segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Índios Kayapó. As crianças



Estive recentemente junto aos Kayapó, na aldeia Pykany, terra indígena Mekrângnoti, no Pará e vou postar aqui aos poucos o que vi por lá, a começar pelas crianças.  Em outro post conto o que fui fazer lá. Estou publicando também no instagram @neiderigo 



Entre os Kayapó, crianças não ficam recebendo sermões nem castigos nem correções. Elas são livres pra brincar inclusive com água, fogo e faca. Aprendem pelo exemplo, tentativa e erro. Copiam dos mais velhos o jeito de dançar, de pescar, de carregar bebês e também de se pintar com jenipapo e urucum. Pintam-se umas às outras com graça e cuidado. Enquanto as mulheres usam uma cuia grande pra colocar a tinta (mastigam e cospem as sementes do jenipapo verde e misturam com carvão de uma determinada espécie), elas pegam a banda vazia do próprio jenipapo e a transformam numa cuinha.

Mão de criança Kayapó com cuinha de jenipapo (uma banda sem as sementes usadas no preparo da tinta), pra conter a tinta do próprio jenipapo, e varetinha de inajá pra pintar a pele. Nas brincadeiras infantis



Crianças Kayapó eventualmente também fazem birra como os filhos dos kuben (os não índios), com a diferença de que podem chorar à vontade sem receber adulação ou broncas.  Até que param. Parecem se esquecer porque mesmo começaram. Claro, as mães sabem quando é choro de dor ou de manha e acodem quando há precisão. E os brinquedos podem ser uma esperança. Às vezes os insetos, que servem também de isca para pegar peixes, são eviscerados por elas para que fiquem inertes e colaborem com a brincadeira. Mas enquanto estão vivos são acariciados, grudam nos dedos, encaram.


Crianças Kayapó não ficam entediadas sem saber com o que brincar ou pedindo para adultos inventarem atividades. Elas mesmas produzem o próprio brinquedo e se divertem enfrentando perigos às vezes. Aprendem cedo a lidar com facões, água, fogo. Aprendem pelo exemplo a cuidar da floresta e a domar o fogo - mas começam cedo brincando com ele.  Fazem grandes labirintos com palhada, brincam, se rolam neles e depois tacam fogo, pulam, pisam, chutam, tropeçam.  Crianças mais velhas cuidam dos mais novos e os protegem, mas inventam brincadeiras sem que nenhum adulto se intrometa. De qualquer forma, eles estão sempre por perto e as crianças são de responsabilidade da aldeia, como filhos de todos. 






Mãos de crianças Kayapó. Que tateam, descobrem, brincam, se sujam, pintam, se enfeitam, ostentam adornos, aceitam proteção. 


6 comentários:

A TItica disse...

Maravilhoso! A liberdade é maravilhosa!

Tenho de confessar que nunca sei a origem das missangas nos índios!

analice disse...

Neide, que experiência incrível. Já disse uma vez e insisto, quando precisar de carregador de mala para ir a esses lugares, é só me chamar. Prometo que fico quietinha e não a
trapalho.

Richard William disse...

Agora possuo um negócio próprio com a ajuda de Elegantloanfirm com um empréstimo de US $ 900.000,00. com taxas de 2%, no começo, eu ensinei com tudo isso era uma piada até que meu pedido de empréstimo fosse processado em cinco dias úteis e meus fundos solicitados fossem transferidos para mim. agora sou um orgulhoso proprietário de uma grande empresa com 15 equipes trabalhando sob mim. Tudo graças ao agente de empréstimos Russ Harry, ele é um Deus enviado, você pode contatá-los para melhorar seus negócios em .. email-- Elegantloanfirm@hotmail.com.

vania Melo disse...

Inveja branca de vc... Sonho da vida fotografar o dia a dia de uma aldeia

Pelis disse...

The post is very good, I spend a lot of time reading here, but I have noticed that they do not update very often and there we have old ones you can visit us in ver Cars online, so you can enjoy the best web content.

Angela Escritora disse...

Assisti a uma reportagem sobre escolas e educação e há, na inglaterra, uma escola para crianças assim. Podem usar fogo, tesoura, o que quiserem. Subir em árvores sem apavoramento. Até o dia da reportagem, o único acidente ocorrido foi o atropelamento que o próprio pai causou no filho. O adulto não soube dirigir corretamente!