segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Cará aproveitado

O cará (ou inhame - Dioscorea sp) cozido e deixado na geladeira, ainda que bem cozido, ganha uma textura densa e por isto pode ser picado e ralado com facilidade. Por isto também para que o purê fique bem cremoso o ideal é espremer tubérculos e raízes enquanto estão bem quentes. Quem tem experiência em fazer purê de batatas ou inhoque sabe do que estou falando. No caso do inhoque, espreme-se a batata bem quente e junta-se a farinha quando o purê está frio.
Tem que ver com a gelatinização do amido. Bons exemplos desta solidificação depois do preparo frio são os mingaus de maisena ou qualquer outro amido, o curau de milho, a polenta. Depois que gelatiniza, vira outra coisa e não desvira mais. Todo este blablablá é só pra dizer que cará cozido e frio pode virar coisas diferentes do simples purê. Ralado, por exemplo, faz um fantástico cuscuz de cará.
No sábado estava morrendo de vontade de fazer comida fresca em vez de comer restinhos de sexta-feira requentados. Mas também não tinha outra coisa a fazer além de jogar fora ou comer algumas beterrabas já cozidas, uns pedaços do cará cozido que usei para o pão, um refogado de abóbora e outro de frango desfiado. Tudo de pouquinho e só Marcos e eu pra comer. Jogar fora não podia. E agora, Mané? Fazer um arroz para acompanhar? Arroz fresquinho sempre salva a pátria, só que não tinha sentido fazê-lo com tanto carboidrato dando sopa.
Mas para tudo se dá um jeito e a solução vai nascendo aos trancos com o manusear da faca. A beterraba, foi só descascar e temperar com cebolinhas picadas do quintal, vinagre, sal, pimenta e azeite e virou uma salada de entrada. A abóbora, juntei ao frango, completei o tempero com uma pitada de canela, mais pimenta e cebolinha verde. E o cará, bem..., resolvi picar enquanto pensava.
Fui picando e me empolgando até que ficou quase como grãos de arroz. Lembrou cuscuz marroquino e pensei então, e tudo me pareceu tão óbvio, em passá-lo na manteiga temperada com pimenta vermelha picada e novamente cebolinha (que tem tanta no jardim). Deu no que deu, ficou ótimo e combinou.

Cará cozido, frio e picado na faca e refogado na manteiga
Cará picado refogado na manteiga ou cuscuz de cará com cebolinha na manteiga
É só picar finamente o cará cozido e frio, derreter à parte manteiga numa frigideira anti-aderente, juntar cebolinha picada (queria caramelizar antes uns cubinhos de cebola, mas não tinha) e quadradinhos de pimenta dedo-de-moça, deixar murchar e juntar o cará picado. Mexer delicadamente só para aquecer e nhac com uma carne de molho.

4 comentários:

hilma disse...

estou apaixonada por este blog..rodo meio mundo vendo blogs culinarios e nunca tinha visto um tao completinho..quantas coisas diferentes..coisas q eu nem sabia q existia..meus parabens Neide..vc realmente é uma pessoa diferente e q faz a diferença...
e o melhor me parece mto feliz..

parabens de novo

Hilma

Aninha disse...

Neide, descobri essa "propriedade" do cará há alguns dias atrás, quando deixei alguns cozidos na geladeira... acabei fazendo purê, mas não ficou tão gostoso! Tivesse também descoberto o cuzcuz de cará! Parece ótimo!

Gilda disse...

Ah Neide! Só brincando assim ao cozinhar é que uma pessoa consegue transformar o ato de preparar as refeições diárias em algo agradável e criativo, principalmente quando a família reconhece e aprecia, né? E quando a cozinheira sempre sabe o que fazer para que qualquer coisa fique nova, bonita e saborosa, claro! Se você não contasse, quem saberia que eram restinhos de sexta feira?

Nadia Marrach disse...

Neide, uma das coisas que eu adoro neste blog é que você nos instiga a uma mudança de ponto de vista! E aí, mil possibilidades aparecem....