segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Aproveitando capuchinhas e produtos do queijo mosaico. Ou torta de capuchinha

Sei que se guardasse por mais tempo na geladeira aquela manteiga de queijo, aquele creme de leite de queijo e os grânulos de queijos, acabaria me esquecendo deles. Por isto, e aproveitando que queria levar algo na casa da amiga Sonia, que nos convidou para degustar uma cerveja feita por ela (deliciosa, por sinal), resolvi usar a manteiga na massa e o creme junto com os grânulos, no recheio de uma torta de capuchinha (Tropaeolum majus) - já que é época e tenho aos montes no quintal. Deu certo e a torta ficou gostosa. A capuchinha com queijo faz um par imbatível. Claro, estes ingredientes de queijo, como disse no post anterior, são circunstanciais e por isto nem mesmo eu vou ser capaz de reproduzi-los novamente (espero não precisar tirar pedaços de queijo de novo de dentro de um bloco de gelo). Então, use creme de leite no lugar do creme de leite de queijo; manteiga comum  no lugar da manteiga de queijo e queijo cru curado ralado grosso no lugar dos grânulos de queijo. Tenho certeza que não perderá a massa.  Ou faça a substituição que sua intuição mandar e aproveite a verdura da estação. 








Torta de capuchinha com queijo 

Massa
1 ovo
1 pitada de sal ou a gosto
75 g de manteiga de queijo gelada (ou manteiga comum)
150 g de farinha de trigo branca (de preferência orgânica)

Para o recheio
2 colheres (sopa) de manteiga 
Meia cebola picada
1 pimenta dedo-de-moça sem sementes picada 
60 g de folhas, flores e talos de capuchinha lavadas e bem escorridas
3 ovos
100 g de creme de leite de manteiga gelado (ou creme de leite fresco)
50 g de grânulos de queijo (ou queijo curado ralado grosso) 
1 pitada de pimenta-do-reino
1 pitada de noz-moscada
Sal a gosto 

Prepare a massa: numa tigela, misture o ovo com o sal e a manteiga ralada em ralo grosso (ou cortada em cubinhos minúsculos). Junte a farinha e vá amassando devagar com os dedos até formar uma massa homogênea (não se deve trabalhar demais a massa para não estimular a formação do glúten e deixá-la dura e elástica – ela deve ficar maleável). Se precisar, junte um pouco de água gelada em pingos (vai depender do tamanho do ovo e da umidade da farinha). Molde uma bola com a massa, coloque num saco plástico e guarde no congelador por 15 minutos. Preaqueça o forno a 180 ºC. Entre duas folhas de plástico, estenda a massa com um rolo até ficar com mais ou menos 2 milímetros de espessura. Forre com ela uma forma de torta com 23 centímetros de diâmetro, sem untar (se quiser, forre a forma ajeitando a massa até as bordas com os dedos) e leve ao forno. Deixe assar por 7 minutos. Retire do forno e deixe esfriar.

Prepare o recheio: numa frigideira, em fogo médio,  derreta a manteiga, junte a cebola picada e deixe murchar. Coloque a pimenta e os talos da capuchinha picados e refogue até a cebola começar a dourar. Coloque as folhas da capuchinha e refogue com um pouco de sal até que fiquem macias. Espere esfriar. Numa tigela, bata os ovos com o creme, os grânulos de queijo, a pimenta-do-reino, a noz-moscada e sal a gosto (vai depender do queijo que está usando). Reserve.
Finalizando: distribua a verdura sobre o fundo pré-assado. Espalhe por cima as flores e despeje o creme batido. Leve ao forno preaquecido a 200 ºC, e deixe assar por aproximadamente 30 minutos ou até o recheio ficar firme e dourado. 
Rende: 6 porções

7 comentários:

Anônimo disse...

Olá Neide,

A torta parece deliciosa! Como você faz para manter insetos e mosquitos longe de sua horta?
Obrigada por compartilhar receitas e sabedorias em seu blog. Acompanho-o sempre.

Abraços,
Karina

Anônimo disse...

Neide, passando pra elogiar e agradecer.
Não comento com tanta frequência, mas passo aqui todos os dias, leio os posts atuais e os de anos atrás e tenho aprendido muito.
Uso seu blog como fonte de pesquisa, e cada minuto que passo aqui lendo, olhando as fotos vale muito a pena!
Fiz várias receitas, e todas deram super certo e agradaram a todos de minha família.
Ah, antes que me esqueça, a sua receita de pudim de leite é simplesmente a melhor, pouco doce, leve, sensacional!!
Muito obrigada por compartilhar tanto conhecimento.
Abraços, Vah Netto

O carteira vazia disse...

Pedimos desculpa mas é apenas para divulgar. Um casal, a crise, poupanças e histórias de quem vive a crise como muitos outros, mas onde a poupança é o melhor remédio. Pode passar a mensagem…? Obrigado!

http://ocarteiravazia.blogspot.com/

Marta disse...

Oi Neide,
Encontrei as sementes de capuchinha aqui. Para tentar fazer a receita do post de hoje, só em maio, porque no horto aonde comprei as sementes, recomendaram semear em março para ter as flores em maio, isto é inicio da primavera aqui. Um esclarecimento : apesar de não ter forno, volta e meia uso a cozinha do meu filho, que mora a duas quadras de onde moro, estou gostando do sistema (rsrsr) e assim vou testando uma receita aqui e outra lá.

João Inácio disse...

Neide,
Consigo plantar várias coisas na sacada do apê, mas capuchinha não rola... :(

Ontem, passei por uma casa abandonada e a frente estava tomada de capuchinhas, com as maiores folhas que vi na vida, tão grandes que pareciam folhas de abóboras! E ninguém para aproveitar, (a casa é toda gradeada) que pena...

Yolanda disse...

Neide, sua torta está perfeita, parabéns por mais uma ótima postagem. Um dia ainda planto capuchinhas, uma planta linda. Bjs.

Neide Rigo disse...

Karina,
eu não faço nada. O que tem na minha horta é maria-fedida e algumas lesmas. Tiro quando vejo. Mas mosquitos, não.

Vah, poxa, fiquei feliz com este retorno. Obrigada!

Carteira, bateu em porta errada.

Marta, pode substituir a capuchinha por outras verduras ou flores, que também vai dar certo.

João, capuchinha gosta de água e não muito sol direto.

Yolanda, obrigada!

Um abraço, n