quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Hibisco de flor vermelha refogado com camarão seco


  • O hibisco que a gente costuma usar no chá e que maranhenses conhecem por vinagreira é o Hibiscus sabdariffa, cujas folhas são usadas como verdura e as sépalas das flores viram chás, geleias etc. Hibiscos ornamentais também são comestíveis, folhas e flores - mas não tão gostosos quando a vinagreira e este que mostro aqui, o Hibiscus acetosella, de folhas avermelhadas, cuja primeira planta ganhei de minha amiga Verônika. Todas as mudas que tenho hoje originaram daquela.


    Na horta comunitária temos dois pés e estavam enormes, por isto precisei podar. Usei as folhas azedinhas, cortei os galhos em pedaços de uns trinta centímetros e plantei. A planta brota facilmente por estacas.


    O Hibiscus acetosella é conhecido também como hibisco cranberry, falsa roselle (roselle ou ´groselha´ é o outro nome da vinagreira) ou hibisco de flor vermelha e pode ser uma planta perene de acordo com o clima. Por aqui, nunca morre, mas em climas frios se comporta como planta anual. É originário da África e provavelmente foi trazido pelos escravos. Em alguns lugares da África é hoje consumido como verdura.

As folhas jovens têm um sabor ácido delicioso, ótimas para compor saladas. Mas as mais velhas também são comestíveis como verdura cozida. Como são muito ácidas, é bom sempre misturá-las com outros ingredientes como carnes, peixes ou  outras folhas. 

São ótimas também para fazer sucos e coqueteis, não só por causa da acidez como também pela cor. Experimente adicionar as folhas na limonada gelada.  Diferente da vinagreira, as sépalas das flores deste hibisco não são carnudas, mas as pétalas podem ser adicionadas em saladas - vale lembrar que as flores ficam abertas só  um dia e que são parentes dos quiabos, portanto, a planta toda tem algo de mucilaginoso. Como planta medicinal, é considerada como anti-inflamatória por causa dos polifenois presentes. 

Por estas e por outras, não poderia desperdiçar as folhas que recolhi na poda. Antes de saber o que faria, cozinhei em água salgada da mesma forma que faço com o espinafre, já que as folhas já não eram tão jovens. Por fim, resolvi fazer um refogado à moda de cuxá, que se faz tradicionalmente com as folhas do outro hibisco - também azedinhas, e camarão fresco, pra comer com arroz - arroz de cuxá.  Com algumas licenças e com uma foto horrível - foi o que consegui com um péssima luz noturna, aqui está minha versão. 

Hibisco de flores roxas com camarão seco - Cuxá 

  • Cozinhei uma tigela de folhas de hibisco em água fervente e salgada, por cerca de 10 minutos ou até que ficassem macias. Escorri, piquei bem e reservei. Descasquei cerca de 70 g de camarão seco e deixei de molho em água enquanto já começava a preparar o refogado. Numa frigideira, dourei em azeite 3 dentes de alho picado, juntei 1 cebola picada e 1 tomate picado. Deixei refogar por 3 minutos ou até que o tomate amolecesse. Juntei 1 moeda de gengibre ralado, 1 pimenta-de-cheiro picada, 2 colheres (sopa) de coentro picado e a mesma quantidade de cebolinha picada. Mexi e juntei a folha picada, o camarão seco picado e 1 xícara de camarão fresco temperado previamente com sal e pimenta. Deixei o camarão cozinhar e polvilhei por cima farinha de mandioca, só pra engrossar um pouco o caldo. Acrescentei também 4 colheres (sopa) de gergelim torrado. Provei o sal, corrigi, deixei cozinhar mais uns minutos e servi com arroz branco.  Se precisar, junte um pouco de água quando acrescentar o camarão e junte folhas de coentro pra decorar. 
Rende umas 6 porções. 

  •  

Um comentário:

v. paulics disse...

oi, neide, sabe que fico sempre feliz quando sei que contribui de alguma maneira pras tuas invenções. no caso desta muda, sempre achei que você é que tinha nos dado em algum momento quando ainda não tinha o sítio. em casa a vinagreira devia estar num lugar com pouco sol porque crescia muito devagar e poucas folhas. ou a terra não era lá essas coisas. ou faltava água. vai saber.
realmente a foto da comida não ficou uma maravilha, mas pra foto de comida deve valer o que se diz pra bolo de aniversário: os mais feinhos costumam ser os mais saborosos e úmidos. portanto, qualquer hora passo aí pra experimentar o arroz. por falar em passar aí, estes dias constatei que em julho o come-se fará dez anos oficialmente. eu proponho muitas e muitas comemorações: comeres e memórias.
um beijo. v.