segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Cenas de Tiradentes

Já tinha ido duas ou três vezes ao Festival de Tiradentes logo no começo, anos atrás, só pra aproveitar as atividades - aulas e festins. Agora fui dar uma palestra e de novo com a intensão de aproveitar o clima festivo da cidade, agora com muito mais atrações gastronômicas e culturais.

Confesso que as únicas atividades de que consegui participar foram a palestra do Luiz Américo sobre crítica gastronômica e a oficina do Wanderson Medeiros, do Picuí, sobre carnes secas. Muito boas, por sinal.  De resto, foi só comilança. O ruim é que foi muito rápido. Cheguei na sexta à noite, tomei café da manhã na pousada Pequena Tiradentes, encontrei minha amiga Pixu, dei minha palestra com sala cheia e participativa, vi as duas atividades, fui almoçar com a Mara Salles no Virada do Largo, da Beth Beltrão, onde conhecemos sua horta de couve e  ficamos até o começo da noite com amigos de BH que fizemos lá. Comemos e bebemos muito bem.  Fui pra a Pousada Pé da Serra, onde estava hospedada e logo depois já rumávamos para o jantar no restaurante Kitanda Brasil da Tanea Romão, que fica num lugar lindo. Comemos delícias no menu degustação e eu comeria muito mais de alguns dos itens (aliás, não quero mais saber de menu degustação, não pela comida, mas pelo formato que não funciona mais pra mim). Estávamos em cinco na mesa, Pixu, Kaká, Mara, Dedé e eu.  E o estagiário fofo da Tanea (Vitor #ficavitor) veio todo gentil mostrar os vinhos escolhidos para harmonizar com a comida, mas tínhamos comido tanto no almoço, e terminado tão tarde nossas costelinhas brilhantes e macias, a linguiça da casa com cebolas roxas carameladas, a couve, o virado, o torresmo..  e bebido tanta cerveja, que não quisemos saber de vinho ou qualquer outra bebida alcóolica. A garrafa de água gentilmente oferecida sobre a mesa da Tanea foi renovada seis vezes. Acho que nunca bebi tanta água. Teria aproveitado bem mais as pequenas porções do menu se tivesse comido menos e mais cedo no almoço, mas também não podia desperdiçar a oportunidade de comer na Tanea, sempre tão criativa. No outro dia cedo, aproveitei a carona da Pixu e voltei depois do café da manhã, dispensando o vôo da noite. Tão melhor vir conversando e apreciando a paisagem durante sete horas que amargar uma hora de vôo apertado mais as três ou quatro horas de carro até BH.

 Sábado fez um dia lindo e os ipês amarelos floridos me fizeram tão bem, assim como as papoulas serenadas.  Algumas fotos de lá.

Cozinha da pousada Pequena Tiradentes
Pequena Tiradentes parece uma cidade
Pão de queijo da Pousada Pequena Tiradentes

Suzana-de-olhos-negros com sereno, na pousada Pé da Serra
Gato da pousada Pé da Serra
Papoula na pousada Pé da Serra
No Virada do Largo

Mara Salles, Beth Beltrão e os pés de couve maires que elas

Beth Beltrão com as favas que ganhei

No Virada do Largo, com novos amigos
Lambarizinhos (de folhas) da Tanea  Romão

Bolinho de arroz com salsa, da Tanea

Creme de mandioca com ora-pro-nobis e porco em redução de laranja
Entrada do restaurante Kitanda Brasil 

10 comentários:

Marisa Ono disse...

Que fava linda! Nunca vi dessas, não. Será que são exigentes no cultivo?

Kitanda Brasil - Quitandas e Quitutes disse...

Foi uma delícia cozinhar para vocês...beijo grande e obrigada pela visita.

Diego Manoel disse...

Pense numa fome que deu!

Mariangela disse...

Que linda postagem!
Adorei.
Beijos
Mariangela

Encontro Gourmet disse...

Bom dia !

Primeiramente parabéns pelo blog, venho aprendendo muito com você1

Em um poster anterior voce falou sobre o lambari da horta que me foi muito útil, inclusive conseguir uma muda na Fazenda Engenho d' agua ( fazenda sustentável ). Gostaria de saber se você tem a receita do lambarizinho da horta da Tania Romão. Grande abraço ...
E-mail: Blog@encontrogourmet.com
Sâmara Martins www.encontrogourmet.com

Kitanda Brasil - Quitandas e Quitutes disse...

Sâmara,
As folhas do lambari da horta devem ser limpas com um guardanapo úmido, pois se forem lavadas irão absorver umidade.
Depois empane-as em ovo e fubá, preferencialmente fubá de moinho, temperados com sal e pimenta moída na hora.
Agora é só fritar em óleo quente e servir acompanhado de um molho cremoso.
Bom apetite!!!!
Tanea Romão

Neide Rigo disse...

Marisa, também não sei, mas já estão germinando no vaso. Darei uma a você.

Tanea, obrigada pelo atendimento à Samara.

Obrigada pelos comentários!

Um abraço,n

Marina Maria disse...

Neide, conheci você logo antes da sua palestra, e fiquei tão empolgada de te ver pessoalmente que nem lembro o que falei direito! haha. Acompanho seu blog há tantos anos que ouvir sua voz foi meio surreal. Uma pena que não pude ficar na palestra - estava trabalhando na produção, cuidando do espaço ao lado, onde fizemos degustações. Escapei uma vez ou outra pra te ouvir, mas realmente queria ter sentado e anotado tudo. Espero que você esteja lá novamente ano que vem - e eu também! Um beijo enorme!

Neide Rigo disse...

Marina, pena que não tivemos mais tempo pra conversar.. Um abraço,n

Vinício Rossato disse...

Bom dia.
Gostaria de saber se essa fava rosa possui algum nome específico ou se você tem mais alguma informação sobre ela. Ganhei duas sementes desta espécie e plantei em dois vasos grandes. Já estão com os primeiros ramos. Esta fava é comestível, certo?

Um abraço.