sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Canastra. Fazenda do Zé Mário e da Valdete

Se quiser ver e ler sobre a primeira vez que estive na fazenda do Zé Mario e da Valdete, lá na Serra da Canastra, clique aqui: http://come-se.blogspot.com.br/2012/01/queijo-da-canastra-na-fazenda-do-ze.html

Verá, pelas fotos, que pouca coisa mudou na rotina desta família produtora de um dos melhores queijos da Canastra - já abocanhou prêmio de melhor queijo artesanal mineiro duas vezes e só não ganhou mais porque não foi inscrito novamente dando chance aos outros. Este, sim, pode ser encontrado aqui em São Paulo (na loja A Queijaria). 

Apesar da secura do tempo que faz Zé Mário evitar olhar para a plantação de arroz - diz que fica triste porque as folhinhas ficam enroladas para se preservar -, a pastagem continua verde, as vacas seguem sadias, taioba sempre tem, um cacho de banana três quinas pendurado perto da casa nunca falha, uma abobrinha ou outra, o quiabo e o jiló, mesmo que não fartos, dão conta para o lobozó. E a mandioca está sempre ali debaixo da terra, eterna provisão. Na despensa não faltam polvilho para as quitandas e a carne de porco conservada na manteiga de porco, o verdadeiro fast food caipira, o nosso confit.  E tem os queijos maturados e sobras frescas da produção do dia, sempre à mão para completar a mistura,  que conta também com ovos e galinhas que ciscam no quintal. 

Dete é metódica e zelosa no trabalho e na casinha só ela entra, toda paramentada, com higiene impecável. Não é à toa que é um dos mais caros queijos da Canastra. Mas já falei tudo isto no post citado lá em cima. Enquanto ela terminava o trabalho, fomos adiantando o almoço, colhendo mandiocas, picando a taioba e os legumes. Como a comida da Romilda, não há muito tempero além da banha, do alho e da cebolinha. Não precisa de mais nada. A leve fumaça da lenha dá o toque final aos pratos que encantam pela simplicidade e sabor. Não há ali pratos requintados no desenho, mas a técnica é apurada, a cozinheira, habilidosa e os ingredientes, de primeira.  Não tem como comer e não repetir. 

Desta vez, não pousamos lá. Estávamos hospedados na casa do Zé Pão e da Romilda que é sobrinha da Dete. Decidimos ir a pé (mesmo porque não havia outra possibilidade) até a fazenda do Zé Mário que fica a uns 4 quilômetros, serra abaixo, num lindo vale. Saímos muito cedo para não pegar sol. João Vitor, filho dos nossos anfitriões, foi nosso guia e, para descer, todo santo ajuda. Na hora da volta, porém, lá pelas quatro da tarde, pegamos um sol de meio dia, de castigar. Vinha curva, virava curva, e a estrada só fazia subir, subir. E nem um diabo velho montado num trator que fosse passou para dar carona. Nem uma boa gameleira surgiu na beira da estrada para nos fazer sombra. O jeito foi ir fazendo pequenas paradas nas poucas sombras de barranco que encontrávamos. Demoramos mas chegamos e a visita valeu cada gota de suor. 

Apesar da fama (Zé Mário e família já apareceram no filme O Mineiro e o Queijo, em entrevistas e, recentemente, no Globo Repórter), a família continua a viver com simplicidade e decência, sem ambições. Zé Mário filosofa, por exemplo,  que não acha certo dar soro para vaca - não acha ético a vaca beber o que ela própria produz. Diz também que o ideal é que cada vaca produza o menos possível, pois, coitadinha, como pode carregar um úbere tão pesado? Então, ali, não tem essa de incrementar a dieta do rebanho com ração aditivada para que as vacas fiquem bombadas, não. A ração que recebem por dia - cerca de 2 litros de milho produzido ali, é só para fazer o manejo no curral na hora da ordenha e servir de veículo para medicações como o remedinho homeopático que usam para evitar carrapatos.  Ali, segue-se o lema de que nada demais é bom, nem dinheiro demais presta, como Zé Mário disse recentemente no Globo Repórter (o vídeo pode ser visto aqui

Enquanto estávamos lá chegou o funcionário do Fernando, da loja A Queijaria, que vai buscar pessoalmente as joias. E o bom é que a relação entre produtor e vendedor é pra lá de justa. Almoçamos todos juntos. Juntou-se a nós uns produtores de queijo Canastra de Medeiros - que provei ontem na casa da minha irmã, maravilhosos -, que chegaram para também mandar a encomenda para a Queijaria. Então, se quiser comprar o queijo do Zé Mário na loja, já vá sabendo que não é barato e que pratica-se aí um comércio justo em que a pequena produção  - pouco mais de uma dezena de queijos por dia é produzido ali - é resultado de muito trabalho e excelência que de forma alguma faz destes pequenos fazendeiros gente rica de dinheiro. Mas de saúde, de alegria, de ética e bons costumes, ah, disto tudo há uma riqueza imensa.  

Bem, aqui algumas fotos:

Mara e Ivo até tentar arrancar a mandioca
Mas Zé Mário chega de mansim

E num instantim mostra como é que se faz


A mandioca solta a casca assim
  
Desta mesma mandioca se faz o polvilho que faz o biscoito

Melão de São Caetano que enfeita a horta

Zé Mário gosta de filosofar sobre a vida e os costumes

Pimenta é sempre no molho para acompanhar a comida. E ovos frescos.

Uma sobra de queijo do dia vai pra panela no lobozó

Suco de limão cravo com capim santo,  minha contribuição. Pimenta e angu

Taioba, abobrinhas e jiló da horta


Ô comida boa que faz esta Dete

Carne de porco, mandioca, feijão de dois tipos

Taioba e carne de porco
Comida simples que enche o prato
Zé Mário e Dete vivem lá embaixo

Mas vamos lá
Na hora de subir...
Onde encontrar o queijo do Zé Mário em São Paulo:  A Queijaria: Rua Aspicuelta, 35 - Pinheiros - São Paulo - SP - Telefone: (11) 3812 6449

9 comentários:

Anônimo disse...

Puxa, Neide.... Lendo seu texto deu uma vontade enorme de estar junto nesta viagem. Sou de Resende/RJ e não vou para SP, ou seja, não tenho como comprar os queijos nesta Queijaria. Será que,um dia, for possível visitar a Serra da Canastra, o seu Zé não venderia uns queijos diretamente pra gente! Bjs. Cris-RJ

Rhosanna disse...

Ow my god! Isso é o paraíso!! Que coisa mais bonita! Que lindo! Que vida! Maravilhoso!!!!
Como faço para ir lá ? Quero ir de qualquer jeito, amei amei! Que privilégio o seu, heim?! Bom demais!
Muita luz e paz!

Wânia Mara Araújo Pietrafesa disse...

Neide sempre me impressiona como você é inteira no que faz, presente onde está. É uma benção poder desfrutar uma viagem como esta e outras. Parabéns!

Anônimo disse...

Oi Neide! Já acompanho o come-se há tempos e é sempre um enorme prazer ler sobre suas andanças, experimentações e afins!
Escrevo hj para pedir uma orientação, fiz uma viagem por minas na virada do ano, e aproveitei para me abastecer das delícias dessa terra sagrada. Dei inclusive uma passada no mercado de bh a caminho de Inhotim, e trouxe um queijo do Zé Mario, mais um padrão PJ e outro com uma rendinha em volta que comprei em tiradentes! A questão é como conservá-los, já que moro no Rio de Janeiro (calor demais), e procuro não exagerar no queijo no dia a dia. Difícil não colocar na geladeira.. tem a de vinho mas fico com medo do cheiro. O do Zé Mário penso em deixar por último já que os outros são mais cremosos, é isso? Saco plástico? Lavo de vez em qdo? rs
Desculpe tantas perguntas,mas fico com medo de perder os queijos, ou não apreciá-los no melhor!
De qq forma meu muito obrigado por tudo!!!
Daniel Soeiro

Neide Rigo disse...

Cris, quando for a São Roque de Minas, procure pela fazenda do Zé Mário - todo mundo sabe quem é e onde fica. Aí é só agendar uma visita ou aparecer lá na parte da tarde de preferência, quando eles estão mais tranquilos de trabalho. Ele vende o queijo a quem aparecer.

Rhosanna, é só pegar um ônibus até Piumhim, que tá perto. De qualquer forma, conseguirá mais informações no Google - procure por São Roque de Minas.

Wânia, eu tento. Obrigada.

Daniel, não precisa guardar em saco plástico, não. Nem na adega. Eles aguentam bem em temperatura ambiente. Procure improvisar uma queijeira como a que mostrei no post anterior e deixe no canto mais fresco da casa. Só isso. Se aparecer um mofinho branco é só lavar e secar bem com pano limpo.

Um abraço, n

neiva de almeida disse...

Que beleza! Obrigada por nos mostrar essas maravilhas. Neiva

Anônimo disse...

Olá Neide. Bom dia.
Você ainda tem kefir para doação?
Obrigada...bjs
Claudete

Anônimo disse...

LEIA SOZINHO porque no passado eu também não acreditava que ia dar certo, mas… funciona mesmo!!! Entrei neste site e fiz esta prece. Fiz para ver se ia dar certo e deu, assim que acabei meu amor ligou. A pessoa que eu copiei também não acreditava mas para ela também funcionou! AGORA VEREMOS…
Diga para você mesmo o nome do único rapaz ou moça com quem você gostaria de estar (três vezes)…
Pense em algo que queira realizar na próxima semana e repita para você mesmo (seis vezes).
Se você tem um desejo, repita-o para você mesmo (Venha cá ANJO DE LUZ eu te INVOCO para que Desenterre TAM de onde estiver ou com quem estiver e faça ele ME telefonar ainda hoje, Apaixonado e Arrependido, desenterre tudo que esta impedindo que TAM venha para MIM , afaste todas aquelas que tem contribuído para o nosso afastamento e que ele TAM não pense mais nas outras… mas somente em MIM. Que ele ME telefone e ME AME. Agradeço por este seu misterioso poder que sempre dá certo. Amém…).
Publique esta simpatia por três vezes , basta copiar e colar por três vezes em un forum diferente esta simpatia abaixo e logo em 48hs você terá uma linda surpresa, beijos Ainda esta noite de madrugada o TEU amor dará conta de que TE ama, algo assim acontecerá entre 1 e 4 horas da manhã esteja preparada para o maior choque de sua vida!

TheTica1964 disse...

Gostaria de uma grande ajuda. Meu cachorro sofre de uma alergia crônica e difícil de ser curada, seu sofrimento é desesperador! estudei sobre a cura ou a amenização desta doença, e verifiquei que a planta MELÃO DE SÃO CAETANO, É EFICAZ E MILAGROSO!
Só que moro no Rio de Janeiro, e é quase impossível de achar por aqui. Gostaria de saber com fazer para chegar até aqui? Bom, conto com ajuda de vocês. Desde já obrigada.
Meu contato é: tica1964@gmail.com
ou fazeredo2@gmail.com