sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Trapoeraba. Se não pode com ela, coma-a

As florezinhas azuis são comestíveis e vão pra salada
Aos poucos ela vai tomando seu jardim, sua horta, seus canteiros. Rasteja tateando paredes para se encostar ereta, se aloja numa sombra e pela manhã de sol tenta te cativar com lindas florezinhas azuis. Na lavoura a tática não funciona e a danada ou daninha é combatida ferozmente com herbicidas de guerra. Nem assim esmorece, afinal tem bainhas que lhe protege os brotos, tem sementes subterrâneas em flores modificadas e rizomas que se arrastam protegidos abaixo da superfície, mecanismos para garantir sobrevivências nas adversidades. Por isto é chamada de praga e das mais difíceis de se eliminar.
No jardim, se você descuida ela toma tudo. Mas quem tem boca não dorme no ponto, pois embora suas fohas não sejam tão apetecíveis como beldroegas e carurus, na panela é uma surpresa agradável. Ela amacia rapidamente com um leve refogar e libera um aroma bom que lembra o de ora-pro-nobis e outras folhas verdes boas de comer. A textura é bem macia, quase cremosa - no arroz, crua na salada, ou simplesmente assustada no azeite quente com cebola e alho. Depois de cozidas, as folhas podem virar bolinhos, fritadas, suflês ou ingrediente para pães e tortas.
Aqui, quase sufocando o jambu
A planta: originária da América Central, a Commelina erecta L. pode ser chamada também de capoeraba, andaca, santa-luzia ou erva-de-santa luzia. Outra variedade de trapoeraba, só que com flores brancas, a Tradescantia fluminensis também é comestível. Talos jovens, folhas, flores e até raízes são comestíveis. Na tese do biólogo Valdely Kinupp, Plantas alimentícias não convencionais da região metropolitana de Porto Alegre - RS, há um tópico falando da planta, histórico de uso na cozinha e de suas potencialidades como planta forrageira e alimento para suínos, aves, coelhos, porquinhos-da-índia, capivaras e outros animais de cativeiro ou domesticados como nós, seres bem humanos.
Refogado no azeite/ banha ou óleo com alho e cebola - um jeito prático, barato e eficiente de se preparar a maioria das verduras sem disfarces

No arroz não tem erro. É só preparar do jeito clássico, refogando alho e/ou cebola antes de juntar o arroz com as folhas. Nos dois casos, usei 1 xícara de verdura para 1 de arroz. No primeiro, também tomate e no segundo feijão fradinho pré-cozido, cenoura, pimenta e cúrcuma

11 comentários:

Beatriz - Jubiart disse...

Neide! A primeira planta parece muito com a "Maria Mole", como chamamos aqui na região, nós usávamos para alimentar coelhos, descobri agora porque eles adoravam esta planta. Coincidentemente estou com jambu catado na geladeira pronto para o preparo do tacaca.

Bom fim de semana!

Abraço...

Bia.

Nadia Marrach disse...

Depois de conhecer o COME-SE, o olhar para o meu quintal não é mais o mesmo! Cada vez que eu vejo um matinho eu penso: é só eu arrancar e amanhã mesmo tem um post da Neide dizendo que o tal matinho é comestível, é delicioso, além de ter incríveis propriedades nutricionais, rituais e espirituais! Semana passada tive uma intuição de que aquela folhagem simpática sob a pitangueira deveria ser comestível, e que aquelas florzinhas azuis poderiam, quem sabe, fazer parte de uma salada algum dia (adorei a combinação com a capuchinha). Deixei lá e agora, além do mastruz, beldroega, serralha e serralhinha, também a trapoeraba vai prá mesa! Mais um prá coleção!

Você citou a "tradescatia fluminensis" como sendo comestível. Você tem alguma informação sobre a "tradescantia pallida purpurea", uma forração roxa com flores rosa, se não me engano? O nome popular é trapoeraba-roxa. Seria comestível também?

Joice disse...

Você sempre surpreendendo a gente. Nunca imaginei que eram comestiveis. Arranco tudinho do jardim, mas as danadinhas voltam.
Tai, cada dia aprendo mais aqui.
Bom fim-de-semana.

Neide Rigo disse...

Beatriz, talvez você se refira à Commelina diffusa, muito parecida, só que com florzinha menor. Também comestível. Hum... tacacá!!

Nadia, estas danadas tomam todo o espaço do nosso jardim, não é mesmo? Mas saber conhecer mais sobre elas não ocupa espaço, então fico feliz de saber que sabe um pouco mais através do Come-se. Quanto à tradescantia - é desta que fala, né?:http://www.mobot.org/gardeninghelp/plantfinder/plant.asp?code=C137, ela é nativa do México e não encontrei nenhuma referência sobre ser comestível por lá, mas também desconheço qualquer toxicidade. De qualquer forma, não deve ter muito interesse culinário, do contrário já teríamos alguma informação.

Joice, acabe com elas, comendo-as (ainda assim sobreviverão!).

beijos, N

Janete Borges disse...

Que bom que isso se come!!! Na minha casa tem muito no jardim! Tão bonitinha que é a flor!! Obrigado pela dica, vou come-la!!!
Abraços Neide!

Anônimo disse...

na minha lavoura de soja tem essa porcaria aí de trapoeraba, nao tem o que mata essa merda aí, se fosse voces nao plantava isso no quintal nao.kk

Anônimo disse...

Estou cada vez mais me aprofundando no estudo das PANCs e tento trazer essa nova cultura aqui para casa!
Onde vivo tem muuuuita trapoeraba e logicamente tentei introduzi-la na alimentação da família, mas eles reclamam dizendo que o talo nunca cozinha ou fica macio... Já até tem gente batendo o pé e dizendo que não quer mais ver isso na panela =S
Mas eu não gostaria de aproveitar somente as folhas nas receitas...
Por acaso alguém teria alguma dica de cozinhar a trapoeraba de algum jeito a "amaciar" seu talo? ^^
Quero surpreender a todos aqui em casa xD

MUito obrigada!

Veronyca
Florianópolis - SC

Anônimo disse...

Estava pesquisando sobre plantas que são beneficas aos cabelos e que poderiam servir como shampoo natural, acabei descobrindo que a trapoeraba auxilia no crescimento e fortalescimento dos cabelos podendo ser usada em forma de chá para lavar o cabelo, esatamente o que eu quero, mas ñ sei onde posso encontra-la novamente pois a ùnica que eu tinha eu arranquei e joguei fora pensando que fosse um mato qualquer e por ter colocado pó de pedra para evitar crascimento de capim no chão, nunca mais cresceram novamente, agora espero encontra-la novamente para plantar, caso alguem queira cometer o mesmo erro que eu e elimina-las é só arrancar e colocar pó de pedra no lugar onde ñ quizer que elas cresçam, mas considerando os seus muitos beneficios á saúde e sendo usada até como chá emagrecedor eu ñ faria isso nunca mais, pois depois eu teria que comprar o chá em caixinha e bem caro, como muitos já fazem, pois enquanto uns querem elimina-la, outros estão comprando-a em caixinhas bem caras para uma planta que é conhecida pela maioria como erva daninha, para quem quer evitar a calvicie e fortalescer os cabelos aconselho a preserva-las.

Cabeça de Frade disse...

Neide, tu sabes se a Trapoeiraba lambari, ou Tradescantia zebrina é comestível? Eu procurei em todos os livros que tenho aqui e não achei informação. Esta tomou conta do meu quintal, seria tão bom se pudesse comê-la... Adoro aprender contigo!! Grande abraço!!! Dani

Rubens Teixeira disse...

Que maravilha esta informação ao segundo inimigo da minha horta se tornaram meus amigos, o primeiro foi a tiririca. Muito obrigado.

Rubens Teixeira disse...

Que maravilha esta informação ao segundo inimigo da minha horta se tornaram meus amigos, o primeiro foi a tiririca. Muito obrigado.