segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Banana marmelo na Festa Gastronômica Pitadas

Banana figo, a amarela 
Em Goiânia, ainda se encontra nas feira a banana marmelo. É mais barata que a banana-da-terra, também é boa pra fritar ou cozinhar, mas muita gente a despreza. Foi por isto que as chefs Nancy Veloso e Marta Gouveia resolveram apostar no ingrediente, junto com a abóbora, outra tantas vezes injustiçada, para compor a aula "Banana e Abóbora: diálogos irreverentes", na Festa Gastronômica Pitadas.  

Já mostrei o pé dela aqui. Tínhamos uma touceira desta bananeira em Fartura. Quando meu pai vendeu o sítio, tirei mudas de várias bananas e já não me lembro de quais. Só sei que fiquei com as mudas aqui em casa, num balaio, sem ter onde plantar. Acabei levando todas para a praça perto de casa. De tempos em tempos passavam os jardineiros contratados da prefeitura e as podavam como grama. As danadas rebrotavam. Depois que compramos um sítio, fomos um dia até à praça na surdina e substituímos as quatro mudas que sobraram por mudas de abacates. Levamos para Piracaia e lá estão viçosas. Só não sei se entre elas está a banana marmelo. Estou torcendo para que sim, pois as chefs goianas mostraram inúmeras outras possibilidades além das que eu já conhecia.  Meu pai chamava de banana-figo. Tem aqui um pão feito com ela. 


Peixe com banana e rocambole de banana com carne seca e coração de bananeira. 

Infelizmente não pude assistir à aula da dupla, mas tive tempo de experimentar as delícias e ficar estimulada a comprar a banana na feira, que viajou resistente pra São Paulo.  

Numa noite em que não saí para jantar, cheguei ao quarto do hotel e lembrei que tinha a banana marmelo comprada um dia antes e mel da Chapada das Mesas, de florada de favas de bolota. Melhor isto que batata chip de pacotinho barulhento.  Como disse, banana marmelo fica melhor quando cozida. A única fonte de calor no quarto, além da água escaldante que poderia coletar da torneira, era a cafeteira. Então, o que fiz foi substituir a jarra d´água pela banana com casca que cozinhou enquanto fazia outras coisas. Depois de quase meia hora, eis a banana cozida, molinha, doce, restauradora.  Foi só abrir, cobrir com um fio de mel e nhac! 




7 comentários:

Lucia Sasaki disse...

Oi Dona Neide, obrigada pela postagem, fotos maravilhosas. Eu nem conhecia essa tal de banana marmelo. Viu como aprendo coisas novas com seu blog?
Também adorei o modo como a senhora cozinhou a banana na cafeteira, que coisa incrível!
Muito obrigada!

Dalva Tupinambá disse...

Neide, você é o máximo! Essa de cozinhar a banana na cafeteira foi muito boa. Minha mãe gostava muito da banana São Tomé, mas na feira já vi falarem banana-cinza, banana-figo e outros nomes que não lembro mais. Na verdade deve haver diferença mas eu confesso ter dificuldade em saber qual é esta e qual é aquela. Um grande abraço.

Anônimo disse...

Banana MARMELO uma das poucas bananas , que ficam SEQUINHAS quando fritadas . So como quando vou pra FARTURA , trago logo uma PENCA delas (verdes) e quando maduram hummmmm nhac . Beijos Denise

Anônimo disse...

Descumpe ( FRITAS )

Anônimo disse...

Ahhhhhhhhhhh nao isso ja virou brincadeira , DESCULPE-ME .

Unknown disse...

Oi, Neide! No Vale do Paraíba temos muita banana figo e elas são mais ou menos queridas por aqui. E gostosas!
Beijos

Kenia Bahr

Sérgio Dias disse...

Olá Neide, preciso de uma muda da banana marmelo. Será que vc pode me dar uma dica de onde conseguir?