quarta-feira, 4 de julho de 2012

Papel de banana-da-terra

Foto: Caroline Leone 
Ainda não consegui colocar trabalhos atrasados em ordem.  Em compensação, ontem teve encontro com Anissa Helou, Ana Soares e Mara (Anissa queria saber da nossa aula de invólucros e aprender sobre pasteis, que não faltaram à mesa) e hoje com o Jerônimo Villas-Boas que esteve aqui em casa para abrirmos juntos as caixinhas de jataí e tirar o mel. Anissa e Jerônimo estiveram também no Paladar-Cozinha do  Brasil.  Mas antes de falar do mel, quero dar a receita do papel de banana que mostrei na nossa aula de frutas. 

Descobri por acaso, deixando sob o sol um prato sujo com restos de purê de banana-da-terra. A camada fina saiu do prato inteira como papel.  Daí ao formato de folha foi um passo. Mas descobrir uma coisa ao acaso não significa que ninguém antes já não o tenha feito. Foi também ao acaso, quando procurava outra coisa, que descobri vários blogs americanos ensinando a fazer o tal couro de diferentes frutas, com técnicas variadas. Em comum, uma pasta de fruta é espalhada sobre uma superfície e seca lentamente até que seque e fique com aparência de couro flexível. As minhas, até agora, sequei ao sol, mas podem ser feitas em forno bem baixinho, pra ir desidratando aos poucos. E antes da aula tive muita sorte porque houve dois dias inteiros de sol. Duas horinhas ou, no máximo três, de sol são suficientes para secar.  O legal é que você pode fazer várias para aproveitar frutas, enrolar em papel manteiga e guardar num vidro fechado por vários dias. Na geladeira, embaladas em saco plástico duram muito mais. Só não me pergunte quanto tempo, que eu não tenho resposta.  Vi receitas com damasco e outras frutas massudas, com pectina, mas gostei de usar a banana-da-terra como base, já que forma um purê cremoso e uniforme e tem pectina suficiente para dar liga ao papel seco. E você pode juntar outras frutas mais aguadas a ela. Quanto aos usos, há muito com o que se aventurar: embrulho comestível para lanches, wraps recheados, canelones sem glúten ou simplesmente para irmos beliscando e enganando a fome com algo nutritivo e gostoso.  E é uma boa e divertida forma de incentivar crianças a comerem frutas. 

Mas, você pode descobrir outras formas e o próprio jeito de aproveitar estas folhas. Veja como fiz: 

Cozinhe banana-da-terra em pedaços até ficar bem macia e bata no
processador - se quiser, junte jabuticaba em calda ou morango, por exemplo.
Mas pode ser só o purê de banana. 
Deve ficar assim, um creme bem liso: neste usei morangos silvestres e
espalhei sobre um tapete de silicone
Aqui, só a banana com  jabuticaba - a casca seca e finamente picada. 

Não precisa ser tapete de silicone.  O creme pode ser espalhado sobre o
fundo de uma assadeira.  Seca ao sol ou em forno muito baixo (neste caso,
por algumas horas)
Quando a camada não grudar mais no dedo ao ser tocada, é só ir puxando
devagar. Se ressecar, vira hóstia. Embrulhe em papel manteiga e guarde
num vidro. Corte em pedaços pra ficar mais fácil. 

9 comentários:

Janice Adja disse...

Este é um tema que deveria ser obrigatória nas escolas de Ensino Médio. Ajuda o aluno tomar o rumo de uma profissão.
Beijos!

Gilda disse...

Nossa, que delícia! Estava louca para você mostrar o processo, já pensando em um beijuzinho enrolado em tubinho, do tamanho daqueles de waffle, que vendem para sorvete. Mas não tem fim a lista do que se pode fazer com isto! Tira a patente correndo!

Anônimo disse...

Que legal, Neide. Como a Gilda, eu também estava ansiosa para saber como se fazia a tal folha de frutas. Obrigada por compartilhar.
Abç
Izabel

Jan disse...

Quero fazer! Me empresta um pouco do seu sol? :-)

Beijo e obrigada por mais este aprendizado.

Nadia Marrach disse...

Genial!!!Vou experimentar. Beijos

Nadia Marrach disse...

Genial!!!Vou experimentar. Beijos

marta.hoffmann disse...

Oi Neide,
fiquei alguns dias fora e o blog estah com mtas.novidades. Aqui compro sempre estas folhas de frutas secas,que se parecem com um pedaço de couro.Acabei de comer uma que foi feita com maçã,pessego e nectarina e é acrescentado fibras,como por ex.,a flaxseed.,e são chamadas Fiberful - handmade dried fruit bar e são feitas na Nova Zelândia.

Dirlene D'Addio disse...

Fiz hoje com a ajuda do espremedor de batata e do mixer. Ficou ótimo, obrigada Neide!

Juni disse...

Neide, preciso untar o fundo da assadeira? Ou sai facilmente depois sem untar?
Beijos.