quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Falafel para o piquenique


A Veronika havia comentado na sexta-feira que queria levar falafel ao piquenique, mas não tinha grão de bico em casa. Como o anúncio atiçou as vontades, já que adoro estes bolinhos fritos à moda dos nossos acarajés, e, como fui ao Mercado da Lapa no sábado, aproveitei para comprar os grãos e deixá-los de molho para o domingo de manhã. Faria, assim, uma surpresa pra amiga e um mimo para mim mesma. A receita, com algumas adaptações, vem originalmente do livro As Melhores Receitas da Cozinha Árabe, da Coleção O Gosto Brasileiro, da Editora Globo. Segundo o texto do livro, os grãos demolhados podem ser batidos no liquidificador. Eu fiz no processador, que fica mais fácil triturar sem líquido. Da próxima vez levarei, ou quem se animar a reproduzir a receita poderia levar, um pouco de salada de tomate e pepino ou mesmo folhas de alface e tomate para acompanhar os bolinhos na bolsa de um pão pita. Só levei o molho taratur e o pão. Mesmo assim, os bolinhos foram embora rapidinho.


Faláfel
500 g de grão de bico
1 cebola roxa grande passada no processador ou ralada
2 dentes de alho bem socados
2 colheres (sopa) de salsinha picada
1 colher (chá) de cominho ligeiramente tostado e triturado na hora
1 colher (chá) de grãos de coentro ligeiramente tostados e triturados na hora
1/2 colher (chá) de fermento em pó
1 colher (sopa) rasa de sal
1/2 colher (chá) de pimenta síria
Bastante óleo para fritar
Salada de tomate com pepino, pão pita e molho de gergelim para acompanhar
Doze horas antes, lave bem o grão de bico e coloque de molho com bastante água. Escorra bem, deixando bem sequinho, e passe no processador (em duas ou três vezes dependendo do tamanho do seu processador). Triture até ficar uma massa granulada bem fina. Coloque o grão de bico triturado numa tigela e junte a cebola, o alho, a salsa, o cominho, o coentro, o fermento, o sal e a pimenta síria. Misture bem e soque a massa com uma mão de pilão até ficar uma massa mais lisa e muito homogênea (pulei esta parte de socar e deu certo também). Deixe a massa descansar por meia hora (também pulei esta parte). Numa frigideira funda, coloque óleo de modo a atingir pelo menos 4 centímetros de altura, e leve ao fogo médio para aquecer. Retire porções da massa com uma colher de sobremesa e forme bolinhas modelando-as com as mãos (vá pressionando a massa enquanto modela as bolinhas, para que não se desfaçam). Frite as bolinhas aos poucos, até que fiquem douradas por igual. Retire as bolinhas com uma escumadeira e deixe-as escorrendo sobre papel absorvente ou em esteiras de taquara. Sirva ainda quente com a salada e o molho dentro do pão pita.
Rende cerca de 53 bolinhas
Molho de gergelim
3 colheres (sopa) de tahine
1 dente de alho bem socado
Sal a gosto
3 colheres (sopa) de suco de limão
Água gelada
Soque bem o alho com o sal. Junte o tahine e misture bem. Coloque o suco de limão e mexa até virar um creme. Aos poucos, vá juntando água até o molho ficar mais fluido.

17 comentários:

a. luz disse...

Que delíciaaaaaa!!!

Filipe disse...

ummmmm... Bar central em Recife...
agora tenho que ir hoje a noite... comer um faláfel depois do trabalho!
Muito bom o Post! Vou fazer!

Ana Carolina disse...

O grão de bico não é cozido? Só fica de molho?! É isso mesmo? Interessante... bom saber!
Isso funciona também para os bolinhos de lentilha ou feijões?

Neide Rigo disse...

Ana, é isto mesmo. O grão de bico é cru. Do mesmo jeito são feitos os acarajés e bolinhos de lentilhas e outros grãos. Um abraço, N

J P Diniz disse...

que bom, uma receita de falafel!
será desta que os faço e depois conto

J P Diniz disse...

e a pele do grão fica na mistura?

Neide Rigo disse...

João, tente sim e me fale. Quanto à pele, algumas receitas mandam tirar, mas como no processador tudo fica esmiuçado, não tirei (tampouco a receita que usei pedia que tirasse). Mas acho que se quiser tirar, talvez fique uma textura mais fina. Um abraço, N

Brincando de Chef disse...

Neide, amo falafel mas estou de dieta. Você acha que posso fazer essa receita assada?
Bjs e obrigada,
Débora

Brincando de Chef disse...

Neide, amo falafel mas estou de dieta. Você acha que posso fazer essa receita assada?
Bjs e obrigada,
Débora

Neide Rigo disse...

Débora, eu nunca fiz, mas é capaz que dê certo.
Um beijo, N

Larissa disse...

Ola Meu nome é Larissa Magon e estou aqui para divulgar o meu produto. Faço diversos tipos de massas caseiras, e caso tenha
algum interesse de utiliza-las em algumas de suas receitas ou para consumo proprio, entre em contato pelo e-mail:
larissamagon@hotmail.com e pelo site www.famigliamagon.com.br, que eu lhe enviarei uma amostra grátis.
Muito obrigada pela sua atenção.

Carlos Amaral disse...

Olá, Neide!!!
Estou re-re-relendo seu blog... rs... Nos seus comentários, vc disse que, usando esse princípio dos grãos crus podemos fazer também bolinhos de lentilhas ou outros grãos. Adoro faláfel (minha esposa curte, mas não tanto quanto eu), mas se eu quisesse variar, usando lentilhas em vez de grão-de-bico, poderia tomar essa receita como base? Detalhe, vasculhei a net e todas as receitas q achei q falavam de bolinhos de lentilha pediam ela cozida, e não crua. Conto com a luz da sua experiência! Beijos, paz e luz para vc sempre!

Carlos Amaral disse...

Olá, Neide!
Mais uma vez estou aqui desenterrando esse post. Tentei fazer a sua receita, tomando como base o que vc postou, só que não tinha todos os temperos. Mas tive um problema sério. A massa não deu liga de jeito nenhum! O grão-de-bico triturado ficou com uma textura dura, como se fosse trigo para quibe mal hidratado. Será que errei no tempo de hidratar o grão? Ou será que meu processador é q não deu conta (é daqueles minis!)
Pra tentar salvar a pátria, tive que recorrer ao amido de milho. Fritos, ficaram pelo menos aceitáveis, e perfeitamente comíveis (claro, depois q achei o ponto certo de fritura para eles não ficarem crus por dentro!). Mas, assados, ficaram horríveis, duros, secos, o "ó". Já li em algum lugar q para fazê-los assados o certo é cozinhar metade do grão de bico e processar junto com a parte crua. Mas queria uma luz para que meus próximos falafels não precisassem levar maizena para darem liga... rs...
Um grande abraço, paz e luz pra vc!

Neide Rigo disse...

Carlos, você deixou os grãos hidratando por 12 horas? Pode ser se estivessem muito duros os grãos. Se preferir, pode triturar na máquina de triturar grãos, manual - a massa vai ficar muito mais fina. É melhor até que o processador.
Um abraço,
N

Neide Rigo disse...

Carlos, o certo no falafel é não ter nada além de grãos crus. É como o nosso acarajé. O mais difícil é triturar.
Um abraço, N

Carlos Amaral disse...

Oi, Neide! Obrigado pela resposta. Talvez tenha errado mesmo no tempo de molho, não tenha deixado as 12 horas q deveriam ser. E não tenho esse moedor, mas se é como aquele q vc mostrou nas postagens das tortilhas, sei qual é, só falta eu providenciar um, mas já tenho idéia de onde encontrar deles aqui no RJ. E, pensando bem, realmente com um desses é mais fácil do q com o processador. Já está incluso na minha lista de desejos! rs...
Um grande abraço, e muita paz e muita luz pra vc!!

Marilia disse...

Olá Neide,
Cheguei no teu blog à procura da receita de tahine e fiquei encantada com as maravilhosas outras que achei também! Acabei de fazer o falafel e ficou uma delícia. Fiquei com dificuldade de fazer as bolinhas pois sempre fica molhado,acho que tenho que secá-los melhor. Já o tahine tive que colocar um óleo de oliva pois o processador não triturou a ponto de ficar um crem. Enfim,o importante é que no fim deu certo e estou saboreando neste momento!
Muito legal teu blog,parabéns!
Um beijo de uma brasileira na Croácia,
Marília
marilia-umabrasileiranacroacia.blogspot.com