quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Banana é um santo mel - pra gente e pra passarinho

(Desculpe se alguém viu o post anterior sobre melancia - não era daqui e era só uma colagem de coisas antigas, como rascunho mesmo)

Esta banana veio de Piracaia, do sítio do caseiro Carlos. Ele chegou dizendo que era banana rara, em extinção, chamada santo-mel. Achei que tivesse entendido errado e perguntei: são tomé? Ele confirmou. Isto, isto, são tomé. 

Mas deve ser mesmo santo mel ou santo mé, porque não se parece em nada com a são tomé que conheço. Esta dá pra comer crua, é doce, agradável. Já a outra é melhor cozida. 




O fato é que quem gostou mesmo foram os passarinhos. Deixei o cacho pendurado para amadurecer e pouco sobrou para eu comer. Logo cedo o tráfego já era grande. Um sabiá descia, um sanhaço subia. Ás vezes se encontravam no balanço do cacho, se bicavam, se entranhavam. O sanhaço me encarava, o sabiá ficava ressabiado. Mas no final já não faziam questão da minha presença. 

O que sobrou de banana boa ainda era pouco para fazer qualquer coisa muito grandiosa. E ainda tive que inteirar com uns pedaços de mamão. Só fiz então um mingau de araruta perfumado com amburana, meio denso e doce, misturei com rodelas de banana e pedaços de mamão, mexendo com cuidado, espalhei por cima uns pedacinhos de rapadura e levei ao forno quente para cozinhar tudo. Comi um pouco quando saiu do forno, bem quente. E depois, gelado, mais gostoso ainda. E nhac! 


7 comentários:

Anônimo disse...

Neide, que coisa mais linda a banana,o passarinho.
Hummmmmm, isso parece muito bom!!!
ana

lili disse...

Acho uma delícia repartir minhas frutas com os passarinhos. Nem ligo se não sobrar para mim. Tão lindo ver os bichinhos se deliciando...

Anônimo disse...

Pois é, compartilho do mesmo sentimento de lili, acho bonito sua atitude.

Tante Mali disse...

What a wonderful post! We feed our birds with sunflower cores and dryed apples and corn - so yours have a better meal at all.
All my best from Austria
Elisabeth

Anônimo disse...

Compartilhei, não resisti. Peço perdão se falta cometi

Osmar Mosca Diz disse...

Casa abençoada onde entram e saem livremente os sabiás, os sanhaços... atraídos pelo doce sentimento de quem vive em harmonia com a natureza...
Minha finada irmã, a Rita, nunca saboreava uma fruta sem antes reparti-la com os passarinhos.
Posso imaginar o perfume que ficou depois de pronto este mingau.
Um abraço a você, Neide e também ao Marcos, osmar.

Neide Rigo disse...

Ana, os passarinhos acham com certeza. E as frutas ficaram muito gostosas, sim.

Lili, também sou capaz de passar vontade só pra ver a algazarra deles.

Tante, it´s a good idea. Thank you!

Anônimo, à vontade.

Osmar, teve uma época em que alimentávamos as maritacas com girassol, mas elas eram tão intransigentes que não podíamos atrasar o horário de abastecer que elas ficavam em bando gritando. Mas é lindo de ver, não é?

Um abraço,n