a meio. Li em algum lugar que o polvilho doce ajuda a dar a consistência "puxa". Nas suas experiências você viu isso?

Obrigada por partilhar tantas informações valiosas!

mari disse...

Neide, acabei de fazer a receita do pão de queijo, para assar amanha, e estou com um mau pressentimento. =0
Ficou suuuper molengo, é assim mesmo?? Eu acho que ficou molengo porque 1/3 do meu polvilho ficou retido na peneira na hora de peneirar. Eu fiquei ainda raspando com a colher na peneira mas desisti.... será que vai dar pra aproveitar??? beijos!

Neide Rigo disse...

Carol, o polvilho doce deixa mais liguento, sim.

Mari,
a massa fica molenga e pegajosa, sim. Mas depois de ficar na geladeira ela fica mais firme para modelar com as mãos molhadas. Espero que dê certo. Um abraço, N

Leticia Cinto disse...

Hum! Vou tentar fazer também! A receita que faço fica parecendo biscoito de polvilho, rsss... Outra coisa, vc tem ideia de onde eu encontro esse tipo de forma aqui em SP? De preferência, o mais barato possível :) Bjs!

Bruna do Gourmandisme disse...

Oii Neide, cheguei agora ao seu blog e adorei! Já estou seguindo! Te convido a conhecer o meu, o Gourmandisme.
Beijos

Akemi disse...

Perguntei porque Luiz Paulo tinha toda uma teoria para mim ininteligível a respeito dos polvilhos. E diante do meu insucesso uma vez, minha amiga mineira atribuiu ao polvilho, industrializado, que utilizei.

Gabriele disse...

Neide,
Não acredito, essa é a mesma receita que faço com o meu namorado a algum tempo, aprendemos com uma tia dele de minas e nos metemos a fazer sozinhos, hoje todos adoram quando fazemos!
Eles realmente continuam gostosos no dia seguinte e são tão rápidos de fazer...
A única diferença que talvez tenha sido de uma interpretação ruim da receita é que esquentamos só o leite...

Beijos

Neide Rigo disse...

Letícia, estas forminhas eu compro no Mercado da Lapa, Box 11.

Bruna, parabéns pelo blog, muito bem escrito!

Akemi, pois é, precisaria fazer testes comparativos. Ainda vou fazer!

Gabriele, esquente tudo, água, leite e óleo, que o polvilho fica escaldado mais por igual.

Um abraço, N

cacaucomlupulo disse...

Olá Neide, tudo bem?
Sigo seu blog e adoro. Sempre aprendo um bocado de coisas legais.
Mora na Holanda e o único polvilho que acho por essas bandas é um chamado de "farinha de tapioca" originário da Tailândia. Tentei pesquisar qual a equivalência, mas não achei nenhuma fonte confiável. Você saberia se essa "farinha de tapioca" equivale ao doce ou ao azedo?
Obrigada e um forte abraço,
Fernanda

Neide Rigo disse...

Fernanda,
eu acho que é o doce, mas faça um mingauzinho com ele que dá pra saber. Se ficar mais cremoso é o azedo (e dá pra conferir pelo sabor). Se ficar bem visguento é o doce. Veja aqui: http://come-se.blogspot.com/2008/10/deu-hoje-na-folha-de-spaulo-araruta-em.html

Um abraço, N

Suely disse...

Oi Neide
Vou fazer o pão de queijo,mas tenho uma dúvida,dá para fazer enrolando as bolinhas sem usar essa sua fôrma,porque eu não tenho...abs

Neide Rigo disse...

Sueli,
claro, pode fazer em qualquer forma. Não precisa ser como a minha. Um abraço, N

Anônimo disse...

Ola Neide! Adorei o seu blog! Eu gostaria de saber se e possivel substituir o queijo minas padrao por algum outro.

NaNa Bijoux disse...

Neide, ja leio seu blog faz um tempk mas esssa foi a primeira receita que testei e ficou perfeita!!! Muito obrigada!

Alho negro disse...

Akemi, o Luiz Paulo que voce fala no seu comentario seria o Luiz Paulo do Pão de Queijo Tinho ?

Vanusa Ferreira Calão disse...

Vou fazer....fiz ontem uma outra receita mas ficou horrível.....mas pergunta se sobrou?? Espero q essa fique perfeita!

Vanusa Ferreira Calão disse...

Aqui em Curitiba o queijo minas é muito, muito carooo!