sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Almoço no quintal

Já reparou como a gente complica quando o assunto é reunir amigos para comemorar alguma coisa ou simplesmente para compartilhar momentos bons em volta de uma mesa?  Desculpas não faltam. A casa não está apresentável, eu não sei cozinhar, fulano que cozinha bem vai reparar, eu não sei harmonizar o vinho, não tenho louças, tenho pouca cadeira, não tenho taças, não tenho grana, não tenho tempo e por aí vai. Opta-se, então, para reunir amigos num restaurante para comemorar o aniversário. Cada um paga o seu. Justo. Mas justa também fica a saia do amigo que não estava podendo gastar naquele momento. Nem todo mundo tem mesmo uma casa ampla com quintal para uma grande farra, mas sempre tem um amigo que tem. Se não, há  tantas praças dando sopa por aí. Então toda desculpa, pra mim, é excesso de preciosismo. No fundo, o que todo mundo quer é estar junto, cozinhar, errar. Isto é que é gostoso. 

O pessoal do aikido (Marcos é aikidoista) que o diga. Sempre dá um jeito de se reunir. E lutam aikido pensando na comida que vem depois. O exame de faixa de segundo Dan do Marcos foi no nosso sítio em Piracaia e depois da prova teve uma grande feijoada com todos os erros, acertos e confusões possíveis, mas todo mundo se divertiu e depois dos cinquenta a gente começa a se tratar também com mais generosidade, para de sofrer tanto quando as coisas não saem exatamente como se programa. Então, é a couve que era pra estar quentinha e ficou fria, o arroz que não ficou tão branquinho porque a convidada deixou um tico de alho queimar, a salada que vai pra mesa sem o molho etc. Mas quem liga? E se liga, e daí? Claro, quando a gente está pagando, tudo importa. Entre amigos que se gostam pode ser diferente. 

Pois neste final de semana teve almoço na casa do Fernando, aquele do chutney de maracujá,  que tem um grande quintal com uma parreira de maracujá, sob a qual fica a grande mesa emendada.  Nestes almoços aparece toda a família. Mulher, marido, mãe, filhos. Tem arquiteto, advogado, psiquiatra, paisagista, dentista etc - e o  Marcos otorrino, que recebeu o apelido de Doc. Fernando estava tão preocupado com a reunião em sua casa que o Sensei chegou, o guarda da rua disse que ele tinha dado uma saidinha, mas que podia entrar e usar a cozinha à vontade. Cheguei em seguida e começamos a cozinhar tomando um vinho que já estava aberto sobre a mesa. Dona Margarida, a mãe italiana do Sensei Eduardo, trouxe a massa feita por ela já sequinha e começou a descascar cebola, picar alho e reclamar do tomate que Fernando deixou sem pele. - Que tomate aguado, que tomate desbotado, o bom é o tomate italiano, vermelhinho. E não precisa tirar a pele, não. 

Depois que a cozinha já estava cheia de gente espalhando comidas pela mesa, inventando outras, Fernando e Gilles, que também mora na casa, chegaram suados com suas bikes. Foram passear. Gilles, que é francês, fica meio atordoado com tanto conversê, mas também se diverte. Diz que este tipo de reunião seria impensável na França. Colhemos ervas no quintal, Fernando foi me mostrar o nabo negro que vai colher, montei um fogareiro no quintal pra fazer spatzle de capuchinha, um bolo de mandioca assava no forno e perfumava a cozinha envidraçada -  Fernando fez usando a receita da minha amiga Silvinha que está aqui no Come-se. Sensei dourava as lulas, Ivan mostrava o novo molho de pimenta, Alexandre que não bebe nada tirou da sacola dois vinhos excelentes além de queijos, Chico trouxe salada, algum arteiro misturava pimentas aos pequenos tomates para confundir distraídos (e conseguiu), a disputa entre pimenteiros continua, as crianças conversam sobre fronteiras do Brasil, Henrique vegano faz berinjela ao forno com tofu, dona Margarida faz molho de tomate ignorando os pelados e usando os italianos trazidos para salada, reaquecemos o ragu do Fernando, é hora de cozinhar a massa e vamos comendo. Teve ainda bolo de aniversário para o Ivan e Roberta, cafezinho, moleza, louça pra lavar e marmitinhas pra levar embora. 

Veja aí minhas fotos e do Marcos. Outras, mais profissas são as do Plínio e podem ser vistas no facebook dele, assim como um lindo vídeo com as crianças 
https://www.facebook.com/plinio.i.borges/media_set?set=a.10202044676622225.1345833513&type=3 





Sem dúvida, é o Sensei o que mais trabalha. Cozinhando e lavando. Ele gosta!

Carol aprendendo a fazer spatzle. E Fernando esperando o molho

Carol aprendeu direitinho

Henrique ganhou spatzle vegano de mandioquinha - e inhame em vez de ovo

Tô ficando expert pra disputar com o vendedor de yakissoba na Paulista

Eles levam papo cabeça. A Clara também é aikidoista junto com os marmanjos

Dona Margarida, a mama do Sensei
Madonna! Che cazzo è questo pomodoro? 

Bolo de mandioca. Ao fundo, mãe e filha do Chico

Bolo de mandioca da Silvinha feito pelo Fernando que incrementou com
fava de baunilha e pedaços de mandioca pra enfeitar

Macarrão da mama Margarida

Fernando deixou uma mesa com tudo que poderíamos precisar


O nabo colhido no quintal 

Fernando, o nabo e sua mãe Stela

O nabo é ardido que só (já mostrei um radis noir aqui)

As pimentinhas do meu quintal para os muito machos - e para os que foram
enganados e meteram na boca como se fossem tomates

Estes tomates não foram aprovados pela dona Margarida. E o Fernando
deixou todos pelados pra adiantar. -  Não tiro a pele, não, obrigada! 

O radis noir 

10 comentários:

Eliane disse...

Festa boa é assim onde todos dão palpite e ajudam.
Eu adoro ja meu Gato fica apavorado diz que não temos espaço nem equipamento. Eu não ligo, convido todos e espero pra ver no que vai dar.
Até hoje deu sempre certo!!!!!!
Continue semeando suas ideias se ta transformando se não o mundo, pelo menos um bom pedaço dele.

aguiar disse...

Que maravilha!!!! Almoço no quintal!
Adoro esses encontros de amigos no quintal, regado a muita comida e um bom bate papo.
Infelizmente no mundo corrido, fazemos isso cada vez menos...é uma pena! Mas devemos insistir e com isso revitalizar os laços de amizades.
Parabéns pra vc e seu grupo de amigos, que continuam dando o exemplo. Abraços

Fabiana Oda disse...

Neide, que fotos deliciosas!
Eu e Du não pudemos ir à esse convescote, mas não faltarão outros, com mais risadas, comidas e vinhos!

Sigo lendo outras postagens do seu blog, que é fascinante!

Grande Beijo
Fabi Oda

Anônimo disse...

Estava mesmo uma delícia! Saí antes de terminar, mas aproveitei e gostei muito!
O Fernando tem wue te levar jo nosso sítio, aonde cozinha, quintal e sala se misturam num só ambiente! Bjo, Stela (a mãe do Fernando...)

Anônimo disse...

Neide, que quintal e que cozinha deliciosas!!
Ontem, em casa, de improviso, também comemos no quintal..rs.. sentados no chão, como um picnic. Macarrão com brócolis, divino!!... e suco de pêssego. Meus filhos, pequenos ainda, adoraram esse momento... qualquer coisa que se faça de diferente eles adoram. Isso que vale! Beijos, Raquel.

Fernando Goldenstein Carvalhaes disse...

Neidoca que gostoso seu texto colorindo as lembranças dos aromas e sabores da nossa bagunça. Um sonho cozinhar com você e o Sensei, eternos mestres engenhocas inventantes de artes que desafiadoras da nossa cognição!

Neide Rigo disse...

Eliane, é assim, né? só erra quem faz.

Aguiar, pois é, exige um certo esforço, mas não podemos deixar isto morrer em nós.

Fabi, sentimos falta de vocês...

Stela, adorei te conhecer. Quero muito ir ao sítio de vocês. Em breve.

Raquel, a casa do Fernando é um oasis no meio de São Paulo. Mas é isto aí, a gente sempre pode dar um jeito de comer diferente.

Fernando, um sonho é usar sua cozinha aquário como se fosse nossa. E participar dos seus experimentos.. Obrigada sempre pela generosidade e hospitalidade sem igual.

Um abraço, n

Ana Affonso disse...

Pode morrer de inveja?

Neide Rigo disse...

Ana, morra, não. Viva pra fazer também. Um abraço,n

Ana Affonso disse...

Ai Neide, as pessoas com quem eu convivo estão tão preocupadas em fazer dieta e passar fome que dá uma preguiça. Claro que pode rolar um almoço com saladas e sopa mas é tão chato. Lá vem o calor, lá vem a vontade de fazer churrasco no quintal. Beijinhos.