sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Carás-do-ar confessam: se pudessem voariam



Sugestão ao Nuno Ramos: aprisione carás-do-ar em brotação. Vantagens: como os urubus, são do ar e, se pudessem, voariam - por enquanto, se agarram a um tutor; podem ser pintados de preto-urubu e ainda assim vivem; podem receber penas pretas espetadas que mesmo assim vivem; fazem uma arte diferente por jornada lançando ramos e raízes cada dia mais vistosos, enquanto os tubérculos se atrofiam; não precisam de água nem comida - as próprias reservas lhe bastam enquanto durar a Bienal; não fazem sujeira; podem viver aprisionados por um tempo e quanto menos luz, mais estiolados e artísticos serão os ramos; não se sentem ridicularizados sendo alvo de olhares; não é preciso autorização do Ibama ou do Ministério da Agricultura para expô-los; o movimento pela liberdade dos carás-do-ar não deve contar com mais que dois membros. E, por último, se o artista quiser, ainda dou de graça estes três exemplares sadios.

6 comentários:

Anônimo disse...

Se não fosse tão longe... eu ia aí buscá-los!
Manuela Soares

Cristina Welle disse...

Primeiro achei que era um congresso de naves espaciais acontecendo em SP... mas depois entendi é um conluio de carás-do-ar em oposição a homens que aprisionam urubus!!!!

Mariângela disse...

genial a tua ideia Neide,eu li a respeito desta história e morri de pena dos pobres urubus, os carás cumpririam muito bem o papel,e ainda virariam um rango bom no fim de tudo.Beijo!!

Sabrina disse...

Obrigada por esse post; fiquei realmente emocionada!

Anônimo disse...

Há por cá um clube de futebol que exibe uma águia antes de cada jogo.
Não percebo como isso é permitido.
Por outro lado, ainda no domingo, foi libertada no Algarve, uma águia-de-asa-redonda que, há um ano, foi encontrada crivada de chumbo.
Manuela Soares

andres sandoval disse...

que monstrinhos ótimos!